Empresa apresenta estratégia comercial para delegados do Sincor-SP, corretores e representantes de assessorias

Alfredo Lalia Neto, Fernando Grossi e Rogério Santos receberam cerca de 300 agentes de mercado na sede da companhia para esclarecer planos de crescimento da companhia em 2022

A Sompo Seguros S.A., subsidiária da Sompo International, empresa responsável pelas operações de seguro e resseguro do Grupo Sompo Holdings fora do Japão, realizou no inicio deste mês (dias 8 e 9 de junho) em sua sede em São Paulo (SP), quatro encontros para apresentar aos agentes do mercado segurador o atual panorama da companhia.

Aproximadamente 300 profissionais entre corretores de seguros, delegados do Sincor-SP e representantes de assessorias de seguros tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre as estratégias comerciais para 2022 e como fica o relacionamento com o mercado após o anúncio do acordo de venda da linha de produtos de Varejo da companhia para a HDI, anunciado em 24 de maio, bem como entender os impactos da medida para o corretor de seguros e os segurados.

“A Sompo Seguros sempre atuou com a política de Portas Abertas e sob a premissa da transparência. No atual momento, nada muda. Seguimos com lançamentos de produtos e implementando novas ferramentas e processos que trazem mais eficiência ao corretor de seguros e propiciam uma melhor jornada do cliente junto à seguradora. Há campanhas de incentivo que estão em vigência e já temos planejadas novas iniciativas tanto para os produtos do segmento de Varejo quanto do Corporativo”, lembra Rogério Santos, diretor Comercial para Região São Paulo Metropolitana Expandida e Sul do Brasil da Sompo Seguros, que recepcionou os participantes junto com a equipe comercial da companhia.

“Essa foi uma oportunidade de estarmos junto de nossos parceiros de negócios e dos delegados do Sincor-SP para reiterarmos nosso compromisso com o mercado segurador”, complementa Fernando Grossi, diretor Executivo Comercial e de Marketing da Sompo Seguros. “Nossa equipe está empenhada em garantir as melhores condições para o desenvolvimento de negócios pelos parceiros corretores de seguros e com o alto nível de qualidade de entrega em nossos produtos e serviços”, ressalta o executivo.

Alfredo Lalia Neto, Rogerio Santos e Fernando Grossi

Vale ressaltar que após a aprovação dos órgãos reguladores, prevista para acontecer dentro de alguns meses, a Sompo Seguros continuará a atuar na área de Seguros Corporativos nos ramos de Transportes, Riscos Nomeados e Operacionais, Riscos de Engenharia, Lucros Cessantes, Compreensivo Empresarial (com Limite Máximo de Garantia superior a R$ 30 milhões), Responsabilidade Civil Geral, Garantia, Fiança Locatícia, Riscos Diversos – Equipamentos, Agrícola, Penhor Rural e Benfeitorias. Somadas, essas carteiras representaram R$ 1,48 bilhão em Prêmios de Seguros no ano de 2021.

Já os ramos Automóvel, Residencial, Habitacional, Vida, Compreensivo Empresarial (com Limite Máximo de Garantia até R$ 30 milhões) e Condomínio, que constituem o segmento de Varejo, serão transferidas para uma nova sociedade seguradora a ser constituída pela Sompo Seguros e subsequentemente vendida à HDI. Cabe ressaltar que a Sompo Seguros totalizou R$ 1,80 bilhão em Prêmios de Seguros produzido nessas carteiras em 2021.

“A Sompo Seguros sempre atuou de forma muito próxima aos agentes do mercado. A oportunidade de organizar esse encontro se tornou essencial porque pudemos dialogar diretamente com nossos parceiros e dar detalhes sobre os planos da companhia”, observa Alfredo Lalia Neto, CEO da Sompo Seguros. “O Brasil é um mercado estratégico para o Grupo Sompo International, que vê como essencial para os negócios estar em economias emergentes. Seguimos com as metas estabelecidas para as carteiras dos ramos de Varejo e estamos com uma estratégia comercial e de resseguros que nos garante condições bastante competitivas de subscrição de riscos corporativos para alcançarmos nossas perspectivas de crescimento em 2022”, conclui.

Sobre a SOMPO Seguros S.A

 

A Sompo Seguros S.A. é uma subsidiária da Sompo International, empresa responsável pelas operações de seguro e resseguro do Grupo Sompo Holdings fora do Japão. No Brasil, a companhia disponibiliza soluções completas em produtos e serviços de seguros com o objetivo de ser a seguradora mais simples e próxima para os clientes e corretores, com crescimento sustentável. Seu amplo leque de ofertas contempla Seguros Pessoais (Auto, Residencial, Habitacional, Vida e Acidentes Pessoais), Corporativos  (Auto  Frotas, Empresariais, Condomínio, Riscos Nomeados e Operacionais, Transportes, Engenharia, Responsabilidade Civil, Garantia, Agrícola, Penhor Rural e Benfeitorias, Vida em Grupo, Acidentes Pessoais Coletivo, entre vários outros); bem como a área de Seguro Saúde.

 

O Grupo Sompo tem sua origem no Japão, atua há mais de 130 anos no mercado de seguros e hoje conta com operações nos cinco continentes. No Japão, disponibiliza uma vasta gama de seguros nas áreas de Ramos Elementares, Vida e Acidentes Pessoais, além de outros produtos financeiros e serviços a fim de propiciar incremento na segurança, saúde e bem-estar dos clientes.

 

Mais informações: www.sompo.com.br

 

 

Mais informações para a imprensa:

Sompo Seguros

Departamento de Marketing

William Parron (wparron@sompo.com.br)

Fones: (11) 3156-1451 / (11) 97241- 4382

Sala de Imprensa da Sompo Seguros: https://sompo.com.br/press-releases/

William Parron

Marketing

Rua Cubatão, 320 – 12º andar

Fone: (0xx11) 3156-1451 / 97241-4382

E-mail: wparron@sompo.com.br

A importância do setor segurador diante de tragédias climáticas

Entre os meses de maio e junho, vivenciamos mais uma tragédia provocadas pelas cada vez mais frequentes questões climáticas. Pernambuco registrou a triste marca de 128 mortos nessa ocasião, fato que nos entristece e nos consterna. Temos percebido que esse tipo de situação vem nos assolando em proporções significativas e corriqueiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e Espírito Santo são tristes exemplos dessa afirmativa.

O último verão se particularizou por grandes tragédias provocadas por temporais, que ceifaram a vida de diversas pessoas e deixaram um rastro de destruição. Com a chegada oficial do inverno, a tendência é que as chuvas continuem trazendo prejuízos físicos e materiais. Mas o que a indústria de seguros tem a ver com isso? Eu afirmo com muita convicção que podemos contribuir e muito.

Enquanto provedores de proteção ampla, tendo os corretores de seguros como agentes do bem-estar, podemos auxiliar nas lógicas que movem nosso segmento: minimizar os impactos das perdas financeiras, patrimoniais e dos seus lastros de sustentação. Existem seguros que podem traduzir esses princípios em formato de apólices que são moldadas a partir das necessidades dos clientes e lastreadas por seguradoras em um ambiente legal e regulado.

Voltando ao estado de Pernambuco, somente na tragédia que acometeu o estado no final de maio e início de junho, as seguradoras locais receberam mais de 1.200 acionamentos de sinistros especificamente para o segmento de automóvel. Estima-se, portanto, que os valores de indenização ultrapassem a casa dos R$ 60 milhões. Além disso, todo segmento adotou ações de contingência que visavam dar celeridade aos atendimentos, minimizando os impactos que circundam esse tipo de situação, como por exemplo:

(1) Priorizar o agendamento de vistorias digitais na própria base dos guinchos (para onde grande parte dos veículos foi removido); (02) Priorizar as autorizações de reparos; (03) Verificar com a rede de oficinas referenciadas a disponibilidade para recepção dos veículos; (04) Verificar com a rede de guinchos os pontos de concentração de veículos; (05) Priorizar as indenizações integrais para casos que assim forem definidos.

O cliente é e sempre será o foco central de todo o ecossistema segurador. Por isso, sabemos que a palavra proteção deve ser configurada de forma integral nas nossas ações e práticas diárias. Afirmo com muita convicção que não existe outra atividade econômica regulamentada, habilitada, lastreada financeiramente, que possa absorver riscos e fazer frente às ocorrências nas suas inúmeras formas.

Isso passa, obrigatoriamente, por um corretor de seguros habilitado e uma empresa seguradora oficial, tendo como resultado uma apólice de seguros confiável. Quando se busca proteção de fato, a única alternativa realmente segura e legal é com uma seguradora oficial. Não existe outro caminho.

Ronaldo Dalcin, presidente do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne)

Sindsegnne marca presença na 4ª edição do Congresso dos Corretores de Seguros do Nordeste

Sindsegnne marca presença na 4ª edição do Congresso dos Corretores de Seguros do Nordeste

Evento que reúne parte expressiva dos profissionais e prestadores de serviços do setor segurador acontece nos dias 30 de junho e 1º de julho, na Paraíba

Entre os dias 30 de junho e 01 de julho, a capital da Paraíba, João Pessoa, recebe a quarta edição do Congresso dos Corretores de Seguros do Nordeste – Consegne. O evento acontece no Centro de Convenções Poeta Ronaldo Cunha Lima, no Polo Ecoturístico do Cabo Branco, e vai reunir mais de 1.400 pessoas, entre profissionais e prestadores de serviço do setor segurador, para rodadas de negócios, treinamentos, workshops e trocas de experiências.

Membros da diretoria do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne) estarão presentes no evento, representando o mercado segurador e as empresas presentes nos trezes estados que compõem a sua região sindical, sendo eles Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí, Maranhão, Pará, Amazonas, Acre, Roraima, Amapá e Rondônia.

“Nesta edição do Consegne, estamos primeiramente comemorando o retorno dos eventos dessa proporção, ou seja, era um evento que deveria ter acontecido em 2020, mas que por causa da pandemia precisou ser adiado, e agora finalmente poderemos nos reunir presencialmente com os diversos agentes do nosso ecossistema segurador para debater tendências e trocar experiências de mercado”, afirma Ronaldo Dalcin, presidente do Sindsegnne.

Segundo o executivo, o Consegne é de extrema importância pois reúne as grandes lideranças do mercado segurador para debater sobre as tendências para o setor, expectativas, pontos de atenção e oportunidades para os próximos anos. “Além disso, as palestras que serão realizadas nos fóruns propostos pela organização terão grande importância para o desenvolvimento do nosso mercado e para a capacitação dos corretores de seguros e securitários”, completa Dalcin.

Em um movimento sinérgico com o Sindicato das Seguradoras de Bahia, Sergipe  e Tocantins (SindSeg BA/SE/TO), o Sindsegnne receberá os participantes do evento em um espaço com estrutura inovadora e integrada às redes sociais. “Também estamos patrocinando uma das palestras do evento, que acontece logo no primeiro dia, às 18h30, com o ‘palestrante mágico’ Marco Zanqueta”, afirma o presidente do Sindsegnne. A palestra show terá como tema “Um palco de oportunidades onde você é o protagonista”.

Na programação, também estão previstas palestras com o campeão olímpico Dante Amaral e com o comediante Zé Lezim, além de painéis apresentados pela Escola de Negócios e Seguros (ENS), Superintendência de Seguros Privados (Susep) e empresas seguradoras.

Importância do setor – Segundo Rolando Dalcin, presidente do Sindsegnne, ter um evento do porte do Consegne reflete a importância da região Nordeste para o mercado segurador. “Até março de 2022, o mercado de seguros nacional havia crescido 14,4%. A nossa região sindical –  Norte e Nordeste – se destacou neste cenário, com crescimento percentual acima da média: 16,1%”, aponta.

De acordo com o executivo, a expansão do setor segurador é um importante instrumento para desonerar o Estado. “Somos responsáveis por um recolhimento considerável de impostos e acumulamos ativos que equivalem a 23,4% da dívida pública. Além disso, estamos responsáveis por 177 mil empregos diretos, temos 49 milhões de beneficiários de planos de assistência médica e nossa receita anual de prêmios representa cerca de 6,3% do PIB nacional. São números muito expressivos que espelham a verdadeira dimensão desse segmento que tem entre seus principais pilares a proteção”, finaliza.

CNseg e INMET firmam parceria para divulgar alertas de eventos meteorológicos severos

À medida que cresce o impacto dos desastres naturais de grandes proporções sobre a população brasileira, aumenta também a atenção do setor segurador aos aspectos relacionados às mudanças climáticas e aos riscos envolvidos. Em função disso, a CNseg firmou parceria com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) para a divulgação de alertas sobre a previsão de ocorrência de eventos severos do clima em território brasileiro e, dessa forma, contribuir para a mitigação de seus impactos.

O portal da CNseg está disponibilizando,  a partir de agora, um banner com link para a página Alert-AS, do Inmet, que permitirá acompanhar esse tipo de aviso para o Brasil. Assim, quando o Inmet lançar um alerta vermelho referente a expectativas de desastres naturais de grandes proporções, a exemplo do que ocorreu recentemente em Petrópolis e Recife, o mesmo será divulgado com destaque no portal da CNseg, por meio de um pop-up.

Banner INMET.jpg

De acordo com a diretora-executiva da CNseg Solange Beatriz Palheiro Mendes “esse serviço, além de ajudar a população a se proteger contra as consequências dos desastres naturais, também vai permitir que as seguradoras fiquem ainda mais preparadas para atender de forma eficiente e rápida as demandas de seus segurados. A parceria com o Inmet fornecerá, ainda, subsídios para uma melhor precificação dos produtos do setor segurador impactados pelas mudanças climáticas, além de apoio para ações de prevenção”.

WinSocial: um em cada quatro brasileiros adultos tem hipertensão arterial

Dia 26/04 é o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial – veja como se prevenir e se assegurar 

Em 26 de abril é lembrado Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, data que busca conscientizar a sociedade brasileira sobre esse enorme problema de saúde pública. De acordo com a primeira análise global abrangente das tendências na prevalência, detecção, tratamento e controle da hipertensão – liderada pelo Imperial College London e Organização Mundial da Saúde (OMS) e publicado em agosto de 2021 na revista The Lancet, o número de adultos com hipertensão entre 30 e 79 anos aumentou, mundialmente, de 650 milhões para 1,28 bilhões nos últimos 30 anos.

Também de acordo com dados do último levantamento do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico – Vigitel Brasil 2020, realizado pelo Ministério da Saúde, 26,34% dos brasileiros adultos afirmam ter hipertensão arterial; ou seja, um em cada quatro adultos.

Foi pensando nesse grande número de pessoas normalmente penalizadas pelo mercado formal de seguros que a startup WinSocial, em parceria com a MAG Seguros, incluiu hipertensos em seu portfólio de seguro de vida. A startup valoriza as atitudes saudáveis e recompensa financeiramente pessoas que cuidam da saúde, independente de alguma condição pré-existente.

“Identificamos no mercado segurador um volume elevado de pessoas recusadas ou severamente penalizadas pela condição de saúde”, explica Rafael Rosas, diretor da WinSocial. “Damos opções até então inéditas para essas pessoas, considerando a doença e o estilo de vida da pessoa, se ela pratica atividade física, entre outras informações. Muitas pessoas com uma condição preexistente têm a doença crônica sob controle, além de manter hábitos saudáveis. Aqui nós recompensamos essas atitudes, e as incluímos no mercado de seguros com vantagens: quanto menor o risco e maior o controle saudável da pessoa, melhor o preço”, comenta o executivo.

O número de óbitos por hipertensão arterial vem crescendo a cada ano no Brasil. Em 2015, foram registradas 47.288 mortes. Em 2019, o número saltou para 53.022, segundo o Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde. E não apenas isso, mas segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), há ligações entre a pressão arterial e a Covid-19, onde estudos apontaram que a hipertensão arterial foi o fator de risco mais importante para a morte de pacientes com Covid-19. Entre o fim de 2021 e início de 2022, especialistas notaram que pessoas que não tinham nenhuma história de hipertensão arterial, mas que tiveram Covid-19 confirmada, começaram a apresentar pressão alta. Estudos recentes da mesma entidade mostram que a Covid-19 facilita o desenvolvimento de hipertensão e de doenças crônicas, por exemplo, diabetes – doença também atendida pela WinSocial.

Controle e tratamento são essenciais 

 

No entanto, para manter a hipertensão arterial sobre controle basta ter um estilo de vida saudável: atividades físicas frequentes, como caminhadas de 30 minutos por dia, uma dieta mais equilibrada com baixo teor de sal (o que também inclui o sódio dos alimentos industrializados), procurar manter o peso adequado para o seu tipo físico e não fumar.

“Dentre seus produtos e coberturas atrelados ao seguro de vida, a WinSocial também oferece uma série de serviços que podem ser utilizados no dia a dia do cliente para promover seu bem-estar. Entre eles, está a telemedicina, desconto em medicamentos e agendamento de consultas e exames. Além disso, a plataforma dispõe de informações e tecnologias personalizadas para cada público a fim de ampliar e fortalecer seus cuidados com a saúde, buscando uma longevidade saudável”, informa Rafael Rosas.

Companhia realizou rodada de negócios com assessorias de seguros de São Paulo e do Rio de Janeiro

Com o objetivo de se aproximar ainda mais das assessorias de seguros, além de apresentar seu portfólio de produtos para representantes do importante canal de vendas, a HDI Seguros realizou encontros com as assessorias do setor.

No início de maio, executivos da seguradora promoveram eventos com participantes de São Paulo e do Rio de Janeiro. Os integrantes das assessorias foram recebidos na matriz da HDI para uma imersão nas principais frentes e estratégias da seguradora.

Assessoria Rio de Janeiro

 

Assessoria São Paulo

“Temos foco em ser uma seguradora mais forte e centrada nas necessidades dos clientes e corretores, e enxergamos as assessorias como um canal de vendas importante para nós, nossos parceiros essenciais para ampliarmos nosso alcance, atingindo o maior número de clientes possível”, diz Eduardo Dal Ri, CEO da HDI Seguros. Além dele, estiveram presentes nos eventos Flavio Rodrigues, Vice-Presidente Comercial; Mauricio Galian, Vice-Presidente Técnico; Rafael Ramalho, Vice-Presidente de Automóvel, além de diretores, que realizaram apresentações das áreas de Produto, Operações e Serviços, NPS e Marketing.

A HDI adota as melhores práticas do mercado para desenvolver soluções que estejam integradas com as necessidades do consumidor, do corretor e de públicos de interesse. Para saber mais, acesse https://www.hdiseguros.com.br/.

Cresce demanda por seguro de vida entre os jovens

De acordo com o levantamento feito pela MAG Seguros, seguradora especialista em vida e previdência com mais de 185 anos de história ininterrupta no Brasil, em 2020 e 2021 houve um crescimento na contratação de seguro de vida entre pessoas com idade inferior a 25 anos. Isto é, teve um aumento de 26% em clientes individuais novos.

“Temos um portfólio de produtos bem completo e pensamos em todos os momentos de vida da sociedade e isso nos possibilita, consequentemente, ter soluções aderentes a todos os perfis, necessidades e demandas, como é o caso de jovens”, comenta Rodrigo Cunha, gerente de Desenvolvimento de Produtos da MAG Seguros.

 

Esses dados de crescimento mostram que, apesar de muitas pessoas acreditarem que o seguro de vida é somente importante para pessoas mais velhas, as novas gerações estão mais preocupadas e conscientes com o planejamento financeiro e com o seu futuro. Vale destacar que, há alguns anos, este comportamento por jovens era mais direcionado a produtos de acumulação, ou seja, previdência.

