NOTÍCIAS E ARTIGOS

Economista avalia Selic a 12,75%

11/05/2022

No início deste mês, os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) elevaram por unanimidade a taxa básica de juros Selic da economia brasileira em 1 ponto percentual, para 12,75% ao ano. Nos EUA, as taxas subiram 0,50 ponto para um intervalo de 0,75% a 1,00%.

Então, o ciclo de altas taxas de juros no Brasil e nos Estados Unidos apresenta um novo cenário para os investidores brasileiros – e tudo se torna ainda mais nebuloso já que o lockdown chinês, a guerra na Ucrânia e a eleição no Brasil estão no mesmo contexto. Assim, alguns produtos de renda fixa tornaram-se mais atraentes, enquanto os ativos de capital muitas vezes perdem seu apelo.

Isso significa, para Felipe Rodrigo de Oliveira, economista da MAG Investimentos, que “mesmo que os juros dos EUA subam, a diferença de juros entre o Brasil e os EUA ainda é grande, mais de 10 pontos percentuais, o que ajudará o dólar a ficar perto de 5 reais em vez de 6”.  Os investimentos mais recomendados nesse ambiente são os títulos de renda pós-fixada, ou seja, os títulos que acompanham a variação da Selic, com algumas opções oferecendo retorno de mais de 1% ao mês, dependendo do prazo da aplicação, além de títulos indexados à inflação, dado o cenário de preços elevados.

Felipe também recomenda investimentos em crédito privado de baixo risco e fundos de hedge. “Eles atuam em vários mercados no Brasil e no exterior, diversificando seus portfólios em produtos normalmente não disponíveis para investidores pessoas físicas.”

Outra indicação são os fundos imobiliários, que têm dividendos mensais isentos de imposto de renda. “Enquanto o setor imobiliário não se valorizou mais do que a inflação, temos observado um movimento de volta das pessoas ao trabalhar presencial, e os FIIs são uma forma de tentar capturar essa tendência”, diz Felipe.

Ele ressalta, porém, que o ideal é sempre diversificar os FIIs em carteira, definindo cotas para lajes corporativas, armazéns, crédito imobiliário e outros. Em relação à bolsa, Felipe destacou ações de bancos, que devem se beneficiar de uma Selic mais alta. “Eles tendem a se sair melhor com taxas mais altas, especialmente porque nossa taxa de inadimplência continua baixa.”

Já na caderneta de poupança pouco muda. A modalidade de investimento mais popular do país seguirá com o retorno travado em 6,17% ao ano + TR (Taxa Referencial), e continuará perdendo para a inflação.