 

O aumento da educação financeira também contribuiu com este movimento. A sociedade, de uma forma geral, passou a entender melhor sobre os produtos e coberturas oferecidas pelo mercado segurador. Desta forma, a compreensão sobre as diferentes formas de se proteger financeiramente em cada momento de vida ficou mais evidente.

Festejos juninos: uso de fogos, balões e fogueiras exige cuidado e prevenção

Produtos de seguros oferecem proteções e coberturas para acidentes comuns da época, como queimaduras, incêndios e danos elétricos

 

Soltar fogos e acender fogueiras são práticas tradicionais da época de festejos juninos. No entanto, apesar de serem sinônimo de diversão e alegria, podem causar acidentes com danos materiais, físicos e até mesmo colocar vidas em risco. Por isso, é preciso ter cautela durante as festas de São João e atentar para a importância de estar protegido diante de situações inesperadas.

“O mercado de seguros possui um amplo portfólio de produtos e serviços para os mais diversos tipos de riscos e o que mais presenciamos neste período festivo, além de muita comemoração, infelizmente, são acidentes envolvendo incêndios, queimaduras, amputações de membros, entre outras situações trágicas. Para muitas delas, a população pode contar com opções de proteção ao contratar um seguro”, afirma Alex Darlan, representante do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne).

De acordo com o executivo, no que tange os danos corporais, o mercado dispõe  dos produtos de Seguros de Vida/Acidentes Pessoais permitindo a contratação de coberturas como DMHO – Despesas Médicas Hospitalares e Odontológicas em consequência de acidentes, proporcionando o reembolso das despesas até o limite de valor contratado, Invalidez Permanente por Acidente, Morte Acidental e Diárias por Internação Hospitalares.

“Com relação aos danos materiais, nos produtos de Seguro Residencial, Seguro Empresarial e Seguro de Condomínio, existe a cobertura para eventos ocasionados por incêndios ao imóvel e conteúdo do local segurado, incidente de risco elevado neste período, face a maior utilização de fogueiras, fogos e até mesmo balões lançados de forma clandestina”, completa.

Além disso, o representante salienta que os seguros citados possuem vários serviços agregados oferecidos através da assistência 24 horas. “Em caso de um incêndio residencial, por exemplo, se necessário, o segurado contará com uma prestação de serviços especializados com profissionais capacitados para auxiliar na realização atendimentos emergenciais como a limpeza de fuligens e sujeiras acumuladas no local sinistrado”, explica.

Mas é preciso ter atenção, pois todos os sinistros ocorridos são submetidos à análise por parte das seguradoras, portanto, alguns pontos são importantes ressaltar para evitar prejuízos desnecessários caso seja determinado o uso indevido ou negligência. Entre eles, estão: construir uma fogueira em local impróprio (na varanda da casa/apartamento, por exemplo); soltar fogos dentro de casa; fabricação de fogos dentro da residência; armazenamento de produtos explosivos em locais inadequados; entre outros.

Prevenção

É certo que investir em um produto de seguro vai garantir mais tranquilidade diante de situações que fogem ao controle, mas é preciso atentar, também, para a prevenção de alguns acidentes. “Especificamente neste período, é importante ter cuidado com as fogueiras. Nunca acender fogueiras em locais fechados e procurar espaços limpos, afastados de pessoas, fiações, casas e materiais combustíveis. Neste momento em que o álcool em gel passou a fazer parte do nosso dia a dia, é importante também evitar fazer uso próximo ao fogo”, explica Darlan.

Com relação aos fogos de artifício, o representante orienta que o indicado é seguir à risca as orientações do fabricante presentes na caixa, adquirir produtos com procedência, não lançar em direção a pessoas, fios e locais inflamáveis e não tentar reutilizar fogos que falharam.

“Também é  importante ter atenção com os eventos de danos elétricos durante as festas juninas. Equipamentos eletrônicos devem ser instalados em locais secos e abrigados de água e da chuva. E não se deve instalar enfeites, como bandeirinhas, próximos da fiação da rede elétrica ou de fogueiras”, finaliza.

Juntos por Recife”: Instituto SulAmérica oferece atendimento médico e psicológico gratuito

O Instituto SulAmérica, em parceria com a startup de telemedicina Docway, anuncia uma campanha emergencial para apoiar moradores e moradoras do Grande Recife, região pernambucana severamente impactada por fortes chuvas nos últimos dias. A população local poderá receber atendimento médico e psicológico de forma virtual e gratuita. Para agendar a consulta, basta ligar para a Central Telefônica 4020-6316 ou acessar o site https://sulamerica.docway.com.br.

Doações 

O Banco de Alimentos Associação Civil (OBA) também receberá doações que serão revertidas em cartões alimentação para a população atingida. As contribuições podem ser feitas diretamente à organização, por transferência bancária (Banco Bradesco, AG 00031, C/C 9626-1, CNPJ 02.736.449/0001-48) ou PIX (financeiro@bancodealimentos.org.br).

Programa de apoio aos corretores da MAG Seguros termina com missão cumprida

Numa decisão pioneira no mercado de vida e previdência, a MAG Seguros decidiu proteger a renda de seus corretores com um pacote de benefícios, em 2020, que trouxe mais segurança e um alívio para os parceiros da empresa no momento crítico que o Brasil e o mundo viviam na pandemia da covid-19

Manaus, uma das cidades mais prejudicadas pela pandemia do coronavírus, é o cenário da história de Denilson Almeida, corretor de seguros da MAG. Aos 28 anos, ele ficou internado durante quatro meses, acometido pela covid-19. Por todo esse tempo, Denilson e sua família usufruíram do programa acima disponibilizado pela empresa aos corretores parceiros da companhia.

 

Fabiana Perdiz, superintendente comercial em Manaus, conta que todo os trâmites dos benefícios foram muito rápidos, o que ajudou muito a família de Denilson a se reestabilizar. “A MAG Seguros não é só formação profissional, a MAG é uma família, uma estrutura, é cuidado com pessoas e apoio que vai muito além do lado financeiro”, finaliza Fabiana.

 

Lembramos que apesar da melhora dos casos da doença é muito importante manter todos os cuidados para evitar a contaminação. “Todo o primeiro suporte foi dado por pessoas aqui da MAG Seguros, que insistiram que eu fosse procurar ajuda médica, porque eu não dei a devida importância aos sintomas. Eu devo a minha vida aos meus colegas, sem eles eu não teria conseguido”, relembra-se Denilson.

Seguro residencial protege o patrimônio e proporciona tranquilidade ao segurado

Atenta às necessidades do consumidor, a HDI Seguros oferece produtos  cada vez mais completos, agregando facilidades em caso de sinistro e imprevistos na residência 

 

Garantir a tranquilidade e o suporte para manter a residência protegida é o principal objetivo do segurado ao realizar a contratação de um seguro residencial. No entanto, de acordo com dados da Susep (Superintendência de Seguros Privados), atualmente, apenas 15,8% dos brasileiros fazem a contratação de uma apólice de seguro residencial. Atenta a esse cenário, a HDI Seguros alerta sobre a importância de o consumidor contratar um seguro para a proteção do seu lar.

“Ainda são muito poucos lares protegidos em todo o país, portanto temos um papel fundamental na conscientização das pessoas para que entendam a dinâmica do seguro para as suas casas. Mais do que isso, é crucial que o consumidor passe a enxergar o seguro residência sob a ótica de que é um investimento e importante aliado, que agrega valor e garante a tranquilidade do segurado em situações de imprevistos que possam ocorrer em sua casa”, ressalta Paula Erica Tassi, Gerente de Produto da HDI Seguros.

O cliente terá muitos benefícios com um seguro para proteger seu patrimônio, seja ele uma casa ou um apartamento. O HDI em Casa oferece todo o respaldo da seguradora na ocorrência de um sinistro no imóvel e ainda disponibiliza uma ampla cobertura contra incêndio, explosão e queda de aeronaves. Além disso, há as coberturas adicionais que podem ser contratadas, como roubo de bens, intempéries climáticas, danos elétricos, microempreendedor em residência, quebra de vidros e roubo e furto de bicicleta fora da residência, entre outros.

A companhia está sempre atenta às necessidades do consumidor e busca a inovação continuamente para agregar facilidades ao seguro residência. “Prova disso é que, com o HDI em Casa, o cliente também conta com a comodidade de usufruir dos inúmeros serviços de assistência 24 horas, como chaveiro, limpeza da residência, mão de obra hidráulica, mão de obra elétrica e baby sitter, entre outros. E – o mais importante – com um processo ágil”, finaliza Paula.

Empresa faz balanço de dois anos de pandemia

Durante evento destinado aos 1.500 colaboradores da MAG Seguros, seguradora especializada em vida e previdência com mais de 185 anos de atuação ininterrupta no Brasil, o CEO Helder Molina fez um balanço dos grandes números alcançados pela companhia de março de 2020 a março de 2022, período referente a dois anos de pandemia de covid-19. Os números alcançados pela seguradora impressionam.

Durante o tempo analisado, a MAG Seguros superou R$ 100 milhões em vendas novas de risco, o que reflete o aumento da preocupação e conscientização da sociedade em torno da importância do seguro de vida, principalmente diante de um novo risco trazido pela pandemia. Ainda neste período, a companhia registrou arrecadação de R$ 3.7 bilhões.

A seguradora também realizou o pagamento de mais de R$ 1.3 bilhão em benefícios, considerando todas as coberturas. Este número reflete o compromisso da MAG Seguros em cumprir com o seu propósito. Outros dados do levantamento feito foram a inclusão de 700 mil novos clientes, além de mais de 1 milhão de atendimentos realizados em todos os canais da Central de Relacionamento MAG.

Manter o time integrado e o alto engajamento durante o home office sempre foi uma preocupação no início da pandemia, mas que logo passou com a adaptação das rotinas e ritos que antes eram realizados no presencial. A análise feita pela companhia mostrou que, diariamente, são trocadas uma média de 70 mil mensagens pelo Teams.

Vale ressaltar, ainda, que todo crescimento e bom desempenho da MAG Seguros durante o período de pandemia também resultaram em novas oportunidades, com a contratação de mais de 800 novos colaboradores para atuação em todo o Brasil.

Novidades do setor

Seguradoras pagam R$ 7,2 bilhões em indenizações de seguro auto nos três primeiros meses do ano

Os seguros de automóvel têm batido recordes de volume nos pagamentos de indenizações. Somente nos três primeiros meses de 2022, foram pagos R$ 7,2 bilhões, um expansão de 40,7% sobre o mesmo trimestre do ano passado. Esse montante é equivalente ao valor de 102 mil veículos – aproximadamente a quantidade de todos os veículos emplacados em março de 2022 no País – com preço de médio de R$ 70 mil.

Seguro Habitacional cresce acompanhando a carteira de crédito relacionado ao financiamento imobiliário

O seguro Habitacional movimentou R$ 458,8 milhões em março de 2022, representando um crescimento em sua demanda de 12,1% sobre o mesmo mês do ano passado. No acumulado do ano, a arrecadação ultrapassou R$ 1,4 bilhão, expansão de 12,8% na comparação interanual. O desempenho do Habitacional acompanha a evolução do saldo total da carteira de crédito relativo ao financiamento imobiliário que, segundo dados do Banco Central, em fevereiro, avançou 14,5% em relação a fevereiro de 2021. Em 12 meses móveis, até fevereiro (14,1%), a taxa de crescimento se mantém acima de dois dígitos desde março de 2021 (10,4%).

(Fonte: CNSeg)

Companhia disponibiliza seguro Viagem para venda via corretor

Parceiros de negócios da companhia agora podem ofertar pacotes exclusivos, com limites de coberturas diferenciados

Allianz Seguros, em parceria com a Allianz Partners, empresa do Grupo Allianz, passa a disponibilizar o produto Allianz Travel para comercialização via corretor. O seguro continua com os mesmos atributos já conhecidos, com o diferencial da oferta de pacotes exclusivos, com limites diferenciados para as coberturas de despesas médicas e hospitalares, despesas odontológicas, cancelamento e interrupção de viagem, entre outras.

“A Allianz é líder mundial em seguro Viagem e oferece uma série de coberturas e vantagens que fazem dessa solução uma das mais completas do mercado”, diz David Beatham, diretor executivo de Automóvel, Massificados e Vida da Allianz Seguros. “Embora alguns países não exijam a contratação de um seguro para a entrada do turista, vale lembrar que o produto é essencial para garantir tranquilidade e apoio necessário ao segurado durante toda a viagem internacional e, inclusive, nacional”, acrescenta o executivo.

“Nossos principais parceiros de negócios agora podem oferecer aos seus clientes um seguro Viagem com a marca Allianz, fazendo a distribuição dessa solução de uma maneira simples e ágil. A novidade chega como um diferencial ao corretor, que além de diversificar o seu portfólio Allianz, ganha um produto com qualidade já reconhecida em todo o mundo”, pontua a diretora executiva Comercial da Allianz Seguros, Karine Barros.

O Allianz Travel traz, entre suas principais coberturas, indenizações em caso de despesas médicas, hospitalares e odontológicas, morte acidental, invalidez permanente total ou parcial por acidente e cancelamento e interrupção da viagem. Despesas farmacêuticas e relacionadas à fisioterapia também estão inclusas, assim como despesas jurídicas, extravio de bagagem e hospedagem após alta hospitalar. Os segurados ainda têm acesso gratuito ao serviço de telemedicina, com atendimento realizado por médicos especialistas, desconto em teste RT-PCR e coberturas garantidas em casos de Covid-19, sem custo adicional.

Os clientes podem acionar a Allianz diretamente via WhatsApp, 24 horas por dia, 7 dias por semana, e também possuem descontos no aluguel de carros e em pacotes turísticos, além de acesso ao Clube do Viajante e ao Clube de Descontos Allianz, que oferecem vantagens em serviços como intercâmbio, free shop, salas vips dos aeroportos e muito mais.

Open Insurance: proteção de dados do consumidor e implementação acelerada são principais preocupações para líderes mundiais do setor de seguros

Presidente da CNseg apresentou para executivos de vários países as oportunidades e desafios do Open Insurance no Brasil

O compartilhamento de dados dos consumidores é um dos principais cuidados que executivos de seguros do Brasil, da Europa e dos Estados Unidos – que participaram do workshop “Open Insurance e Questões de Dados”, organizado pela The Global Federation of Insurance Associations (GFIA), realizado em Praga (República Tcheca) – têm em mente quando se debate a implantação do sistema de seguros aberto (Open Insurance). Na enquete realizada, 62% dos participantes apontaram que o consumidor sempre deve ser o responsável pela decisão de quem deve ter acesso aos seus dados pessoais.

O presidente da Confederação Nacional das Seguradoras – CNseg, Dyogo Oliveira, iniciou a apresentação mostrando o cenário brasileiro do setor segurador, o maior da América Latina com arrecadação de US$ 102 bilhões em 2021 e pioneiro na implantação do sistema de seguros abertos no mundo.

“O Open Insurance engloba 91% do setor segurador (exceto saúde), tendo em vista que o segmento de saúde não está incluído por ser regulado pela Agência Nacional de Saúde”. O presidente da CNseg chamou a atenção para as oportunidades, que incluem a facilitação de comparação dos produtos, incentivo para construção do relacionamento digital e maior competição entre as empresas. Porém, destaca que os desafios para essa implantação incluem um escopo excessivamente abrangente de produtos de seguros, fundos de previdência e capitalização.

“Estão envolvidas linhas de produtos como Riscos de Petróleo, Riscos Nucleares ou Seguro para Satélites, por exemplo, concentradas em poucos clientes. Não há necessidade de desenvolver APIs específicos para essas linhas. Outro ponto é a falta de objetivos bem definidos por parte do regulador. Temos uma visão geral, mas sem parâmetros específicos sobre o que deve ser alcançado. Os custos elevados também são outro ponto. A CNseg está levantando o custo total de implementação do Open Insurance, mas estimativas iniciais apontam para um custo de U$ 20 milhões de dólares por empresa. Também seria importante ampliar o calendário de implantação dos sistemas abertos”, destacou.

Outra questão abordada por Dyogo Oliveira é o papel das Sociedades Iniciadoras de Serviço de Seguro (SISS). “Vamos solicitar que o regulador exclua as SISS porque elas se sobrepõem ao trabalho que já é executado pelos corretores de seguros. No ambiente digital, esse relacionamento pode ser conduzido pelas empresas do setor”, afirmou.

Sobre a proteção de dados, o presidente da CNseg alertou que o consumidor precisa estar ciente dos riscos. “Há pontos de conflito entre a Lei Geral de Proteção de Dados e o Open Insurance, e os órgãos de defesa do consumidor não estão envolvidos na conversa”, observou.

O Chefe de Negócios da Insurance Europe, William Vidonja, trouxe o cenário dos países da Europa. “Estamos numa situação parecida com a dos colegas no Brasil, com a expectativa de que utilizem o sistema bancário como referência para modelagem de outros serviços financeiros. Há menos de duas semanas, o regulador nos enviou 90 perguntas sobre o Open Finance, as quais ainda estamos verificando para responder até o início de julho. Porém, o que chama a atenção é que não há um foco específico em seguros”, afirmou.

Sobre a questão da proteção de dados, Vijona defendeu que os consumidores tenham total controle da informação. “É preciso ter clareza sobre os tipos de dados que serão compartilhados e com quem. Preservar a segurança de dados mais sensíveis é essencial”. O executivo finalizou a sua apresentação destacando a necessidade de cuidado com a modelagem do Open Insurance na Europa. “Se bem estruturado, teremos muito a ganhar. Porém, se o processo não for bem conduzido, teremos muito a perder”, avaliou.

O diretor internacional do Conselho Americano de Seguradoras de Vida dos Estados Unidos, Brad Smith, afirmou que tem acompanhado o avanço do assunto no Brasil e na Europa. E relatou: “É importante encontrar um ponto de equilíbrio entre compartilhamento de informação, suporte à inovação, eficiência, concorrência, proteção do consumidor e estabilidade financeira.”

Sobre a utilização de dados, Smith destaca as especificidades da legislação norte-americana. “Nos Estados Unidos temos leis estaduais diferentes das federais no que concerne à proteção de privacidade, principalmente no que diz respeito às informações sobre saúde. Vale lembrar ainda que há um limite sobre como utilizar dados de clientes para ampliar a concorrência e estimular a competição nos mercados”, explicou.

Os representantes de vários países também demonstraram grande surpresa com a velocidade de implementação prevista no cronograma brasileiro. Muitos demonstraram preocupação com que a implementação em um prazo tão curto prejudique as funcionalidades do sistema.

A Federação Global de Associações de Seguros (GFIA, na sigla em inglês) é uma associação sem fins lucrativos criada para representar as associações de seguros nacionais e regionais que atendam aos interesses gerais das empresas de seguro de Vida, Saúde, Seguros Gerais e Resseguro. A instituição tem como objetivo fazer representações aos governos nacionais, reguladores internacionais e outros em nome do mercado segurador mundial. Com 40 instituições associadas, entre elas a CNseg, a GFIA representa cerca de 87% do total de produção de prêmio de seguros no mundo.

(Fonte: CNSeg)

Seguro de Responsabilidade Civil (RC): tranquilidade para cobrir danos causados a terceiros

Atualmente, as pessoas vêm se preocupando mais com a tranquilidade e com o bem-estar. Afinal, imprevistos acontecem de uma hora para outra. Sempre zeloso, o casal Susana e Ernesto sabe a diferença que o seguro faz na rotina e no bolso. Semana passada, Susana foi testemunha dessa máxima.

A amiga dela, Luiza, é proprietária de uma construtora em Belo Horizonte. Ambas estavam juntas num charmoso café quando Luiza foi surpreendida pela notícia de que um de seus funcionários estava no hospital. O pé dele ficou machucado após a queda acidental de um martelo na obra.

Mas zelosa como é, Luiza sabe da importância de proteger o seu negócio e os seus funcionários. Tanto é que, há anos, ele conta com o seguro de Responsabilidade Civil (RC) – Empregado que, poderia vir a cobrir, por exemplo, os danos sofridos por alguém de sua equipe em caso de morte e invalidez.

Mas o que muita gente não sabe que há uma série de modalidades do seguro RC para diferentes perfis de profissionais que lidam com terceiros, a exemplo de gestores, médicos, advogados, arquitetos, contadores, dentistas, enfermeiros, engenheiros, fisioterapeutas, entre outros.

O pai de Luiza, Sr. Alceu, que o diga. Experiente executivo de uma famosa mineradora de Belo Horizonte, ele reconhece a importância das decisões assertivas e responsáveis neste setor que exerce tamanho impacto na vida de muitas comunidades. Por isso, além de estudar continuamente para desempenhar bem o seu trabalho, ele também conta com o seguro de RC – D&O, voltado a executivos.

Por meio dele, executivos são amparados diante de situações que envolvam processos judiciais, extrajudiciais e indenizações nos quais tenham sido responsabilizados individualmente, evitando, assim, perdas financeiras causadas durante a sua gestão.

“Mas seu pai trabalha numa grande mineradora, está à frente de grandes empreendimentos. Esse não é o caso de muitos profissionais que conheço”, questionou Susana.  Foi então que Luiza teve a oportunidade de esclarecê-la e defender as vantagens de contar com as múltiplas modalidades ofertadas pelo seguro de RC. “Esse seguro é fundamental para profissionais atuantes em empresas de diferentes portes, já que evita que qualquer ação judicial venha comprometer o patrimônio da firma, sendo, portanto, indispensável para a perenidade de qualquer negócio”, disse.

E você, ainda não conta com essa proteção? Procure o corretor de seguros de sua confiança e contrate logo o seguro RC.

Seguro Responsabilidade Civil (RC)

Válido para pessoas físicas e jurídicas, resguardando os segurados de futuras reclamações ou ações na justiça que sejam responsabilizadas civilmente por danos involuntários, materiais ou corporais causados a outras pessoas. Para saber qual é a cobertura mais adequada para você, procure o corretor de seguros!

As coberturas do seguro de RC são voltadas a:

  • Profissionais liberais
  • Executivos
  • Estabelecimentos comerciais e/ou industriais
  • Construtores de imóveis
  • Clubes, agremiações e associações recreativas
  • Hospedagens, restaurantes, bares e boates
  • Estabelecimentos de ensino
  • Obras Civis e/ou Instalações e Montagens
  • Condomínios comerciais e shoppings

TEx e HDI Seguros disponibilizam novo produto no MultiCálculo Residencial

 

A TEx, insurtech especializada em soluções para o Mercado Segurador, acaba de firmar parceria com a HDI Seguros com objetivo de aumentar a competitividade e as ofertas disponíveis no MultiCálculo Residencial do TELEPORT. A partir do dia 26 de maio, toda Corretora de Seguros que utiliza o TELEPORT, passou a ter acesso ao HDI em Casa sem custo adicional.

O TELEPORT é a primeira e única solução no mercado a oferecer em seu sistema o produto residencial da HDI, reafirmando o compromisso com a inovação e o pioneirismo presente na ferramenta. A Seguradora HDI está presente também nas opções de cálculo no MultiCálculo Auto, Moto e Caminhão.

A parceria entre HDI Seguros e TEx reforça nosso propósito de continuar inovando e trazendo os principais produtos do mercado em primeira mão para os clientes TELEPORT. Queremos entregar aos nossos parceiros mais uma excelente opção de seguro residencial, que contribuirá para o crescimento do mercado em todo o país”, explica Emir Zanatto, CEO da TEx.

O HDI em Casa é um seguro residencial que possui na cobertura básica diversos riscos como incêndio, raio, explosão e fumaça, e coberturas adicionais tradicionais como roubo, danos elétricos e personalizadas como Impacto de Veículos, escritório em residência, microempreendedor, anfitrião e outras. Os segurados também podem contar com mais de 70 serviços de assistências 24 horas como mão de obra elétrica e hidráulica, chaveiro, vidraceiro, limpeza de residência etc.

Para Paula Erica Tassi, Gerente de Produto da HDI Seguros, a parceria inédita em seguro residencial é fundamental para o objetivo da Seguradora de contribuir para a expansão do produto. “A oferta de um serviço tão importante como esse por meio de uma ferramenta inovadora, completa e intuitiva, contribui significativamente para o aumento da acessibilidade ao seguro. Esse é um passo importante para que o corretor expanda suas oportunidades de negócio e para que o segurado tenha as melhores soluções do mercado a apenas alguns cliques”, explica Paula. 

Além disso, é importante ressaltar que o MultiCálculo Residencial do TELEPORT é o único do mercado que permite realizar inúmeras cotações, além de transmitir a proposta diretamente da ferramenta. O MultiCálculo Residencial é simples e intuitivo, agilizando o dia a dia do Corretor de Seguros.


Atualmente o MultiCálculo Residencial da TEx permite um leque de possibilidades aos Corretores, ofertando produtos variados e com máxima rapidez aos seus segurados.

Seguradora oferece serviços da Beep Saúde para realização de exames laboratoriais e vacinas em casa

Matthias Kuehn, diretor de Saúde da Allianz Seguros. Foto: Tulio Vidal

Vacinas do calendário infantil e mais de 800 exames de análises clínicas, bioquímicas e genética serão oferecidos em domicílio sem custo adicional

Allianz Saúde apresenta uma novidade aos seus clientes. A partir de agora, os segurados terão acesso à realização, via rede referenciada, de exames laboratoriais e aplicações de vacinas na própria residência. A iniciativa é realizada em parceria com a Beep Saúde, empresa de saúde domiciliar.

Mais de 800 exames de análises clínicas, bioquímicas e genética – previstos no Rol de Procedimentos da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) – passam a ser oferecidos em domicílio, sem qualquer custo ou taxa adicional, assim como a aplicação de vacinas do calendário infantil em todos os planos disponíveis. Os clientes dos planos “Excellence” e “Exclusivo” também terão acesso às vacinas do viajante do calendário nacional.

“A Allianz Saúde busca evoluir constantemente e a parceria com a Beep reitera esse propósito. Sabemos que muitas vezes exames e a própria vacinação são adiados por conta de um dia a dia atribulado. Com isso, buscamos oferecer mais comodidade aos nossos clientes, que agora têm a possibilidade de escolher o momento que mais se adequa à sua rotina para realizar esses procedimentos, sem precisar sair de casa”, afirma Matthias Kuehn, diretor da Allianz Saúde.

Para agendar a realização de um dos exames e/ou das vacinas disponíveis e cobertos pelo plano contratado, basta o cliente acessar o aplicativo da Beep no celular, selecionar o plano Allianz Saúde e optar pelo dia e horário que preferir. A iniciativa é válida para os segurados da Allianz Saúde nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Espírito Santo, além do Distrito Federal.

“É de grande importância para a Beep firmar parceria com uma empresa centenária e de atuação em nível nacional. Estamos muito animados em poder levar o nosso padrão de atendimento aos clientes da Allianz residentes nos estados onde a Beep Saúde está presente”, afirma Vander Corteze, CEO e fundador da Beep.

Allianz Saúde S.A., CNPJ 04.439.627/0001-02, Rua Eugênio de Medeiros, nº 303, 7º andar-parte, Pinheiros, São Paulo, CEP 05425-000. Linha Direta Allianz Saúde: 4001 5060 (Capitais e Regiões Metropolitanas), 0800 701 8148 (demais regiões). SAC (24 horas): 0800 722 8148. Ouvidoria Allianz Saúde: 0800 771 3313. Atendimento à pessoa com deficiência auditiva ou de fala: 0800 707 1755. Consulte mais informações no site www.allianz.com.br.

 

Sobre a Allianz Seguros

No Brasil há mais de 115 anos, a Allianz Seguros atua em ramos elementares e saúde empresarial e está presente em todo o território nacional, por meio de 72 filiais, além de 62 assessorias e 42 mil corretores de seguros em todo o país. A Allianz Seguros é uma das líderes no setor de Ramos Elementares, 2ª em Automóvel e 1ª em Condomínio.

Tendo como premissa desenvolver ações de longo prazo, tanto nos seus negócios como no campo social, há mais de 25 anos um grupo de funcionários criou a ABA – Associação Beneficente dos Funcionários do Grupo Allianz. Nesse período, mais de 8 mil crianças e adolescentes da Comunidade Santa Rita (zona Leste de São Paulo) foram atendidos pela ABA, por meio de atividades complementares à educação formal, como artes, esportes e inclusão digital.

A seguradora nomeia o Allianz Parque, a arena multiuso mais moderna do país. Desde sua inauguração, em novembro de 2014, já recebeu mais de 10 milhões de pessoas.

Rodrigo Cunha, gerente de Desenvolvimento de Produtos da companhia.

Doenças Graves da MAG Seguros é fonte de oportunidades de negócios para o corretor

Rodrigo Cunha, gerente de Desenvolvimento de Produtos da companhia.

 

Com o aumento da conscientização da população em torno do seguro de vida e importância de se planejar para o futuro, uma cobertura tem se destacado no mercado.  A MAG Seguros tem visto a demanda pelo seguro de Doenças Graves crescer nos últimos anos. Desde 2010 em seu portfólio, este é um produto que tem sido continuamente atualizado pela companhia para atender cada vez mais as necessidades que surgem ao passar dos anos.
“Estamos olhando de perto as doenças e diagnósticos com maior incidência na sociedade para que as nossas soluções de Doenças Graves acompanhem ou antecipem as demandas das pessoas por proteção”, explica Rodrigo Cunha, gerente de Desenvolvimento de Produtos da companhia.
Esse olhar atento faz com que a MAG Seguros conte com quatro soluções diferentes de cobertura Doenças Graves, gerando ainda mais oportunidades para o corretor que conta com esse portfólio.
Um dos grandes diferenciais é o período de carência, um dos menores do mercado, com 60 dias. Além disso, o produto não prevê nenhum período de sobrevivência após o diagnóstico da doença. Estes dois aspectos contribuem diretamente para aumentar as possibilidades de fechamento de venda do corretor.

O Doenças Graves da MAG Seguros, no módulo Premium, cobre 28 diagnósticos como: Câncer (nos estágios leve, moderado e grave), AVC, Alzheimer, Parkinson, Infarto Agudo de Miocárdio, Insuficiência Renal Crônica, Paralisia de Membros, Perda da Fala, Visão ou Audição, Coma por Traumatismo Craniano, Danos Cerebrais Anatômicos, Doenças Hepáticas Graves, Pancreatite Crônica, Esclerose Múltipla, Doença do Neurônio Motor, Osteomielite, Queimaduras Graves (3º Grau), Anemia Aplástica, Doenças Pulmonares Obstrutivas Crônicas, e necessidade de Transplante de Coração, Pulmão, Rins, Pâncreas, Medula, Fígado, Intestino Delgado ou de Tecido Composto.

A MAG Seguros ainda oferece o Doenças Graves Master, que foi desenvolvido para atender pessoas com idade entre 66 e 85 anos e, desta forma, cuidar do futuro em todas as fases da vida. Este seguro garante cobertura para os casos de Alzheimer, AVC, Infarto Agudo do Miocárdio, Câncer, Insuficiência Renal Crônica e Parkinson.
“A companhia se orgulha de ter um dos portfólios mais completos do mercado e que, desta forma, concretiza seu propósito de levar proteção ao brasileiros, além de contribuir diretamente com a atividade do corretor”, finaliza Rodrigo.

Mercado de pets cresce e gera oportunidade para o setor de seguros

Atualmente, há no Brasil, mais de 141 milhões de pets, entre cães, gatos, aves e outros, de acordo com estimativa da companhia de serviços de assistência, Europ Assistance Brasil (EABR). Segundo relatório da consultoria Grand View Research, o setor foi avaliado em US$ 8,3 bilhões em 2021 e deve alcançar US$ 32,7 bilhões em escala global até 2030.

A crise econômica estimula o mercado de seguros para pets, já que os tutores buscam o serviço para tentar driblar os altos custos dos cuidados veterinários. Para o consumidor, há muitas vantagens. Afinal, ao contrário de planos de saúde pet, que se limitam à assistência veterinária, as assistências podem oferecer amplas gamas de serviços, como hospedagem e transporte.

Rogerio Guandalini, Diretor Comercial e de Marketing da Europ Assistance Brasil, destacou que as soluções pet já fazem parte do portfólio da companhia há alguns anos. “Desde o ano passado temos investido ainda mais na diversificação de nossos produtos, como por exemplo, a assistência psicológica à família em caso de perda de um pet, pois sabemos que os bichinhos são como membros da família, e a orientação remota de saúde, seguindo a nova onda de Telemedicina”, afirma.

A Europ Assistance oferece mais de 20 soluções que podem auxiliar os clientes em casos de emergências ou momentos de conveniência, como: consulta veterinária e cirurgia emergencial, internação, exames laboratoriais, hospedagem, funeral, entre outras”.

Rogerio Guandalini, Diretor Comercial e de Marketing da Europ Assistance Brasil, destacou que procura por esse tipo de assistência tem crescido no país, seguindo as tendências internacionais. “Sabemos que esse é um mercado que vem crescendo a cada ano, e, com a pandemia, notamos um aumento de aproximadamente 30% na procura por serviços voltados aos pets. Temos investido bastante em novas soluções e capilaridade de atendimento, garantindo modelos de credenciamento de clínicas veterinárias e pets de forma simplificada, a fim de atender a população brasileira sem restrições”.Para o especialista, este é o momento ideal para investir no setor. “O segmento vem crescendo acima da casa de dois dígitos nos últimos anos, e a procura de serviços também. Tanto o mercado segurador, como o mercado varejista estão incluindo em seu portfólio de produtos os serviços voltados ao mundo pet, para atender a nova formação das famílias brasileiras e suas necessidades”, conclui. (Fonte: CQCS)

A importância da Longevidade Financeira é tema de live do Instituto de Longevidade MAG

O Instituto de Longevidade MAG realizou em seu canal no Youtube uma live para debater sobre a importância do planejamento financeiro para ter melhor qualidade de vida. O bate-papo contou com a participação de Roberto Sato, aprendiz vitalício Jr., Investidor autodidata e conselheiro do Multiplicando Sonhos e Ninja Investidor. O debate foi mediado pela jornalista e educadora financeira, Janaina Gimael.

 

No início da live Sato falou sobre sua trajetória e a sua relação com o dinheiro desde a primeira infância. Além disso, também destacou sobre sua relação com o trabalho – já trabalhou como catador de algodão, em plantação de tabaco, em farmácia, até chegar a posição de gerente executivo – que o fez adquirir algumas habilidades como, disciplina, pontualidade e performance, todas elas essenciais para a sua educação financeira.

 

Durante o bate-papo também foi destacado sobre em que momento começa a construção da longevidade financeira e a importância de pensarmos no futuro ainda jovens. “A palavra aposentadoria é um pouco pejorativa, leva só a idade cronológica. A longevidade é positiva porque nada mais é do que a jornada dos 0 aos 100 anos. Ela não começa quando se tem 80 anos, ela começa bem antes disso. A infância é a primeira janela de oportunidade que eu vejo no ser humano. Então, quanto mais jovem, maior a janela para interferir de forma positiva”, destaca Roberto.

 

Além disso, o convidado também comentou detalhadamente sobre os cinco pilares da educação financeira que são abordados no Instituto de Longevidade MAG, sendo eles: Ganhar mais; Gastar bem; Poupar certo; Investir melhor e Proteger capital.

 

“O aprender tem que ser vitalício e não poder ser só para a primeira infância e adolescência.  A melhor maneira de instruir sobre educação financeira é praticando. É passando esse conhecimento pelo exemplo”, finaliza Roberto Sato.

 

Para conferir a live, basta acessar o canal do Instituto de Longevidade MAG.

Você conhece o Seguro Prestamista? Veja como ele pode ser um aliado no planejamento financeiro

Pouco conhecido pela população em geral, produto funciona como um Seguro de Proteção Financeira em caso de perda da renda

   

Um planejamento financeiro consistente deve sempre levar em conta situações imprevistas que podem surgir no dia a dia de qualquer pessoa, incluindo a privação temporária de renda decorrente dos mais variados fatores, como a perda de um emprego, por exemplo. Nesse cenário, o Seguro Prestamista surge como um poderoso aliado na manutenção do equilíbrio financeiro pessoal e familiar, ao garantir o pagamento de empréstimos e dívidas, evitando uma possível inadimplência.

Na prática, o produto funciona como um seguro de crédito, que preserva a capacidade financeira do segurado e/ou de seus beneficiários, em caso de morte, invalidez permanente total por acidente, desemprego involuntário e incapacidade física temporária. Nessas situações, o Seguro Prestamista pode possibilitar a quitação de financiamentos de bens junto a instituições financeiras, empréstimos pessoais e consignados, prestações de consórcios, dívidas de cartões de crédito e relativas a crédito estudantil, cobertura de cheque especial ou de saldos em aberto em crediários e financiamento de bens, entre outros compromissos.

“Imagine que você peça um empréstimo de R$ 20 mil ao banco e parcele esse pagamento em três anos. Caso ocorra algum imprevisto ao longo desse período, como os mencionados, o Seguro Prestamista protege a operação, ou seja, a seguradora assume o pagamento das prestações, de acordo com as condições estabelecidas em contrato, proporcionando tempo e recursos para que você se mantenha e possa buscar com maior tranquilidade uma recolocação no mercado. É um produto imprescindível para o planejamento financeiro, atuando como fator de proteção social”, destaca Ricardo Campos, superintendente executivo da Bradesco Vida e Previdência.

No caso específico da cobertura de incapacidade temporária para exercício da profissão, o Seguro Prestamista torna-se particularmente interessante para a segurança financeira de trabalhadores autônomos, informais e prestadores de serviço.

 

Em 2021, as indenizações relativas ao Seguro Prestamista representaram 21% do total pago no segmento de Seguro de Pessoas, alcançando o expressivo montante de R$ 3,7 bilhões. Em janeiro de 2022, essa participação avançou para 28%.

“Na Bradesco Vida e Previdência, pelo lado da receita, temos observado uma evolução bastante significativa dos prêmios relacionados ao produto nos últimos meses, com crescimento de 11,7% em 2021 e 15,7% em janeiro de 2022. Os números demonstram que, embora ainda seja relativamente pouco conhecido pela população, o Seguro Prestamista apresenta grande potencial de expansão no país”, afirma Campos.  

Allianz Seguros marcou presença na Brasesul com novidades em campanhas de vendas focadas em diversificação

Evento foi realizado em Foz do Iguaçu nos dias 26 e 27 de maio; companhia apresentará novas ações de incentivo aos corretores locais

A Allianz Seguros esteve presente no Brasesul – Congresso Sul Brasileiro dos Corretores de Seguros. Promovido pelos Sincor’s Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o evento que aconteceu nos dias 26 e 27 de maio, em Foz do Iguaçu (PR), e foi totalmente presencial. Um público de duas mil pessoas deve ter passado pelo evento, entre congressistas, corretores, assessorias e representantes de entidades do setor.

Diretora executiva Comercial da Allianz, Karine Barros comemorou a retomada do Brasesul, inicialmente prevista para 2020. “Participar de um evento dessa magnitude é motivo de orgulho para a Allianz. Tivemos a oportunidade de rever nossos parceiros de negócios, apresentar as novidades da companhia e, claro, estreitar ainda mais o relacionamento com os corretores locais”, diz.

Karine frisa, ainda, que a Allianz vem de um movimento importante de integração com as operações de Automóvel e Massificados da SulAmérica, o que permitiu à companhia entregar ao mercado soluções como Frota Fácil Digital, Caminhão Individual e Viagem, melhorias na carteira de Automóvel, ampliação do produto Moto e aumento do limite de aceitação em Auto Frota (veículos de carga) e Caminhão para R$ 1 milhão. “Nossos produtos e operações agora são 100% Allianz e queremos firmar esse novo momento junto ao canal de distribuição”, acrescenta.

Também patrocinadora do Brasesul, a Allianz recebeu os corretores em um estande exclusivo na Feira do Mercado Segurador, realizada simultaneamente ao Congresso. No espaço, a companhia apresentará duas novas campanhas de vendas, que levarão corretores e acompanhantes para os shows de Justin Bieber e Coldplay no Allianz Parque – além da já conhecida AlliadoZ 2022, voltada a corretores de todo o Brasil. “Nosso objetivo principal é estimular o canal de vendas a operar cada vez mais com um portfólio diversificado, especialmente nas linhas de Massificados, com produtos como Vida, Residência e Condomínio – sendo esse último a Allianz líder de mercado –; e de Riscos Corporativos, com seguros voltados a Transportes, Empresa Corporate, Equipamentos Agrícolas e de Riscos Diversos”, pontua Luciano Ambrosini, diretor Comercial Regional Sul da Allianz Seguros

O executivo avaliou a importância da região para o mercado segurador, considerando que o Sul foi responsável por 19% do faturamento do segmento (sem VGBL DPVAT) no ano passado, de acordo com a Susep (Superintendência de Seguros Privados). “É, de fato, uma região que traz muita força ao nosso setor, e a presença no Brasesul vem para corroborar o compromisso da Allianz com os parceiros de negócios que aqui atuam”, finaliza.

Procura por seguro cibernético cresce 100% em 12 meses

No Brasil, a procura por riscos cibernéticos alcançou, em março de 2022, o maior patamar de arrecadação desde a criação dessa modalidade de seguros – cerca de R$ 13 milhões – avanço de 23,4% em relação ao mesmo mês de 2021. O presidente da Confederação Nacional das Seguradoras- CNseg, Dyogo Oliveira, explica que no acumulado de 2022 (janeiro a março deste ano), esse volume alcança R$ 34,5 milhões. “Esse valor é 41,5% superior ao observado no primeiro trimestre de 2021.

E, em 12 meses, (de março de 2021 a fevereiro de 2022), o montante de R$ 113 milhões em prêmio é quase 100% maior do que o obtido no mesmo período imediatamente anterior. Os ataques cibernéticos têm sido cada vez mais frequentes e a proteção oferecida pelo seguro é uma tranquilidade a mais para as empresas evitarem maiores prejuízos”, afirma Dyogo.

A cobertura de Riscos Cibernéticos é voltada apenas para o perfil pessoa jurídica, incluindo as PMEs. Os pedidos de resgaste para “sequestro de dados” por ransomware estão amparados pelo seguro, bem como a investigação para entender o que ocorreu e, ainda, outros prejuízos consequentes, tais como: lucros cessantes e despesas operacionais decorrentes da paralisação das atividades das empresas.

Além disso, uma vez que os dados de uma empresa foram vazados podem incorrer custos para tentar recuperar/reparar esses dados. Adicionalmente, podem ocorrer investigações por órgãos reguladores, cujos custos para resposta a tais investigações também se encontram amparados pela apólice contratada, bem como as multas impostas nos processos regulatórios. Caso surjam reclamações judiciais de clientes pelo vazamento de dados, os custos de defesa e de eventuais indenizações também estarão amparados.

HDI anuncia a compra das linhas de negócios da SOMPO

Empresa adquiriu as linhas de negócio de Automóvel, Empresarial, Vida, Residencial, Habitacional e Condomínio da Sompo. 

A HDI Seguros acaba de assinar contrato de compra das linhas de Automóvel, Vida, Empresarial, Residencial, Habitacional e Condomínio da SOMPO. Com a operação, a HDI passa da 10ª para a 7ª posição no ranking geral de seguros – no ramo de Automóvel passa da 6ª para a 4ª, em Residencial, da 8ª para a 6ª posição e em Empresarial, da 8ª para 2ª posição em market share.

O movimento faz parte da estratégia de negócios da HDI, que está atenta às oportunidades do mercado com foco em ser ainda mais forte e centrada nas necessidades dos clientes e corretores. A aquisição trará ganhos de escala para a seguradora e melhores produtos e condições para corretores, assessorias, parceiros e clientes. Também ampliará seu alcance e sua diversificação de portfólio, o que resulta em maior capacidade para oferecer a clientes variadas soluções em seguros.

 “A operação veio num momento em que buscamos ampliar a nossa atuação no mercado. Estamos adquirindo um negócio com uma grande carteira de clientes e, como consequência, esperamos ter um aumento no número de corretores parceiros também – nosso principal e mais importante canal de vendas. Além disso, a decisão de compra mostra o quanto o Grupo Talanx, do qual fazemos parte, acredita no potencial de negócios do Brasil, o que nos deixa ainda mais confiantes para seguir em frente com nossas estratégias de crescimento”, comenta Eduardo Dal Ri, CEO da HDI Seguros.

“Em um mercado consolidado, alcance e diversificação se tornam cada vez mais importantes. Essa aquisição nos permite continuar nossa história de sucesso no Brasil, que é o maior mercado de seguros da América Latina, com potencial significativo de crescimento lucrativo a médio e longo prazo”, afirma o Dr. Wilm Langenbach, membro do conselho da Talanx AG responsável pela carteira internacional de varejo e CEO da HDI International AG.

A HDI Seguros aumentará o seu prêmio emitido em R$ 1.8 bilhão alçando aproximadamente a marca de R$ 5.5 bilhões. Nicolas Masjuan, Head de LATAM da HDI International AG, acrescenta que “a aquisição no Brasil, principal mercado estratégico da companhia, fortalece também nossa posição em regiões-chave, especialmente em São Paulo, a maior cidade do País. Além disso, conseguimos obter sinergias significativas combinando o negócio da Sompo com o nosso existente no Brasil”.

Até a conclusão da transação – sujeita às aprovações regulatórias do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) e da Agência de Serviços Financeiros do Japão – a HDI e a SOMPO continuarão o seu trabalho sem mudanças nas ofertas de produtos e serviços. As relações comerciais também seguem inalteradas e a administração das seguradoras continua de maneira independente.

 

MAG Seguros discute tendências tecnológicas em podcast

O episódio do podcast Talks Inovação, produzido pela MAG Seguros, uma das companhias seguradoras mais inovadoras, segundo o Valor Econômico, apresentou o tema de “Tendências para 2022: como trazê-las para nossa realidade”, e discutiu as perspectivas para esse ano, como metaverso, internet das coisas e NFTs.

As tendencias acontecem a partir da necessidade de inovação de uma sociedade e vão refletir em contextos sociais, culturais, econômicos. E é importante acompanharmos essas tendências, caso estejamos atentos e com ferramentas capazes de monitorar esse contexto, pois torna-se possível nos antecipar e nos adaptar a esses movimentos – e ser proativo com o comportamento e as necessidades que seu cliente pode adotar.

O podcast, mediado por Renata Loyola, superintendente de gestão da inovação do Grupo MAG, contou com a participação de Cátia Tarabal, superintendente de Analytics, Pesquisa e Produtos e com Jimmy Werder, gerente de Canais Digitais, ambos também da MAG, começou definindo tendências como “uma sequência de eventos que mostram uma nova direção – novos hábitos de consumo, que vão determinando novos nichos de mercado, associados ao potencial de crescimento”, nas palavras de Cátia.

Com isso em mente, e falando sobre como trazê-las para nossa realidade, os executivos analisaram como primeira grande tendência para o ano de voltar para dentro de casa. “O mundo dificilmente vai voltar a ser como era”, explica Werder. “O mundo todo está indo para o modelo de trabalho híbrido; e quando você começa a usar muita tecnologia para o seu trabalho do dia a dia, existem riscos maiores. Uma tendência de mercado hoje é juntamente investir na diminuição deste cenário”, conta.

A Internet das Coisas (IoT) também foi apontada como outra grande tendência, uma teve seu uso mais pulverizado pelo mesmo contexto de inovação tecnológica forçada dos últimos anos – e que deve ter seu uso cada vez mais comum – desde carros de aplicativos autônomos a geladeiras que registram itens (e a falta deles) para fazer compras online de forma automatizada. No mercado de seguros esse tipo de inovação pode se dar, por exemplo, através de relógios inteligentes que monitoram a saúde dos usuários com dados compartilhados com a seguradora, que pode então usar essa sua “assinatura digital” de modo a personalizar produtos e assessorias.

O Open Insurance é outra dessas tendências, ligadas às acima. “Nada mais é do que um conjunto de regras e procedimentos que permitem criar um mercado aberto de seguros”, diz Tarabal. “Segmentação e personalização, tanto do atendimento como seu produto, são coisas que vieram para ficar”, analisa ela.

Também discutiram o uso de NFTs e do metaverso, que poderá ser usado como ambiente de negócios virtuais, acessado remotamente. Um corretor poderá fazer apresentações mais imersivas e de maior impacto na hora de vender um seguro, por exemplo, com projeções, vídeos, imagens holográficas, tornando a reunião mais lúdica e ao mesmo tempo, em uma experiência mais impactante. E, claro, tudo pode estar interligado – com NFTs sendo utilizados no metaverso, que será customizado com seus dados compartilhados.

HDI Seguros marca presença no Brasesul 2022

Além de ser uma das patrocinadoras do evento, executivos da seguradora vão participar da programação do congresso

 

Nos dias 26 e 27 de maio, a HDI Seguros – a 4ª maior seguradora no ramo empresarial, a 5ª maior em Automóveis e a 6ª em Residencial – estará presente no maior congresso destinado aos corretores de seguros da região Sul do Brasil, o Brasesul. O evento, que acontecerá em Foz do Iguaçu (PR), terá como tema Fidelize, Diversifique, Monetize.

Executivos da seguradora farão parte da programação do evento, que vai focar a discussão de temas relevantes para o crescimento da classe. No dia 27/05, os corretores poderão conferir a participação do CEO da HDI, Eduardo Dal Ri, no Painel dos CEOS, às 10h40, debatendo junto com os presidentes das seguradoras patrocinadoras do congresso sobre as novidades e o futuro do mercado segurador, e a do Vice-Presidente Comercial da HDI, Flávio Rodrigues, na palestra Customer Sucess – Fidelize, Diversifique e Monetize, às 15h, com mediação de Marcelo Caetano. A companhia, que também é uma das patrocinadoras do congresso, levará à Brasesul uma ação especial para os corretores em estande com jogos, comida e bebidas.

“Além de ser líder do segmento no Sul, a HDI conta com corretores muito talentosos na região, que são uma parte fundamental do nosso sucesso e estratégia de negócios. Estarmos presentes no Brasesul, especialmente debatendo sobre temas que vêm sendo abordados pelo setor, é fortalecermos a nossa presença e as nossas soluções, que estão cada vez mais alinhadas com as necessidades dos segurados. Estamos ansiosos para contribuir ativamente para o aumento do conhecimento dos corretores, a expansão do networking desses profissionais e, acima de tudo, fazermos a diferença no mercado de seguros”, diz Eduardo Dal Ri.

Os gerentes comerciais da HDI que atuam na região Sul, os diretores regionais Rubens Oliboni (RS,SC) e Omar Assolari (PR), e a Superintendente Comercial da seguradora, Luciana Luce, também estarão presentes no evento.

Serviço

Congresso Sul Brasileiro dos Corretores de Seguros – Brasesul

Quando: 26 e 27 de maio de 2022

Onde: Rafain Palace Hotel & Convention – Av. Olímpio Rafagnin, 2.357, Parque Imperatriz, Foz do Iguaçu (PR)

Informações e inscrições: http://toindo.com.br/convidado/

 

MAG Seguros patrocina edição do Brasesul e leva suas soluções aos corretores

 

A MAG Seguros, companhia especializada em seguro de vida e previdência mais longeva do país com 185 anos de atuação ininterrupta, estará presente no Congresso Sul Brasileiro dos Corretores de Seguros – Brasesul, que acontecerá nesta semana, entre os dias 26 e 28 de maio em Foz do Iguaçu.

O stand da companhia terá ativações especiais, como o chute a gol. Nela, os participantes têm a missão de marcar o gol para ganhar brindes oficiais da Copa do Brasil, torneio de futebol mais democrático do país que conta com o patrocínio da MAG Seguros. Quem passar pelo espaço também vai ter a oportunidade de conhecer mais sobre as iniciativas da seguradora direcionadas ao aumento de geração de negócios para corretores de todos os ramos.

De acordo com a Superintendência de Seguros Privados (Susep), o volume de prêmios dos seguros de pessoas registrou R$ 50,8 bilhões no acumulado de 2021 (janeiro a dezembro), com alta de 12,4%. O destaque foi o seguro de vida individual, que registrou crescimento de 17,4% no mesmo período.

Muitos corretores ainda não comercializam seguro de vida em seu portfólio, e que este é um setor que tem apresentado um amplo crescimento. Isso mostra o grande potencial e as inúmeras oportunidades que estes profissionais têm para aumentar os seus ganhos.

Além das ferramentas digitais de vendas e de gestão da carteira, a MAG Seguros oferece ainda aos seus parceiros inúmeras vantagens e benefícios, como a universidade corporativa além de campanhas competitivas de reconhecimento e incentivo. Vale destacar que a seguradora também dispõe de profissionais dedicados para o suporte à atividade.

Atualmente, a MAG Seguros é a companhia com um dos mais amplos, modernos, completos e flexíveis portfólio de seguro de vida e previdência do Brasil, com o lançamento, em média, de 15 soluções por ano. A seguradora dispõe de produtos para demandas de vida individual, seguros coletivos e empresariais, para todos os perfis de clientes e necessidades.

Desta forma, a MAG Seguros cumpre com o seu propósito de prover soluções de proteção individual nos diversos momentos de vida de todos os brasileiros.

Número de usuários de planos de saúde segue em alta no Brasil

Uso consciente da cobertura pode auxiliar na manutenção do plano

A pandemia da Covid-19 transformou o olhar do brasileiro para os cuidados com a saúde. Durante esse período de maior fragilidade, o desejo por um plano privado de saúde cresceu no país. Um levantamento realizado pelo instituto Vox Populi apontou que a cobertura suplementar é a terceira principal ambição da população, perdendo apenas para a casa própria e educação.

De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o setor encerrou 2021 com mais 48 milhões de beneficiários, um crescimento de 3,2% em relação a 2020. No Norte e Nordeste, o avanço foi de 4,3% em 2020 e 2,2% em 2021, somando novos 111 mil beneficiários em dois anos.

No Brasil, o maior volume de contratações ficou por conta dos planos coletivos empresariais, que cresceram 5% em 2021. Já os coletivos por adesão avançaram 0,6%, enquanto os individuais ou familiares recuaram 1,5%. Artur Freire, executivo do setor de seguros e representante do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste, destaca a importância da atuação do setor privado diante da nova realidade.

“Independentemente da pandemia, o SUS sempre foi essencial para a saúde do país, mas não consegue atender toda a demanda. Principalmente no auge da crise, a saúde privada teve papel fundamental. Sem a saúde suplementar seria impossível atender a população”, afirmou.

O executivo observa que, com a alta na demanda, as empresas precisaram se reestruturar para oferecer o melhor atendimento. “Nesse período, o mercado segurador teve que se adaptar à realidade porque vários clientes perderam poder de compra. Na crise, muitas pessoas não conseguiram pagar, precisaram negociar, fazer downgrade passando para um plano mais barato ou até mesmo deixaram de ter cobertura”, completa.

Para quem já possui a cobertura, é preciso estar atento a alguns fatores que podem auxiliar na manutenção do plano. Entre eles, o destaque fica por conta da boa utilização dos serviços que pode até mesmo evitar reajustes maiores no valor das apólices.

“Para os planos individuais o reajuste é determinado pela ANS e não há possibilidade de incidência de reajuste pela sinistralidade da apólice, já os planos coletivos empresariais, além do reajuste anual, financeiro, também pode ocorrer o reajuste por sinistralidade”, informou Artur.

Em casos de mau uso, as operadoras podem encarecer o valor da cobertura. “Caso haja utilização indevida, isso vai impactar na sinistralidade e no aumento do preço. Para evitar isso, as operadoras vêm trabalhando muito com prevenção junto com RH das empresas. A ideia é promover uma conscientização e acompanhamento a pacientes crônicos, por exemplo, para evitar que os casos impactem à sinistralidade”, observou o executivo.

Para evitar a surpresa indesejada, a melhor saída é a prevenção. “Não compartilhar a carteirinha, fazer apenas os exames que são necessários e check-ups, sempre com ênfase principal na prevenção. A coparticipação também funciona como um incentivo à esta conscientização. Quanto mais nos conscientizamos, é melhor para todo mundo”, finalizou.

Alto índice de fraudes afeta o setor de seguros e pode encarecer o serviço

No Brasil, segmento de automóveis é o mais afetado

Um relatório divulgado pela Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg) apontou que, durante o 1º semestre de 2021, 15,6% dos sinistros registrados no país foram classificados como suspeitos. Segundo o levantamento, o valor das fraudes comprovadas neste período soma R$ 349,3 milhões. De acordo com Anderson Peixoto, representante do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne), as fraudes afetam o setor e os segurados de forma negativa.

“Todo produto securitário depende de cálculos complexos que têm como objetivo distribuir os riscos da carteira. As fraudes fazem com que o preço do seguro aumente, já que as taxas são calculadas com base na frequência e severidade dos danos. Ao passo que aumentam as fraudes, o preço do prêmio do seguro é elevado, sendo prejudicial ao consumidor”, explica.

Anderson destaca que, entre os segmentos, o setor de automóveis é o mais afetado pelo crime. “Existem quadrilhas que forjam o roubo do veículo, queimando-os em seguida, a fim de obter a perda total junto às seguradoras. Mas também pessoas comuns, por razões diversas, cometem crimes de fraudes para tentar resolver dificuldades financeiras que estão vivendo, por exemplo”, aponta.

Recordista em fraudes, os sinistros no ramo de automóvel também são os que mais crescem no país, com uma variação de cerca de 11 pontos percentuais entre os primeiros semestres de 2020 e 2021. Além desse setor, Anderson aponta os segmentos de smartphones e seguros de vida como os que sofrem mais com as fraudes.

“Com relação aos smartphones, por exemplo, as tentativas de fraudes ocorrem na cobertura de roubo, sendo que efetivamente o aparelho não foi roubado”, observa. Para tentar inibir as fraudes, as seguradoras utilizam alguns mecanismos de proteção.

“Existe o cruzamento de dados, a fim de verificar se um beneficiário está demandando múltiplos seguros de vida em relação ao mesmo segurado, por exemplo. A tecnologia é a maior aliada do mercado securitário para prevenir e combater fraudes. Existem alguns bons softwares que auxiliam neste sentido”, explica Anderson.

Além disso, o representante do Sindsegnne ressalta que o fraudador corre o risco de ser tipificado nos artigos 171 (Estelionato) e 179 (Fraude) do Código Penal Brasileiro, que possuem pena de reclusão de 1 a 5 anos e 6 meses a 2 anos, respectivamente.

MAG Seguros patrocina homenagem de Kobra à classe trabalhadora em Exposição na Paulista

Inciativa ocupa a Av. Paulista no mês do trabalhador  

No começo deste mês para comemorar o dia 1º de Maio, Dia do Trabalhador, a 8ª edição da Exposição da Paulista, iniciativa da União Geral dos Trabalhadores – UGT, que em 2022 trouxe o artista Eduardo Kobra, um dos mais reconhecidos artistas brasileiros, nacional e internacionalmente, para uma homenagem à classe trabalhadora, com o tema Os 200 Anos da Independência e Nós, Trabalhadores. A ação contou com o patrocínio da MAG Seguros, companhia especializada em vida e previdência com mais de 185 anos de atuação no Brasil.

Neste ano em que o Brasil comemora 200 anos de sua Independência, a exposição dará voz e visibilidade àqueles que, desde a escravidão – embora tenham ajudado a construir e contribuído para o desenvolvimento social, tecnológico e econômico do Brasil –, não conseguiram usufruir desses benefícios e nem conquistar sua própria independência. Raras vezes foram retratados pela arte ou tiveram sua voz amplificada por ela.

“Você pode pegar uma lupa e analisar quadros e pinturas da Proclamação da Independência e não vai encontrar nenhum trabalhador nelas. Estão lá membros da corte, serviçais e escravos. Nenhum deles remunerados”, diz Ricardo Patah, presidente da UGT, que julga oportuno o momento para este reconhecimento. De lá para cá pouca coisa mudou no que tange a essa representatividade.

A UGT, através dos painéis de Kobra, presta seu tributo àqueles que fazem a máquina das cidades funcionarem, dando protagonismo aos trabalhadores, ideia que surgiu do próprio artista a partir do convite para a exposição. Serão 30 categorias homenageadas – selecionadas pela UGT e pelo artista –, em 30 painéis onde Kobra utiliza sua peculiar técnica, unindo fotografias dos trabalhadores e citações de obras clássicas, em uma releitura cheia de cores.

O bancário Rogério Marques da Silva teve seu retrato mesclado com a obra O filho do Homem, de Rene Magritte; Marcelo Fernandes de Sousa, caminhoneiro, empresta usa imagem à uma interpretação única de David, de Michelangelo; já As Respingadoras, de Jean-François Millet, inspira o retrato da catadora Maria Dulcinéia S. Santos; a cobradora Cássia Aparecida Santos Silva, em uma obra que traz citações do Auto-Retrato de Tarsila do Amaral, Cinco Moças de Guaratinguetá, de Di Cavalcanti, e O Mestiço, de Candido Portinari; e a comerciária (repositora) Rosana Batista Santos, uma criação baseada na obra Campbell’s Soup Cans, de Andy Warhol.

As homenagens seguem com a construção civil, a gastronomia, representada por um Chef de Cozinha e um garçom, o trabalho doméstico, a enfermeira, o frentista, o ferroviário, o joalheiro, o fotógrafo, os garis, os motoboys, motoristas de aplicativo e taxi, o padeiro, o petroleiro, o metalúrgico, o porteiro de hotel, o professor, os profissionais da telefonia e do telemarketing, o carteiro, o trabalhador rural, até o piloto de avião.

O curador Fernando Costa Netto, da DOC Galeriaressalta a importância da exposição para a classe: “Kobra é um artista magnífico que saiu do extremo sul de SP para ganhar o mundo. Um trabalhador que é uma inspiração para a classe trabalhadora, um cara que venceu pela arte, e nesse percurso faltava uma exposição como essa no epicentro do país. Kobra na Paulista é um presente para a nossa cidade e uma honra para a gente.”

“Os trabalhadores brasileiros são verdadeiros artistas, pois movem o país mesmo com tantas dificuldades. Eles merecem todas as reverências e é por isso que decidi transformá-los em pinturas, interagindo com obras de arte importantes para a história da humanidade. São os trabalhadores, com o seu suor, que fazem o Brasil ser o grande país que é”, emenda o artista.

Coordenada pela Secretaria de Organização e Políticas Sindicais da UGT e pela Maná Produções, Comunicações e Eventos, a Exposição da Paulista, uma das maiores exposições ao ar livre do mundo, ocupará de 1º a 31 de maio um quilômetro da ciclovia da principal artéria da cidade, a Avenida Paulista, entre a Rua Augusta e a Alameda Campinas.

Após sete edições – 30 Anos de Redemocratização do Brasil (2015); 100 Anos do Samba (2016); 17 Objetivos para Transformar o Mundo (2017); A Quarta Revolução Industrial (2018); DIREITO DO AVESSO | AVESSO DO DIREITO (2019); Liberdade e Democracia (2020); Feminino Plural (2021) – e já consolidada, a Exposição da Paulista caminha para se tornar um evento oficial da cidade de São Paulo.

“A Exposição da Paulista já é parte integrante do que esta cidade plural e trabalhadora tem de melhor”, afirma André Guimarães, da Maná Produções, que idealizou o projeto, que este ano terá desdobramentos, com a realização de workshops nas Casas de Cultura dos bairros da Freguesia do Ó e Brasilândia e no coworking público Teia Perus, equipamentos da Prefeitura de São Paulo. O fotógrafo Ricardo Rojas ministrará oficinas de Fotografia Celular / Mobgrafia Inclusiva (fotografias feitas com celulares); o jornalista, fotógrafo, sócio da DOC Galeria de Fotografia e Escritório de Projetos Culturais e curador da exposição Fernando Costa Netto dará noções de Expografia – Como Montar Exposições, com foco na fotografia; e Walter Nomura, ou Tinho, um dos nomes mais conhecidos do Graffiti na América Latina, participa ensinando como fazer um Desenho em Larga Escala.

Exposição da Paulista – Os 200 Anos da Independência e Nós, Trabalhadores tem o patrocínio de MAG Seguros, Sintracon-SP, Marabraz e Carrefour, com apoio da Prefeitura Municipal de São Paulo, Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo e da Câmara de Vereadores de São Paulo, através da vereadora Sandra Santana, e apoio da CPPU – Comissão de Proteção à Paisagem Urbana, CET, Ilume e Subprefeitura da Sé.

 

Exposição da Paulista – Os 200 Anos da Independência e Nós, Trabalhadores 

De 1º a 31 de maio

Ciclovia da Av. Paulista, da Rua Augusta à Al. Campinas

Campanha segue rentabilizando vendas do seguro de vida individual

Companhia prorroga vigência da iniciativa para que corretores de seguros possam aproveitar o momento de aquecimento do mercado para dinamizar negócios

Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, acaba de ampliar o período de vigência da Campanha + 100% de Agenciamento, uma nova iniciativa que visa beneficiar os parceiros corretores de seguros com uma rentabilização extra na venda do produto Sompo Vida Individual. Até o dia 31 de maio, os corretores de seguros podem aproveitar as oportunidades de negócios e garantir a proteção dos clientes ao mesmo tempo em que têm o benefício de ampliar suas rendas.

“A receptividade da campanha, que encerraria no dia 29 de abril, superou nossas expectativas. Por isso, decidimos ampliar a vigência para que os corretores continuem a aproveitar o momento favorável do mercado de seguros de Vida, que está mais aquecido do que nunca”, avalia Diana Aparecida de Araújo, superintendente Técnica de Vida da Sompo Seguros. “Essa é apenas uma das muitas iniciativas que planejamos para o ano de 2022 como estratégia para dinamizar os negócios dos corretores de seguros e divulgar as novidades implementadas em benefício do segurado”, completa.

Mecânica da Campanha

Para todas as propostas de contratação de apólice do produto Sompo Vida Individual transmitidas até 31 de maio de 2022, o corretor de seguros recebe 100% a mais de agenciamento na primeira parcela mais a comissão. Com isso, o parceiro corretor de seguros pode receber até 200% de agenciamento. Por exemplo: caso o corretor transmita uma proposta com 0% de agenciamento, ainda assim, receberá 100%. Caso venha a transmitir uma proposta com 50% de agenciamento, receberá o índice de 150%. Dessa forma, o recebimento de, pelo menos, 100% de agenciamento está totalmente garantido. Vale ressaltar que o pagamento de mais 100% de agenciamento não influencia no valor do seguro nem gera qualquer custo adicional para o segurado. Outro ponto é que, no caso de apólices canceladas, será efetuado o estorno proporcional ao agenciamento pago.

“Sempre atuamos em sinergia com o corretor de seguros, seja em nossa política de Portas Abertas, seja na avaliação de tendências para implementar recursos que contribuam com a expansão dos negócios no mercado de Seguro de Vida“, destaca Edglei Monteiro, diretor Comercial de Saúde e Vida da Sompo Seguros. “Estamos com uma estratégia audaciosa de fomento de negócios em nossa carteira de Vida e as campanhas visam dar aos corretores de seguros todas as ferramentas para diversificar as vendas e rentabilizar suas carteiras”, conclui.

Setor segurador cresce no início de 2022 com destaque para regiões Norte e Nordeste

Ronaldo Dalcin, presidente do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne)

 

O início de 2022 foi muito positivo para o setor segurador, especialmente na região sob a administração do Sindsegnne, que abrange 13 estados brasileiros. Em fevereiro, conseguimos auferir um crescimento de 25,7%, superior à performance que obtivemos em janeiro (1,4%) e maior que o próprio comportamento nacional que teve uma evolução de 21,3%.

Observando o bimestre acumulado, comparativamente ao mesmo período de 2021, crescemos na ordem de dois dígitos, ou seja, 12,6%, com arrecadação de R$ 4,9 bilhões, atingindo a marca de 9,3% de market share. A liderança vai para o segmento de Danos e Responsabilidades, com 24% do total arrecadado, o que representa R$ 1,2 bilhões. Nesse segmento, mais uma vez, o protagonista é o Seguro de Automóvel que detém quase 54% da linha de Danos e Responsabilidade, com um volume arrecadatório de R$ 634 milhões.

Pontos importantes a serem ressaltados: a carteira de Seguro de Automóvel cresce mais do que o segmento de Danos e Responsabilidades, linha da qual ele faz parte. Danos e Responsabilidades detêm, no bimestre, crescimento de 21,5% e o auto está com 24,6%. Esse comportamento não segue a mesma lógica nacional, onde Danos e Responsabilidades está com 24,2% e auto 21,3%.

Podemos afirmar que grande parte disso tenha motivação no fato de que essas regiões têm grande volume concentrado na carteira de seguros veiculares (um fator importante, também, é o aumento do prêmio médio nesse segmento). O número citado anteriormente – 54% do total do segmento de Danos e Responsabilidades na nossa região sindical – é composto da carteira de auto e nacionalmente esse número é bem menor: 41%.

Temos também alguns destaques extremamente positivos dentro da seção de Danos e Responsabilidades observando os resultados do Norte e Nordeste: Transportes, com crescimento de 25,7; Crédito e Garantia, com elevação de 116,8%; Responsabilidade Civil, com alta de 73,8%; e Risco de Engenharia com robustos 209%, referendando que a demanda outrora represada por conta das restrições da pandemia está retomando o ritmo normal.

Traduzindo a análise para um olhar mais amplo e de perspectiva, na visão dos últimos 12 meses móveis, reeditamos o ciclo virtuoso de crescimento de dois dígitos (15,6%). Por mais que saibamos que o conflito entre Rússia e Ucrânia continuará afetando as cadeias produtivas mundiais e trará impactos para a nossa indústria, continuo afirmando com muita convicção que nosso setor seguirá essa jornada de números ascendentes, contribuindo com louvor para o crescimento da economia nacional.

Dia Continental do Seguro: são inúmeras as oportunidades para os corretores no ramo de vida

Por Nilton Molina, presidente do Conselho de Administração da MAG Seguros 

O mercado de seguros vem se consolidando nos últimos anos como um dos setores mais promissores da economia nacional, com crescimento anual consistente, quase sempre na faixa de dois dígitos. No caso de seguro de pessoas, de acordo com a Superintendência de Seguros Privados (Susep), o volume de prêmios registrou R$ 50,8 bilhões (sem considerar VGBL) no acumulado de 2021, com alta de 12,4%. O grande destaque foi o seguro de vida individual, que registrou crescimento de 17,4% no mesmo período.

 

Pela primeira vez na história do setor, em 2017, o seguro de vida (sem considerar PGBL e VGBL) ultrapassou em arrecadação o, que até então, era o maior ramo do mercado – o de automóveis, cenário este que continua acontecendo ano após ano. Pesam para isso a queda do número de veículos no país e a comoditização dos produtos, com baixa diferenciação, tornando o cliente mais sensível ao preço.

 

Mas, afinal, o que isso significa? A resposta é muito simples: já estamos mais do que na hora do corretor de seguros de automóveis ampliar os seus horizontes de produtos e negócios. A tendência, no entanto, aponta para um ramo promissor e que foi impulsionado pela pandemia: o vida. Esta minha afirmação é corroborada por estudos realizados por consultorias renomadas, como a Bain & Company, que apontou crescimento da demanda por seguro de vida durante a pandemia e no pós pandemia.

 

Também devemos acrescentar neste contexto os resultados de pesquisa recente encomendada pela Fenaprevi e realizada pelo Instituto Datafolha, que apontou que apenas 17% dos entrevistados afirmaram contar com um seguro de vida com cobertura de morte e apenas 9% têm proteção para o caso de invalidez.

 

Apenas estes dois números já revelam o grande oceano de oportunidades que os corretores brasileiros têm à sua frente. Sobretudo, quando falamos daqueles que atuam tradicionalmente com automóveis, devo acrescentar um tesouro que eles têm nas mãos: a sua carteira de clientes, que sem dúvida poderá proporcionar ao corretor a realização de venda complementar, agora, com um novo produto e que trará ainda mais ganhos pela sua característica de recorrência.

 

O mercado de vida passou por uma forte modernização nos últimos 20 anos, trazendo coberturas que estão cada vez mais aderentes às demandas da população brasileira, seus momentos de vida, renda disponível e condições de saúde. Na MAG Seguros, por exemplo, foram lançados mais de 30 produtos apenas nos últimos dois anos, sejam eles individuais ou coletivos, para proporcionar mais e melhores negócios aos nossos corretores parceiros.

 

A companhia, que se orgulha de sua história de mais de 185 anos, também tem duas grandes vocações: formar profissionais e ser inovadora, características estas que, sem dúvida, contribuem para que cada vez mais novos corretores possam ingressar no ramo vida para ampliar os seus ganhos com todo suporte da mais longeva seguradora especialista, de um amplo e completo portfólio de produtos e de ferramentas digitais de suporte à venda. A expectativa para o futuro é positiva, pois também segundo a pesquisa da Fenaprevi mais da metade dos entrevistados têm a intenção de contratar um seguro de vida em 2022. Este é o momento.

 

PMEs precisam ficar atentas a profissões que exigem seguro de vida

Mesmo tendo Passado Dia do Trabalhador, falar sobre direitos das categorias é de grande importância. Além de estar atendo às obrigações trabalhistas ao abrir uma empresa e contratar colaboradores, o pequeno e médio empresário precisa ser meticuloso na hora de avaliar o que a lei exige em termos de benefícios para cada profissão.

Quando o assunto é deveres do empregador, é importante que o microempreendedor esteja ciente de que existe uma série de profissões que exige por lei benefícios específicos. O seguro de vida, por exemplo, enquadra-se nesse caso. Apesar da sua importância abranger todas as ocupações porque garante a tranquilidade do colaborador e da sua família em momentos difíceis, existem categorias para as quais ele é obrigatório. Entre elas, estão profissionais de construção civil, postos de combustíveis, escritórios de contabilidade, instituições de educação, serviços gerais de instalação e manutenção de redes de telecomunicação, hidráulica e de gás, entre outras.

Além do alto risco da profissão, a obrigatoriedade do seguro de vida para determinadas categorias vem também das convenções de sindicatos. “Especialmente para os pequenos e médios empreendedores, as exigências trabalhistas são um ponto delicado. No que diz respeito a seguro de vida para esse mercado, procuramos orientar nossos corretores parceiros para que atuem como consultores dos microempresários, indicando a eles proteções de acordo com suas necessidades específicas”, diz Mauricio Galian, Vice-presidente da HDI Seguros.

A companhia disponibiliza para micro, pequenas e médias empresas (entre três e 1.000 funcionários) o HDI Vida PME, produto fruto de parceria com a Icatu, que possui um desenho flexível e pode ser contratado de forma ágil e simplificada, sem a necessidade de propostas individuais ou Declaração Pessoal de Saúde (DPS). O seguro oferece coberturas básicas para morte e morte por acidente, além de coberturas adicionais e assistências que, somadas, adicionam até 14 opções de benefícios extras aos segurados.

De olho no crescimento do segmento de PMEs, que empregam 52% da mão de obra formal no País e respondem por 40% da massa salarial brasileira, segundo o Sebrae, a seguradora ampliou o produto que também oferece, dois novos tipos de contratação: o HDI Vida PME – Modalidade Vida a Vida e o HDI Vida PME – Modalidade Acidentes Pessoais Coletivos. Eles ofertam muitos atrativos com o objetivo de serem o mais flexível possível para atender uma maior variedade de clientes do segmento PME. “Essas facilidades são um importante diferencial para as PMEs na hora de escolher o seguro de vida pois figuram como uma preocupação a menos em meio às exigências legais dos colaboradores”, conclui Galian.

Ranking do Setor de Seguros

Apresentamos o ranking do Setor de Seguros realizado pela SUESP, a Superintendência de Estudos e Projetos da CNseg.

O ranking considera as visões Com e Sem Saúde Suplementar; Ano Fechado e Movimentos Recentes; listados por Empresa e por Grupos Econômicos

Confira abaixo a síntese e baixe a planilha completa do último levantamento:

Ranking do Setor | Síntese | Fonte: SUSEP Fev.22 / ANS: Dez.21

Economista avalia Selic a 12,75%

No início deste mês, os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) elevaram por unanimidade a taxa básica de juros Selic da economia brasileira em 1 ponto percentual, para 12,75% ao ano. Nos EUA, as taxas subiram 0,50 ponto para um intervalo de 0,75% a 1,00%.

Então, o ciclo de altas taxas de juros no Brasil e nos Estados Unidos apresenta um novo cenário para os investidores brasileiros – e tudo se torna ainda mais nebuloso já que o lockdown chinês, a guerra na Ucrânia e a eleição no Brasil estão no mesmo contexto. Assim, alguns produtos de renda fixa tornaram-se mais atraentes, enquanto os ativos de capital muitas vezes perdem seu apelo.

Isso significa, para Felipe Rodrigo de Oliveira, economista da MAG Investimentos, que “mesmo que os juros dos EUA subam, a diferença de juros entre o Brasil e os EUA ainda é grande, mais de 10 pontos percentuais, o que ajudará o dólar a ficar perto de 5 reais em vez de 6”.  Os investimentos mais recomendados nesse ambiente são os títulos de renda pós-fixada, ou seja, os títulos que acompanham a variação da Selic, com algumas opções oferecendo retorno de mais de 1% ao mês, dependendo do prazo da aplicação, além de títulos indexados à inflação, dado o cenário de preços elevados.

Felipe também recomenda investimentos em crédito privado de baixo risco e fundos de hedge. “Eles atuam em vários mercados no Brasil e no exterior, diversificando seus portfólios em produtos normalmente não disponíveis para investidores pessoas físicas.”

Outra indicação são os fundos imobiliários, que têm dividendos mensais isentos de imposto de renda. “Enquanto o setor imobiliário não se valorizou mais do que a inflação, temos observado um movimento de volta das pessoas ao trabalhar presencial, e os FIIs são uma forma de tentar capturar essa tendência”, diz Felipe.

Ele ressalta, porém, que o ideal é sempre diversificar os FIIs em carteira, definindo cotas para lajes corporativas, armazéns, crédito imobiliário e outros. Em relação à bolsa, Felipe destacou ações de bancos, que devem se beneficiar de uma Selic mais alta. “Eles tendem a se sair melhor com taxas mais altas, especialmente porque nossa taxa de inadimplência continua baixa.”

Já na caderneta de poupança pouco muda. A modalidade de investimento mais popular do país seguirá com o retorno travado em 6,17% ao ano + TR (Taxa Referencial), e continuará perdendo para a inflação.

Superintendente da MAG Seguros torna-se delegada de Sindicato

A superintendente comercial da MAG Seguros em Manaus, Fabiana Perdiz, tomou posse como delegada do Sindicato das Seguradoras Norte Nordeste, que atua nos estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí, Maranhão, Pará, Amazonas, Acre, Roraima, Amapá e Rondônia.

Fabiana atua há 25 anos no mercado segurador. Além de compor o quadro de lideranças comerciais da MAG Seguros – companhia especializada em seguros de vida e previdência com mais de 185 no Brasil –, também é professora da Escola de Negócios e Seguros (ENS).

“Terei como principal papel fomentar a cultura do seguro na minha região de atuação, sobretudo o ramo de vida, que tem apresentado forte crescimento ao longo dos últimos anos e de extrema relevância para garantir uma sociedade mais bem protegida e planejada financeiramente”, conta Fabiana.

A executiva tem MBA em Gestão Comercial, em Inteligência de Mercado e Especialização Estratégica de Vendas no Varejo, em curso promovido pelo IBMEC e pela MAG Seguros.

Maio Amarelo: HDI seguros reforça importância da conduta do motorista

Empatia no trânsito estimula boa conduta e preserva vidas 

 

Segurança no trânsito e bem-estar de motoristas e pedestres são assuntos que devem ser debatidos por todos. Seja na jornada diária de quem usa o carro ou moto para se deslocar até o trabalho, seja no dia a dia daqueles que têm no veículo seu principal meio de sustento, o respeito às regras pode preservar vidas e resguardar o condutor em situação de emergência.

A fim de contribuir para a causa, a campanha Maio Amarelo acontece há 9 anos, reforçando a mensagem de paz e comportamento seguro no trânsito. Em 2022, o movimento terá como tema “Juntos Salvamos Vidas”, reforçando que, no trânsito, todos desempenham esse papel.

A HDI Seguros – a 4ª maior seguradora no ramo empresarial, a 5ª maior em automóveis e a 6ª em residencial – abraça a campanha, ajudando a aumentar a consciência do bom comportamento dos motoristas, que ditam o tom e são os principais agentes para tornar o trânsito seguro.

“A HDI tem um olhar voltado para o comportamento e as necessidades dos segurados e fazer parte do movimento Maio Amarelo é essencial. Estamos cada dia mais envolvidos na construção de um trânsito melhor e, como seguradora com forte atuação no ramo de seguro auto, cabe a nós valorizar quem respeita as regras e deseja ser um disseminador de boa conduta e segurança”, diz Carla Oliveira, Diretora de Automóvel da HDI.

Segundo o Registro Nacional de Acidentes e Estatísticas de Trânsito (RENAEST), da Secretaria Nacional de Trânsito, pasta do Ministério da Infraestrutura, em 2021 aconteceram 11.647 mortes no trânsito, ou seja, a cada dia, 32 pessoas perderam a vida em acidentes. Os dados ainda apontam que, no ano passado, foram registrados 632.764 acidentes no trânsito, o equivalente a 72 por hora, no Brasil.

 

Seguradora cresce 18,3% e consolida liderança no segmento de Transporte pelo quinto ano consecutivo

Com R$ 719,6 milhões em Prêmios Emitidos, companhia detém 15,2% de share de mercado no ramo em 2021, período em que acompanhou mais de 303 mil embarques e monitorou cargas que totalizaram um valor de R$ 142 bilhões em mercadorias transportadas

 

Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo; alcançou um crescimento de 18,3% em sua carteira de Seguros de Transporte em 2021, ano em que totalizou R$ 719,6 milhões em Prêmio Emitidos contra R$ 608,4 milhões registrados em igual período de 2020. Com isso, a companhia consolida cinco anos consecutivos na liderança do ranking da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) e um share de mercado de 15,2% nesse ramo.

“A nossa atuação supera a oferta de cobertura de seguros por si só. Além de toda a infraestrutura de gerenciamento de risco, já reconhecida pelo mercado, atuamos não só na prevenção de roubos e acidentes, mas também na implementação de recursos que agilizam a liberação de embarques e que auxiliam operadores logísticos na gestão e controle de seus negócios”, considera Adailton Dias, diretor Executivo de Produtos Corporativos e Resseguros da Sompo Seguros. “O resultado do ano de 2021 vem em decorrência de um trabalho iniciado em 2015, por meio do qual investimos em tecnologia e em profissionais com know how de mercado. Com isso, demos sequência no lançamento de ofertas de produtos e serviços que são incrementados ano a ano para atender às demandas de nossos segurados. Tudo isso permitiu alcançarmos um crescimento sustentável de forma a mantermos a liderança de mercado em Seguros de Transporte de forma consistente nesses cinco anos consecutivos”, observa.

Atualmente, a área de Transporte da Sompo Seguros conta com soluções para atender a clientes – embarcadores (donos da carga) e transportadores – de todos os portes, desde as Pequenas e Médias empresas (PMEs), até companhias multinacionais. A infraestrutura da área conta com uma equipe de Tecnologia da Informação dedicada, que desenvolve sistemas para atender às necessidades específicas de determinados ramos de atividade dos clientes. Além disso, a estrutura de atendimento é formada por gerentes de negócios especializados e exclusivos e técnicos dedicados em diferentes filiais que conhecem as características logísticas da região, o que contribui com o trabalho de consultoria diária aos corretores e segurados para o estabelecimento assertivo de coberturas e agilização na regulação de sinistros.

Uma das soluções que contribui substancialmente com o dia a dia dos clientes e corretores de seguros é o Faturamento na Ponta. Essa é uma facilidade por meio da qual, o corretor de seguros acessa o Portal do Corretor Sompo Seguros e, depois efetuar uma pesquisa com dados do cliente, seleciona as faturas pendentes e já efetua a emissão totalmente online. Com isso, o segurado consegue gerir melhor seu fluxo de caixa porque recebe faturas regularmente conforme os embarques acontecem. Já o corretor de seguros acompanha o fluxo de faturamento, auxilia o segurado e recebe sua comissão com mais celeridade. “Atualmente, das cerca de oito mil faturas mensais emitidas pela Sompo, 98% são remetidas ao segurado num prazo de até sete dias após o embarque”, afirma Adriano Yonamine, diretor Técnico de Transporte e Auto Frota da Sompo Seguros.

Outra característica relevante é rápida conclusão dos processos de sinistros. O acionamento imediato e a intervenção dos especialistas em conjunto com os parceiros corretores de seguros permite que mesmo sinistros de alta complexidade sejam regulados em tempo recorde. “Como atuamos com clientes de todos os perfis, há situações de alta complexidade. Houve um sinistro que envolveu uma carga de alto valor agregado, da ordem de milhões de reais, que indenizamos em menos de um mês, por exemplo. Isso é importante porque o segurado tem a real percepção de como o seguro contribui para que os imprevistos não tenham impacto relevante sobre o fluxo de caixa e a operação logística em si”, analisa Dias. “Vale destacar que os acidentes têm ganho mais relevância nas ocorrências de sinistros do que a incidência de roubos de carga. Nossa equipe tem trabalhado para intensificar as ferramentas de prevenção que, além de evitar acidentes, preserva vidas”, diz o executivo.

 

 

Gerenciamento de Riscos

 

A infraestrutura que inclui a consultoria estratégica para minimizar os riscos de ocorrência de imprevistos que impossibilitem que a carga chegue intacta ao seu destino e dentro do prazo é uma das ofertas de valor agregado mais reconhecidas pelos clientes. Com foco estratégico em gerenciamento de riscos, a Sompo Seguros junto com empresas parceiras estratégicas da área de monitoramento, conta com uma Central de Monitoramento própria, na qual profissionais dessas empresas parcerias estão alocados para efetuar atendimento exclusivo aos segurados da companhia. Cada profissional é responsável por um grupo de contas, as quais tem de monitorar, com toda a tecnologia disponível para esse fim. Isso permite um acompanhamento mais personalizado e qualitativo do trabalho de monitoramento. Além disso, também é disponibilizado um serviço de consultoria, por meio do qual, os segurados contam com soluções tailor made de gerenciamento de riscos para cada embarque, considerando produto, rota, motorista e demais variáveis. Com isso, são estabelecidos planos que contribuem para fazer com que toda carga chegue ao seu destino.

Outro serviço diferenciado é o de assistência a carga e descarga. Por meio dele, a equipe da Sompo Services, uma empresa do grupo Sompo Seguros, presta suporte no trabalho de carga e descarga de mercadorias no transporte aéreo e marítimo, além do serviço de inspeção prévia em todo o território nacional.

Para se ter uma ideia, no período de janeiro a dezembro/2021 a Central Sompo Services acompanhou cerca de 303 mil embarques. Isso significa que a companhia alcançou um aumento de 14% no número de embarques observado em igual período de 2020. Já as cargas monitoradas pela Central de Monitoramento própria da Sompo nesse período totalizaram o valor de R$ 142 bilhões. Isso corresponde a um aumento de 46% se comparado a igual período de 2020. Como resultado, as medidas de pronta-resposta permitiram alcançar um índice de 48,3% de recuperação de cargas de mercadorias estimadas em cerca de R$ 8,3 milhões.

“Nossos vínculos com os clientes são duradouros porque estabelecemos uma relação de parceria. Com o trabalho desenvolvido, alcançamos um índice de retenção superior a 90% em 2021. Isso comprova não somente que nossa estratégia de atuação é assertiva em atender às expectativas dos clientes num ano de desafios para o mercado logístico, mas também demonstra o reconhecimento por parte de nossos parceiros e clientes do valor agregado que o serviço prestado pela seguradora confere à operação dos embarcadores e transportadores”, avalia Yonamine. “Em média, os clientes do ramo de Transporte renovam suas apólices por cinco vezes. Ou seja, em média, são seis anos ininterruptos, em média, atendendo cada cliente num ambiente de mercado muito competitivo. Esse é um dos melhores indicadores de qualidade que podemos considerar”, comemora o executivo.

Avaliação e perspectivas para o mercado de seguros

O setor de seguros e segmentos supervisionados é um setor que tem crescido bastante no Brasil, seja por medo de violência e danos ao patrimônio ou por garantia de direitos em caso de acidentes. Dados divulgados pela Superintendência de Seguros Privados – Susep mostram que até dezembro de 2021 o setor havia arrecadado cerca de 12% do valor total do ano anterior, chegando a R$306 bilhões no acumulado do ano.

São vários os segmentos em que podem ser observados esses crescimentos. Por exemplo, o de seguros para automóveis (seguro auto), que teve arrecadação de R$38,43 bilhões no ano, demonstrando um crescimento de 8,8% em relação ao ano de 2020. Outro exemplo é o segmento de pessoas no seguro de vida, que teve crescimento de 17,4% em relação a 2020.

Dados trazidos pelo SindsegNNE – Sindicato das Seguradores do Norte e Nordeste, que abarca todos os estados das regiões com exceção aos estados da Bahia, Sergipe e Tocantins, mostram crescimento de 25,7% no segmento de danos e responsabilidades, em fevereiro de 2022. Os seguros feitos com intuito de proteger os automóveis detém quase 54% do total do segmento citado, sendo o grande protagonista na região.

Confira mais informações sobre o mercado de seguros no norte e nordeste no link do vídeo abaixo.

Bradesco Vida e Previdência orienta sobre declaração de Seguro de Vida no Imposto de Renda

Bernardo Castello esclarece como preencher as informações corretamente

Todo início de ano, haja o que houver, uma coisa é certa: é preciso fazer a declaração do Imposto de Renda. E, junto com essa certeza, surgem dúvidas sobre como proceder com relação a alguns produtos e investimentos, como o Seguro de Pessoas. Bernardo Castello, diretor da Bradesco Vida e Previdência, orienta como declarar corretamente esses itens.

Segundo o executivo, embora as indenizações dos seguros de vida sejam consideradas rendimentos isentos, é fundamental informar o recebimento desses valores. “Essa ação é necessária para que a origem exata do recurso seja identificada, evitando que o contribuinte tenha que prestar esclarecimentos por informações incompletas ou incorretas”, explica Castello.

 

Quando declarar o valor pago no seguro de vida?

O valor pago mensalmente à seguradora não precisa ser declarado. Contudo, nos seguros resgatáveis, havendo o resgate, a parcela correspondente ao rendimento, quando existente, deve ser declarada, assim como as indenizações quando recebidas. 

Na modalidade de plano de Previdência Privada denominada Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), o seguro de vida entra como cláusula de cobertura por sobrevivência. “Com isso, a proteção deve ser informada na ficha ‘Bens e Direitos’ sob o código 97 VGBL, com a descrição do produto contratado e os saldos acumulados referentes aos valores históricos das aplicações que o segurado destinou à seguradora”, explica o especialista.

 

Indenização por Invalidez ou Doenças Graves: como informar?

As indenizações dos seguros de vida devem ser informadas na ficha de rendimentos isentos e não tributáveis – do código 03 – intitulado de ‘Capital das Apólices de Seguro ou pecúlio pago por morte do segurador’ e ‘Pecúlio recebido de entidades de previdência privada decorrência de morte ou invalidez permanente’.

Os exemplos de coberturas incluem Invalidez (quando há perda ou redução da funcionalidade de um membro/órgão); Doenças Graves (câncer, entre outros); Internação Hospitalar, Reembolso de Despesas Médicas e Diárias por Incapacidade Temporária (situação em que a pessoa é impedida de executar suas tarefas profissionais).

 

Seguro Educação

Nos seguros educacionais, normalmente, as indenizações tendem a ser pagas diretamente à instituição de ensino. Em vista disso, qualquer declaração relativa ao recebimento desses valores deve ser realizada pela escola. “Caso o pagamento seja feito diretamente ao segurado, ao responsável pelo estudante ou ao próprio aluno, a declaração deve ser efetuada como nos demais seguros de pessoas, na ficha de ‘Rendimentos Isentos e Não Tributáveis’, sob o código 03”, destaca Bernardo Castello.

 

Seguro de Vida x Planos de Previdência Privada: o que muda na declaração?

Os seguros de vida e os planos de previdência privada podem ter características similares, como o pagamento por óbito do titular. Em geral, os seguros garantem um pagamento único, enquanto os planos previdenciários preveem o provimento de uma renda mensal (considerada pensão). A diferença entre esses dois benefícios está na tributação. As contribuições efetuadas aos planos de previdência complementar podem ser deduzidas da base de cálculo do IR, observado o limite legal (até 12% da renda) e desde que o declarante também seja contribuinte da previdência social ou de regime próprio. Já os prêmios pagos nos seguros de pessoas não precisam ser declarados, pois não caracterizam despesa dedutível. Da mesma forma, os pagamentos de renda mensal nos planos previdenciários constituem rendimento tributável, enquanto a indenização paga aos beneficiários no seguro de vida é isenta de Imposto de Renda.

Aberta inscrição para evento que receberá Corretores em capital paradisíaca

A paradisíaca João Pessoa, capital da Paraíba, receberá a quarta edição do CONSEGNE – Congresso dos Corretores de Seguros do Nordeste, que será realizado nos dias 30 de junho e 01 de julho de 2022, no Centro de Convenções Poeta Ronaldo Cunha Lima, no Polo Ecoturístico do Cabo Branco, em João Pessoa (PB). O sistema para inscrições (e reserva de hotéis) foi aberto ao público neste domingo. E é bom correr para não ficar de fora. Acesse https://inscricoes.cociente.com.br/ e garanta sua presença.

A organização do evento – a cargo dos Sincors do Nordeste – trabalha para ofertar algumas novidades e formatos diferentes para o evento: rodadas de negócios, treinamentos, workshops e muitas ativações para acentuar, ainda mais, a network e gerar negócios.

O evento será presencial, seguindo todas as orientações, normas, protocolos, portarias e determinações anunciadas pelas autoridades sanitárias, com a finalidade de trazer, ao máximo, um ambiente seguro e confortável a todos que estarão presentes.

 

Veja os valores para inscrições:

Corretor Associado: R$ 250,00

Corretor não Associado: R$ 350,00

Outros: R$ 400,00

Os participantes poderão efetuar o seu pagamento por meio do sistema via boleto bancário ou cartão de crédito.

 

A inscrição permite o acesso a palestras, sessões técnicas, material do evento; almoço; coquetel de abertura; jantar de confraternização e certificado das atividades que participou.

Mas, fique atento, pois o cadastro no sistema on-line não valida a inscrição no evento. É necessário efetuar o pagamento e aguardar sua comprovação.

Em caso de dúvidas e/ou maiores informações, favor entrar em contato com a Secretaria Executiva do Evento através do e-mail: comercial@jadai.com.br.

 

CANCELAMENTO. Somente farão jus à devolução do valor de inscrição efetivamente pago aqueles pedidos encaminhados formalmente por e-mail para a Secretaria Executiva do Evento, dentro do prazo de até 30 dias úteis antes da realização do Congresso, conforme especificações abaixo.

Reembolso de 80% do valor pago, quando a desistência se justificar por motivo de saúde comprovado por atestado médico;

Prazo de solicitação de reembolso de até 05 (cinco) dias após a realização do evento;

Reembolso de 50% do valor, quando houver desistência sem justificativa; e

Reembolso de 100% do valor pago, quando houver a comprovação de duplicidade de pagamento do valor da inscrição. (Fonte: Portal CQSC)

Startup começa a operar com seguro 100% on demand

 

A Simple2u é mais nova seguradora a operar no Brasil e nasceu a partir do sandbox Regulatório da Superintendência de Seguros Privados, que tem como objetivo fomentar a inovação em um dos mercados mais tradicionais. A insurtech vai oferecer uma experiência 100% digital com um portfólio de seguros baseado no modelo on demand. Ou seja, aquele em que as coberturas podem ser ativadas e desativadas a qualquer tempo, manualmente ou de forma automática.

 

Este modelo traz uma mudança significativa em relação ao jeito em que as pessoas contratam e consomem o serviço de seguro tradicionalmente. A Simple2u permite que as coberturas estejam conectadas às rotinas de trabalho ou lazer dos segurados. Tudo isso programado pelo próprio cliente no aplicativo. Além disso, o consumidor também contará com uma wallet de seguros, onde poderá fazer pagamentos periódicos e direcioná-los para a ativação de diferentes produtos, de acordo com a sua vontade.

 

“Nós surgimos para atender a um público que não se identifica com o modelo tradicional de seguro por diversos motivos. A Simple2u resolve problemas que acontecem todos os dias e que podem prejudicar as finanças de um público ainda sem reservas financeiras ou ainda em formação. Esses problemas podem prejudicar a sua integridade física ou gerar danos ao seu patrimônio, como casa, celular, bicicleta ou equipamento de trabalho”, explica Leonardo Lourenço, diretor responsável pela Simple2u.

 

Com foco nas gerações conectadas e digitais, a nova seguradora destaca que, considerando apenas os Millennials, o público impactado pode chegar a cerca de 70 milhões de pessoas (34% da população brasileira e 51% da força de trabalho em 2021).

O planejamento é que a Simple2u atinja a marca de 50 mil clientes que ativam e desativam seus seguros de forma recorrente, durante os dois primeiros anos de operação dentro do Sandbox. A Simple2u faz parte do Grupo MAG, que acumula mais de 185 anos de atuação ininterrupta no setor financeiro e de seguros brasileiro, o que garante solidez e confere tranquilidade aos novos segurados. A insurtech passa a ser o canal de oferta de soluções que vão além dos produtos de seguros de vida e previdência no Grupo.

Produtos e coberturas

A Simple2u iniciará suas atividades com coberturas por acidentes e perdas relativas à residência, mas já está trabalhando para ampliar o leque de opções. “O objetivo é oferecer uma cesta de produtos que proteja os principais bens do cliente, além da sua própria vida”, diz Lourenço. O próximo produto que está na esteira será voltado para danos aos equipamentos eletrônicos do segurado.
Acidentes pessoais

O produto possibilita o recebimento de indenizações caso ocorra algum acidente no dia a dia, oferecendo cobertura para morte, invalidez permanente e reembolso de despesas com médicos e hospitais por acidente. O seguro pode ser ativado por intervalos de uma hora até 30 dias, podendo ser ativado durante um trajeto ou calendário pré-determinado.
Com isso, é possível oferecer a proteção para diversos fins, como durante o horário de trabalho, durante o lazer ou em uma viagem. “As aplicações das coberturas contra acidentes são muitas, mas acreditamos que os profissionais informais ou pessoas com alta mobilidade são os públicos que mais se beneficiarão com essas coberturas.”, diz Leonardo.

 

Residencial

A cobertura residencial poderá ser encontrada em duas modalidades: por temporada e por assinatura mensal.

 

Na modalidade por temporada, o cliente pode ter cobertura durante a locação de imóveis por períodos curtos, como feriados ou períodos de férias, em que o seguro pode ser acionado por roubo, furto ou dano elétrico, reduzindo eventual insegurança sobre o imóvel e seu conteúdo. O mesmo pode ser feito para a residência do segurado, nos períodos em que ele deseja se ausentar, mas sem deixar uma proteção ativa para seu patrimônio.

 

O segurado conta ainda com serviços emergenciais de forma ágil, sem custo ou dificuldade na seleção de quem irá fazer o serviço, como chaveiro, encanador, eletricista e vidraceiro.

“Esta é uma opção que dá mais segurança ao proprietário de um imóvel de temporada e para o locatário, pois evita perdas durante o período em aluga seu imóvel. “Vale ressaltar que o mercado de residencial obteve um dos melhores resultados em 2020, totalizando uma arrecadação de R$3 bilhões e o setor de seguro residencial ainda tem muito a crescer, pois menos de 10% da população brasileira possui uma apólice para sua casa.

 

Outra opção é a contratação por assinatura mensal, onde é oferecido acesso a mais itens cobertos e serviços assistenciais, incluindo, além dos serviços emergenciais, conserto de eletrodomésticos linha branca e linha marrom; desentupimento de tubulação de esgoto e caixa de gordura; limpeza de ralos e sifões; dedetização; reparos no ar-condicionado; cobertura provisória de telhados; guarda da residência; e transferência de móveis, dentre outros.

 

Serviços Assistenciais

O cliente da Simple2u também poderá incluir assistências que facilitam o seu dia a dia e cuidam da sua saúde, enquanto seguros são ativados e desativados de acordo com a configuração escolhida. São assistências voltadas para a sua saúde e do seu pet, cuidados com seu carro e bicicleta, além daqueles já previstos nos seguros residenciais.

“O nosso seguro permite a inclusão de diversos serviços assistenciais. Como tudo na Simple2u, o cliente escolhe a opção que mais combina com ele e o pagamento do seguro é feito por assinatura mensal, e pode ser desligado sem qualquer prejuízo”, afirma o executivo.

Para os próximos meses, o objetivo da startup é ampliar os planos rapidamente, incluindo coberturas que acompanhem outros momentos e necessidades dos consumidores. Para mais informações, acesse o link.

MAG tem novo diretor de Marketing Digital e Growth

A MAG Seguros – seguradora especializada em vida e previdência mais longeva do país – acaba de criar a diretoria Executiva de Marketing Digital e Growth. A posição será ocupada por Leonardo Secundo, formado em Comunicação Social, com MBA em Marketing pelo IBMEC e certificações internacionais em estratégia de marca, marketing digital e estratégia em instituições como MIT.

 

O executivo, que acumula mais de 17 anos de experiência, tem passagem por diversos segmentos como Varejo, Bens de Consumo e Educação. Leonardo construiu sua carreira em grandes empresas, como Coca Cola, L’Oréal, BR Malls, Vale e Anima Educação.

 

Na MAG, Secundo terá sob sua liderança as áreas de Marketing Digital, Gestão da Marca e Gestão do Relacionamento. A estrutura faz parte da diretoria Comercial e de Marketing e Leonardo reporta diretamente ao diretor Estatutário, Nuno David.

Especialista dá dicas para contribuinte com dúvidas sobre como declarar planos de Previdência Privada no IR 2022

Modelo do plano e regime tributário influenciam no momento da declaração

 

Quem ainda não declarou o Imposto de Renda 2022 tem agora até o dia 31 de maio para acertar as contas com o Leão. Para aqueles que desejam realizar esse processo sem cometer erros e sem cair na malha fina, é preciso estar atento aos detalhes. Nesse momento, quem possui um plano de Previdência Privada deve ter um cuidado especial na hora de preencher as informações.

 

Para realizar a declaração de maneira correta, primeiro é preciso identificar se o plano é PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) ou VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre). Por contar com uma dedução de até 12% da renda bruta tributável anual da base de cálculo do Imposto de Renda, o PBGL é indicado para quem faz a declaração pelo modelo completo. Enquanto o VGBL é recomendado para quem faz a declaração pelo modelo simplificado ou possui isenção.

 

O representante do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne), Henrique Jenkins, explica como declarar as contribuições feitas aos planos VGBL. “No VGBL o participante informa o saldo de todas as contribuições feitas no plano ao longo dos anos e deve ser declarado na ficha de bens e direitos”, explica.

 

Outra dúvida frequente é sobre a diferença entre regime tributário regressivo e progressivo dos planos de previdência. “O regime progressivo é a mesma tabela do IR, que aumenta o imposto quanto maior for a reserva retirada, chegando ao máximo de 27,5%. Já a tabela regressiva é por tempo e é indicada para clientes que visam o longo prazo. Nesses casos, quanto mais velha for a contribuição, menor o imposto, chegando ao mínimo de 10%”, observa Jenkins.

 

Por fim, o representante explica como declarar os rendimentos recebidos da Previdência Privada. “Quando o resgate do VGBL acontecer via tabela progressiva, os rendimentos aparecerão na linha de rendimentos recebidos de PJ. Nesse caso o cliente pode fazer ajuste na declaração porque o IR na fonte é de 15%. Quando for na tabela regressiva, os rendimentos serão apresentados no informe deduzidos do imposto, ou seja, pelo valor líquido e devem ser declarados em rendimentos sujeitos à tributação exclusiva. Nesse caso o IR é todo cobrado na fonte”, conclui.

Seguradora oferece oportunidade de carreira profissional para pessoas 50+ em todo Brasil

A iniciativa 50+ Ativo, da MAG Seguros, é um programa para formação de novos corretores, que permite que pessoas com mais de 50 anos recebem a oportunidade de uma reinvenção profissional aliada a uma nova oportunidade de carreira. A iniciativa permite capacitar e desenvolver 50+ para atuarem como corretores de vida e previdência – mercado em constante crescimento no país – com todo o apoio de uma empresa de mais de 185 anos de experiência.

 

A iniciativa foi criada do desejo de possibilitar uma real requalificação profissional para um público que tem experiência, vivência e maturidade acumulada ao longo da vida. Para o programa, a MAG Seguros está oferecendo, incialmente, 50 vagas.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em três décadas, quase 30% da população brasileira será idosa, um índice três vezes superior ao verificado em 2010. A grande virada no perfil da população brasileira deve acontecer em 2030, quando o país terá mais pessoas a partir de 60 anos do que crianças e adolescentes de 14 anos. Por isso, a inclusão etária é uma necessidade urgente.

O programa Isso foi apresentado em live transmitida pelo canal do YouTube da MAG, com Ronaldo Gama, superintendente comercial da MAG Seguros e, ex-participante do programa 50+ Ativo e corretor parceiro atuante. A mediação e perguntas foram realizadas por Mauro Wainstock, da HUB 40+, uma consultoria de diversidade etária. “É muito difícil uma empresa contratar ou dar oportunidade a alguém da minha idade. É por isso que eu sou apaixonado pela MAG”, disse Franklin Teixeira Lima, de 53 anos, que participou do 50+ Ativo em 2021.

 

O programa conta com teorias e práticas combinadas, onde o aluno pode ir trabalhando à medida que aprende o novo ofício. Por meio da universidade corporativa, o participante conta com treinamento e desenvolvimento contínuos, além de ter acesso a plataforma digitais de venda e gestão de negócios e um amplo e completo portfólio de soluções que possibilitarão ganhos ainda maiores.

 

Os interessados devem se inscrever pelo link.

CNseg apresenta nova presidência em coletiva de imprensa em São Paulo

Nova gestão será iniciada em 30 de abril, tendo como meta aumentar a percepção de contribuição da indústria seguradora para a sociedade

 

A Confederação Nacional das Seguradoras – CNseg promoveu uma coletiva de imprensa presencial e virtual na manhã desta terça-feira (26/04), em São Paulo, para apresentar a sua nova presidência. O encontro contou com a participação de Marcio Coriolano, atual presidente da Confederação, Roberto Santos e Dyogo Oliveira, que assumirão, a partir de 30 de abril, os cargos de Presidente do Conselho Diretor da CNseg e de Diretor-Presidente da entidade, respectivamente.

Coriolano abriu a coletiva agradecendo a parceria com os jornalistas na cobertura do setor, essenciais para disseminar a cultura do seguro. O atual Presidente da CNseg destacou o que evoluiu nos seis anos em que comandou a Confederação. “A diversificação de produtos é um exemplo. Hoje existem muitos ramos, como o risco cibernético, responsabilidade civil e o seguro rural, que é um produto mais diferenciado do que antes. Também intensificamos a relação com os órgãos de defesa do consumidor, esse foi um ganho do setor e do público em geral”, avaliou. Coriolano destacou, também, o trabalho de fortalecimento da governança e profissionalização da CNseg, equiparados a padrões empresariais.

Na sequência, Dyogo Oliveira comentou que a transição ocorre em um momento relevante do setor segurador. “É o ápice do amadurecimento e profissionalização da indústria, que se desenvolveu de uma forma vertiginosa nos últimos anos. Em 2006, lembro que estávamos fazendo a abertura do mercado de resseguros no Brasil. Hoje já são mais de 160 seguradoras e mais de 140 resseguradoras autorizadas a operar no país”.

Adicionalmente, o executivo avaliou que o setor segurador, apesar de não ter alcançado ainda a total sofisticação de outros países, é bastante diversificado. “Temos um mercado plural e competitivo. Um dos principais focos da gestão será mostrar para a sociedade essa transformação. Há algum tempo, o setor representava cerca de 0,5% do PIB e hoje chegamos a mais de 6%. A natureza do mercado mudou, e ele está muito mais competitivo, flexível e inovador, desmistificando a ideia de conservadorismo que ficou associada ao seguro por muito tempo”, reforça Oliveira.

Já Roberto Santos lembrou que atua há muito tempo no mercado e destacou a importância do setor segurador, principalmente em momentos desafiadores. “A sociedade precisa ter maior consciência da relevância da atividade de seguros. Na pandemia, ficou muito claro como um país sem o mercado de seguros teria uma dificuldade muito maior de sair da crise. Foram R$ 6 bilhões que pagamos na pandemia para cobrir extraordinariamente eventos não previstos nos contratos”, destaca Santos. O executivo ressaltou também a necessidade de ampliar a visibilidade do setor. “Atuamos em uma atividade muito bonita e prazerosa. Vendemos proteção para a vida, para o patrimônio, para a vida financeira, entre outros. É muito nobre esse trabalho e tenho muito orgulho de ter minha vida dedicada a essa atividade”, concluiu.

No encontro, os executivos também esclareceram o papel das funções que irão desenvolver na presidência da CNseg. Segundo eles, o trabalho do Conselho Diretor da Confederação, que tem Robertos Santos como Presidente, será muito mais de orientação, diretrizes e definição das atividades que serão desenvolvidas. Já Dyogo Oliveira, Diretor-Presidente da CNseg, acompanhará o dia a dia e implementação das diretrizes da forma mais ágil possível.

 

Confira abaixo um pouco da biografia da nova presidência:

 

Roberto Santos é formado em Administração de empresas pela Universidade Federal Fluminense e faz parte do Grupo Porto há 15 anos. Também é vice-presidente da CNseg, foi presidente do Sindicato das Seguradoras do Rio de Janeiro e do Espírito Santo e professor da Escola Nacional de Seguros. Atua no ramo de seguros há mais de três décadas e já ocupou posições em empresas como SulAmérica, Finasa e Generali Seguros, além de ter sido CEO da Azul Seguros, de 2004 a 2009 e de sempre apoiar o desenvolvimento do setor compartilhando aprendizados. Em 2010, Roberto tornou-se diretor geral responsável pela Azul Seguros e pelas Operações de Saúde e Ramos Elementares e, em 2017, assumiu a vice-presidência executiva da Porto. Um ano depois, em 2018, tornou-se CEO da Companhia.

Dyogo Oliveira é economista, mestre em Ciências Econômicas pela Universidade de Brasília (UNB), MBA em Negociações Internacionais e Câmbio pela FGV, especializado em Políticas Públicas e Gestão Governamental pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP).  Tem 20 anos dedicados a cargos executivos de governo, sendo os últimos: Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (maio 2016 / abril 2018); Presidente do BNDES (abril 2018 / dezembro 2018); Presidente da Associação Nacional das Empresas Administradoras de Aeroportos (ANEAA, julho 2019/ janeiro 2022).

Foi responsável por formular e implementar ações estruturais na área econômica; entre elas, o estabelecimento do teto dos gastos do Governo Federal, a reforma da previdência, a reforma tributária, a liberação de saques do FGTS e do PIS/PASEP, a criação do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do Minha Casa, Minha Vida, e a tributação de lucro de empresas no exterior e a privatização do IRB Brasil-RE.

Foi coordenador-geral de Análise Setorial em 2006, e novamente em 2007. De 2008 a 2011, atuou como secretário-adjunto de Política Econômica e, antes da nomeação para o Planejamento, foi secretário-executivo adjunto no Ministério da Fazenda (2011–2013). Foi também Secretário Executivo do Ministério da Fazenda e do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Campanha + 100% de Agenciamento que incentiva contratação do seguro de vida individual

Iniciativa integra estratégia da companhia de expandir market share e abrangência, além de beneficiar corretores de seguros com ganhos de até 200% no agenciamento

 

Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, acaba de lançar a Campanha + 100% de Agenciamento, uma nova iniciativa que visa beneficiar os parceiros corretores de seguros com uma rentabilização extra na venda do produto Sompo Vida Individual.

“Depois do sucesso da campanha desenvolvida para o Mês da Mulher, que teve alta aderência por parte dos corretores de seguros, investimos nessa nova campanha de incentivo. Estabelecemos condições especiais para que os corretores tenham mais oportunidades de atender à crescente demanda por Seguro de Vida com um produto com coberturas e serviços diferenciados ao mesmo tempo em que potencializa seus ganhos”, avalia Diana Aparecida de Araújo, superintendente Técnica de Vida da Sompo Seguros.

Mecânica da Campanha

Para todas as propostas de contratação de apólice do produto Sompo Vida Individual transmitidas até 29 de abril de 2022, o corretor de seguros recebe 100% a mais de agenciamento na primeira parcela mais a comissão. Com isso, o parceiro corretor de seguros pode receber até 200% de agenciamento. Por exemplo: caso o corretor transmita uma proposta com 0% de agenciamento, ainda assim, receberá 100%. Caso venha a transmitir uma proposta com 50% de agenciamento, receberá o índice de 150%. Dessa forma, o recebimento de, pelo menos, 100% de agenciamento está totalmente garantido. Vale ressaltar que o pagamento de mais 100% de agenciamento não influencia no valor do seguro nem gera qualquer custo adicional para o segurado. Outro ponto é que, no caso de apólices canceladas, será efetuado o estorno proporcional ao agenciamento pago.

“Observamos uma alta demanda para a contratação de seguro de vida, que é um ramo em franco crescimento. A Sompo Seguros tem como estratégia expandir sua participação e abrangência nesse mercado. Para isso, além de produtos com coberturas adequadas a diferentes perfis de segurados, desenvolvemos uma estratégia comercial de atuação muito próxima dos parceiros corretores de seguros para apoiá-los no trabalho de desenvolvimento de negócios“, destaca Edglei Monteiro, diretor Comercial de Saúde e Vida da Sompo Seguros.

 

SindsegNNE marca presença em evento especial promovido pelo Sindseg PR/MS

Representado por Ronaldo Dalcin e Emerita Lyra, o SindsegNNE marcou presença em evento especial promovido pelo Sindseg PR/MS.

A cerimônia aconteceu na última quarta, 20 de abril, para posse da nova diretoria liderada pelo presidente Altevir Prado, que foi conduzido ao cargo para o segundo mandato.

Além de presidentes e diretores de seguradoras, também estiveram presentes autoridades policiais, corretores, membros da 0AB e de outras entidades parceiras do sindicato.

Programa Falando Seguro de abril apresenta a campanha “A pé, de moto ou de carro”

O Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne) recebe, nesta quarta-feira (27), às 19h30, no seu canal do YouTube, mais uma edição do programa “Falando Seguro”, idealizado pelo Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de Pernambuco (Sincor-PE). Com mediação de Mario Neto, âncora da rádio CBN Recife, vai apresentar a campanha “A pé, de moto ou de carro”.

Falando sobre os riscos, responsabilidades, cuidados necessários e o papel do corretor de seguros, participam do bate-papo o presidente do Sincor-PE, Carlos Valle, o presidente da Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), José Aurelio Ramalho, e o responsável pelo setor de educação no trânsito da Polícia Rodoviária Federal, Hélio Davino.

“É importante que as pessoas que não são dessa área assistam para terem o real conhecimento de como funcionam os seguros, quais as coberturas, o que se acrescenta, o que se retira, quais os riscos que as pessoas sofrem. Quando sabemos as coberturas que existem, os direitos que a gente tem, sabemos discutir com o corretor. E quando a gente não sabe, têm muitas dicas que podem ajudar a buscar a melhor oferta”, explica Carlos Valle. É o corretor de seguros o profissional que pode auxiliar o segurado em todas as etapas da contratação de um seguro, trazendo conhecimentos referentes à área e sanando quaisquer dúvidas.

Fora isso, ainda existe a responsabilidade que você tem se causar um acidente. “Você não precisa ser culpado para ter que honrar por um serviço de um terceiro. Se for negligente, imperito ou imprudente, você pode estar fadado a ser o responsável pelo acidente. E as despesas são altas”, afirma o presidente do Sincor-PE.

A transmissão do programa será ao vivo e aberta ao público. Para participar, basta acessar o canal do Sindsegnne no Youtube (www.youtube.com/SindsegNNE), inscrever-se e ativar as notificações para receber alertas sempre que um novo vídeo for publicado.

Escassez de corretores de seguros habilitados em cidades do interior evidencia oportunidade de mercado para profissionais do ramo

Pesquisa realizada com base em dados da Superintendência de Seguros Privados – Susep indicou que os corretores de seguros estão mal distribuídos no Brasil. Os números mostram que em aproximadamente 60% dos municípios brasileiros não há profissionais habilitados para trabalhar no ramo. A escassez chama a atenção principalmente nas regiões Norte e Nordeste, indicando que há um grande campo de atuação e mercado de trabalho que pode ser explorado.

De acordo com Altevir Júnior, representante do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne), os corretores estão concentrados, em sua maior parte, nas capitais e em grandes cidades, deixando cerca de 3.400 municípios do interior sem um só corretor para atender à população.

“São milhares as cidades mais afastadas dos centros onde existe demanda por produtos de seguros, quer seja para veículos, residências, empresas, seguros de vida, etc. Mas os consumidores acabam sem ter acesso às oportunidades que o mercado segurador oferece principalmente por falta de conhecimento e orientação, trabalho que deve ser realizado por um corretor habilitado”, afirma.

Segundo Altevir Júnior, uma das causas para a escassez de profissionais com a devida habilitação nessas localidades se deve, principalmente, à dificuldade que existia para realização do curso de capacitação e da prova para habilitação de novos corretores de seguros.

“No entanto, o crescimento do ensino digital fez com que as distancias fossem diminuídas e os profissionais que antes tinham que se deslocar para outras cidades para realizar um curso de formação e se tornarem corretores, agora podem fazer isso de qualquer lugar”, completa. Exemplo disso é que a ENS – Escola de Negócios e Seguros, instituição que há mais de 50 anos forma corretores habilitados em todo o Brasil, adaptou seus processos e já atua de forma 100% digital.

“Já existia a tendência de adaptar nossos cursos para o formato híbrido, mas a pandemia acelerou essa transformação e a escola passou a funcionar totalmente on-line. A aceitação foi muito boa e, com isso, chegamos a pessoas e cidades que antes não tinham esta oportunidade apenas com o formato presencial”, explica Cristiana Noblat, coordenadora da ENS no Nordeste.

De acordo com a coordenadora, houve um enorme cuidado com essa transição, para que o aluno continuasse tendo a mesma experiência e conteúdo oferecidos no presencial. “Nossos cursos são on-line, mas com aulas ao vivo, justamente para valorizar a integração entre professores e estudantes, que vão ter acesso a todo o material didático, além de videoaulas gravadas para consultarem sempre que for necessário”, explica Noblat.

Desde a sua fundação, em 1971, a ENS já formou mais de 110 mil corretores de seguros no país. Em 2021, foram sete mil profissionais formados. Segundo Cristiana, o setor de seguros vem crescendo muito ao longo dos anos e se mostra, cada vez mais, como uma grande oportunidade para quem está entrando ou quer se recolocar no mercado de trabalho.

“A indústria de seguros precisa de profissionais qualificados, principalmente nas regiões e cidades onde a quantidade de corretores ainda é insuficiente para atender à população. Aqueles que se prepararem e se qualificarem constantemente, terão um potencial de oportunidades muito grande”, registra a coordenadora.

Ela reforça, ainda, que em apenas sete meses é possível passar pela qualificação e ser aprovado como um corretor habilitado. “Com dedicação e comprometimento, em muito pouco tempo é possível adquirir uma profissão nova, com muita demanda e que está em constante ascensão”, finaliza.

Inscrições – A Escola de Negócios e Seguros está com inscrições abertas para a próxima turma do curso de Habilitação de Corretores de Seguros, totalmente virtual. Os interessados podem se inscrever até o dia 10 de março. Mais informações no site https://sercorretor.ens.edu.br.

Companhia traz para Campinas atletas olímpicos e paralímpicos

Maior seguradora do mundo, a Allianz levou para a cidade de Campinas, interior de São Paulo, dois atletas olímpicos e paralímpicos do Time Allianz. Ana Marcela Cunha e Vinicius Rodrigues marcaram presença no estande exclusivo da companhia, que participou do Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, realizado no Royal Palm. Ana Marcela e Vinicius conversaram e interagiram com os visitantes.

Ana Marcela foi eleita seis vezes a melhor atleta de águas abertas do mundo e conquistou a medalha de ouro nas Olimpíadas de Tóquio. “É muito legal receber o carinho, o reconhecimento das pessoas, e estar aqui retribuindo de alguma maneira”, afirmou ela, que também agradeceu o apoio da Allianz. “É muito gratificante fazer parte do Time Allianz junto com tantos atletas e conquistar uma medalha nesse grupo. Uma empresa gigante como a Allianz acreditou no nosso sonho, vontade e garra, e espero continuar levando o nome dessa equipe e dessa marca por muito tempo”, completou.

Vinicius Rodrigues, por sua vez, quebrou o recorde mundial dos 100m rasos da classe T63, em 2019; e também garantiu medalha de prata nas Paralimpíadas de Tóquio. “Como atleta paralímpico, sei a luta que é para conseguir um espaço, principalmente nas grandes marcas. Ser um atleta paralímpico no Time Allianz faz muita diferença e poder representar um time tão grande, em uma empresa do tamanho da Allianz, é muito bom. A parceria com a Allianz está acrescentando muitas coisas boas na minha vida”, declarou ele.

Luiz Cartolano, diretor de Marketing, Transformação e Organização da Allianz Seguros, também falou sobre a parceria com os atletas. “É um grande orgulho para a Allianz ter a oportunidade de apoiar um time de alta performance como esse. Trouxemos a Ana Marcela e o Vinicius para conversar com os corretores de seguros e assessorias, nossos parceiros de negócios, e assim ressaltar os principais valores da marca Allianz Seguros e do Grupo Allianz”, disse o executivo.

Parceria mundial

Em 2021, a Allianz iniciou oficialmente sua parceria mundial de oito anos com os Movimentos Olímpico e Paralímpico, em linha com o apoio e incentivo ao esporte e compartilhamento de valores fundamentais de excelência, amizade, inclusão e respeito.

Cris Arcangeli fala sobre empreendedorismo feminino no mercado de seguros

Um estudo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), publicado agora em março, realizado com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnadc), mostrou que o número de mulheres à frente de um negócio no país fechou o quarto trimestre de 2021 em 10,1 milhões, mesmo resultado registrado no último trimestre de 2019, antes da pandemia. Apesar dessa evolução, a participação das mulheres empreendedoras no universo de donos de negócio no Brasil (34%) ainda está abaixo da melhor marca histórica, registrada no 4º trimestre de 2019, quando elas representavam 34,8% do total.

Foi para fomentar esses números e mostrar que sim, é possível que as mulheres empreendam no Brasil, que a MAG Seguros, companhia de 187 anos especializada em seguro de vida e previdência, realizou uma live especial com a Cris Arcangeli – Shark investidora, palestrante e CEO na Beauty’In – e a diretora de Gente e Gestão da MAG, Patrícia Campos, para falar das oportunidades de empreender no mercado segurador, especialmente para as mulheres. “Se você busca um trabalho que você dita seu horário, seus planos, e tem por trás toda a estrutura, força e treinamento da equipe MAG, taí uma grande oportunidade”, disse Arcangeli, ao explicar sobre o curso de formação de corretores de seguro e previdência.

Nos últimos anos, o mercado segurador vem se consolidando como um dos setores mais promissores da economia nacional, com crescimento anual constante quase sempre na faixa de dois dígitos. Segundo a SUSEP, os prêmios de seguros privados atingiram R$ 50,8 bilhões em 2021, um aumento de 12,4%, ao ano anterior. Comparativamente com o setor, a MAG Seguros vem crescendo significativamente acima do mercado no segmento de vida (risco) – a companhia alcançou um crescimento de 46% em 2021 e manteve uma taxa média anual de crescimento superior a 20% na última década.

O curso é realizado pela MAG Seguros em todo o Brasil em parceria com a Escola de Negócios e Seguros (ENS). “Além de uma nova carreira para quem deseja empreender, essa é uma chance interessante também para quem está em busca de recolocação ou quer fazer transição de carreira”, informou Patrícia, durante a live. “E sem limite de idade para participar: se você tem 50, 55, 60 anos, quer complementar a renda e continuar trabalhando, também pode”, completou Arcangeli.

O Programa de Formação de Corretores da MAG Seguros tem a duração de um ano. Nele, os futuros corretores participam de treinamentos e vivências práticas, sempre apoiados integralmente pelo extenso time de especialistas da empresa. Ao mesmo tempo, os selecionados têm acesso a todo o conteúdo de preparação para aprovação da qualificação técnica profissional, exame obrigatório para a carreira de Corretor de Vida e Previdência no Brasil. Para mais informações, basta acessar o site selecao.mag.com.br, realizar o cadastro e realizar as etapas de seleção online.

A importância de cidades acessíveis para todas as idades

O Instituto de Longevidade MAG lançou novo episódio da Websérie Longevidade. Com o objetivo de discutir sobre as cidades, Thais Castro, assistente social do SESC-RJ, abordou sobre os principais pilares para desenvolvermos lugares mais acessíveis para as pessoas.

 

Segundo Thais, uma cidade que está preparada para a vida ativa dos idosos é capaz de atender a qualquer pessoa. Entretanto, de acordo com ela, os municípios brasileiros ainda não estão prontos para estimular o envelhecimento mais ativo e saudável das pessoas.

 

“Não conseguimos acompanhar a evolução da nossa pirâmide etária, a gente tem uma pirâmide etária que já se inverteu, cada vez mais a gente vê que temos muito mais avós do que netos em várias cidades do Brasil, e nós não conseguimos acompanhar. As cidades precisam se adaptar ao formato da sua população e isso não acontece”, comentou Castro.

 

Além disso, a assistente social também enfatizou que a mobilidade é um dos principais desafios em centros urbanos; como por exemplo transporte público acessível para todas as pessoas, a segurança do pedestre em relação aos semáforos e ter espaços de lazer que atendam todas as idades.

 

“Se você não tem uma cidade preparada em todos os aspectos, seja ele de lazer, de saúde, de mobilidade, de planejamento urbano, você não tem uma cidade que atenda aquela população idosa. Então, você acaba segregando cada vez mais essa população dentro de suas residências ou das instituições que elas moram”, opina Thais.

 

No episódio também foi falado sobre o Índice de Desenvolvimento Urbano para Longevidade (IDL), estudo elaborado pelo Instituto de Longevidade MAG, que tem o objetivo de orientar as pessoas sobre a preparação das cidades para o envelhecimento da população. “Dados mais qualificados, como os dados do IDL, são superimportantes para que a gente possa pensar em soluções para longevidade”, finaliza.

 

Para assistir ao quinto episódio da Websérie Longevidade, basta acessar o canal do Instituto no Youtube. 

Especialista dá dicas para contribuinte com dúvidas sobre como declarar planos de Previdência Privada no IR 2022

Modelo do plano e regime tributário influenciam no momento da declaração

 

Com o início do prazo para a declaração do Imposto de Renda, que se estende até o dia 29 de abril, diversas dúvidas surgem entre os contribuintes. Para aqueles que desejam realizar esse processo sem cometer erros e sem cair na malha fina, é preciso estar atento aos detalhes. Nesse momento, quem possui um plano de Previdência Privada deve ter um cuidado especial na hora de preencher o IR.

 

Para realizar a declaração de maneira correta, primeiro é preciso identificar se o plano é PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) ou VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre). Por contar com uma dedução de até 12% da renda bruta tributável anual da base de cálculo do Imposto de Renda, o PBGL é indicado para quem faz a declaração pelo modelo completo. Enquanto o VGBL é recomendado para quem faz a declaração pelo modelo simplificado ou possui isenção.

 

O representante do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne), Henrique Jenkins, explica como declarar as contribuições feitas aos planos VGBL. “No VGBL o participante informa o saldo de todas as contribuições feitas no plano ao longo dos anos e deve ser declarado na ficha de bens e direitos”, explica.

 

Outra dúvida frequente é sobre a diferença entre regime tributário regressivo e progressivo dos planos de previdência. “O regime progressivo é a mesma tabela do IR, que aumenta o imposto quanto maior for a reserva retirada, chegando ao máximo de 27,5%. Já a tabela regressiva é por tempo e é indicada para clientes que visam o longo prazo. Nesses casos, quanto mais velha for a contribuição, menor o imposto, chegando ao mínimo de 10%”, observa Jenkins.

 

Por fim, o representante explica como declarar os rendimentos recebidos da Previdência Privada. “Quando o resgate do VGBL acontecer via tabela progressiva, os rendimentos aparecerão na linha de rendimentos recebidos de PJ. Nesse caso o cliente pode fazer ajuste na declaração porque o IR na fonte é de 15%. Quando for na tabela regressiva, os rendimentos serão apresentados no informe deduzidos do imposto, ou seja, pelo valor líquido e devem ser declarados em rendimentos sujeitos à tributação exclusiva. Nesse caso o IR é todo cobrado na fonte”, conclui.

Check up completo do automóvel e Seguro Auto garantem segurança e tranquilidade para quem vai pegar a estrada na Páscoa

Motoristas devem ficar atentos a itens de revisão e estarem com documentação em dia; coberturas e assistências do seguro são indispensáveis no momento de socorro nas estradas

 

Com a proximidade do feriado da Páscoa, seja para um trajeto longo ou curto, pegar a estrada é sempre um momento para fazer aquele check up geral no veículo e garantir que o percurso para o seu destino seja tranquilo e sem imprevistos.

 

Além de estar com a documentação do veículo em dia, na lista de itens a serem verificados antes da viagem estão óleo, fluidos de transmissão, bateria, pneus (incluindo o estepe), água do radiador, luzes e caixa de ferramentas. Porém até mesmo o motorista mais preparado sabe que imprevistos acontecem e, em caso de sinistro ou alguma falha no automóvel, é preciso contar com um Seguro Auto completo e ágil.

 

“As estradas do nosso país podem ser perigosas e, em alguns casos, com uma estrutura que dificulta o bom desempenho do automóvel, expondo o veículo a buracos e desníveis, por exemplo. Nesses casos, o Seguro Auto pode fornecer serviços e assistências básicas como guincho, chaveiro e troca de pneus, que podem salvar os planos de viagem do condutor”, diz Carla Oliveira, Diretora de Auto da HDI Seguros.

 

Atenta às possíveis situações de emergência nas estradas, a HDI disponibiliza   ao mercado opções de produtos e serviços que, segundo a executiva, “colocam a segurança do motorista e o bom funcionamento do automóvel em primeiro lugar, além de oferecer opções de seguro que podem ser até 25% mais baratas que o seguro tradicional de um veículo”. Recentemente, a companhia lançou a cobertura adicional de Proteção Contra Buracos, com franquia de apenas R$ 120,00 que pode proteger roda, pneu e suspensão do veículo quando danificada no mesmo evento, além do HDI Auto Básico, seguro voltado para quem ainda não conta com a proteção para o veículo, que aceita carros de passeio ou picapes leves de 4 a 20 anos de idade e com valor de até R$ 80 mil.

 

Para que a jornada do motorista seja livre de estresse, a HDI separou algumas dicas importantes:

 

– A revisão do carro é indicada periodicamente, mas, em caso de viagem, é sempre bom reforçar o cuidado.

– Para garantir uma viagem tranquila e evitar manutenções de emergência durante o trajeto, lembre-se de fazer a revisão do óleo periodicamente e não deixar o prazo de troca passar.

– Antes de pegar a estrada, não se esqueça de pedir para revisarem o sistema de freios, tanto o tradicional quanto o de mão.

– Verifique se já não está na hora de trocar os pneus ou o estepe.

– Quanto mais peso sobre o veículo, mais combustível ele vai consumir, portanto fique de olho no peso das bagagens.

– Extintor, triângulo, macaco e chave de roda são itens indispensáveis – investimento que vale a pena na hora de trocar o pneu.

– Por fim, conte um seguro que possa ser acionado por meio de canais de atendimento diversos, como o HDI Auto, por meio do qual o cliente tem à sua disposição app do segurado, Portal da HDI, Portal do Segurado, WhatsApp e Facebook Messenger.

Metaverso: como esse fenômeno pode impactar o setor de seguros

A expressão metaverso é utilizada para denominar espaços virtuais coletivos, construídos a partir da combinação da realidade virtual, aumentada e mista. Ou seja, a proposta é espelhar ou replicar o mundo real no ambiente virtual. Essa nova forma de conexão humana possibilitará diversas aplicações práticas em diferentes setores, principalmente no mercado de seguros.

Bruno Costa, superintendente de Gestão do Relacionamento da MAG Seguros, participou do 2º episódio do podcast Mindcraft e comentou sobre as oportunidades e desafios desse novo universo. “Imagine a possibilidade de você treinar um corretor numa plataforma onde ele está imerso, podendo ter uma série de informações em tempo real, além de fazer reuniões com múltiplos corretores no Brasil todo. É possível pegar experiencias diferentes. Eles podem estar sentados ao redor um do outro podendo acessar dashboard, podendo interagir. Acho que isso seria de uma capacidade de interação e imersão fantástica”, opina, Bruno.

No ano passado, segundo o Google Analytics, as buscas pela expressão “metaverso” explodiram no mundo todo – de 2020 para 2021, o número de buscas pela palavra aumentou mais de dez vezes. Com isso, muitas pessoas já especulam como será o futuro desse novo universo tecnológico.

 

Bruno Costa acredita que será possível sensibilizar o cliente sobre a questão do seguro de vida. “A gente tem uma penetração muito baixa hoje na nossa sociedade sobre o seguro e a cultura do seguro. Imagina você expandir essa cultura, essa educação financeira, de forma a tornar isso divertido a entreter as pessoas com esse assunto que é o grande ponto de dificuldade que a gente tem”, completa o superintendente da MAG Seguros.

 

Segundo o superintendente, um desafio cada vez maior é entender como esse ambiente vai funcionar, como as pessoas vão interagir e como as empresas irão se portar diante da revolução de uma web 3.0. “Tem muita oportunidade: as empresas precisam começar a entender, a estudar e tentar se posicionar, e principalmente, saber onde estão as possibilidades de negócios para isso. Tem que deixar de lado os conceitos ainda muito tradicionais e começar a olhar para aquilo que é novo”, finaliza o Bruno.

 

Seguro de Vida brasileiro ganha prêmio global de inovação

Vida Viva Bradesco’, produto da Bradesco Vida e Previdência, foi reconhecido pela EFMA-Accenture como melhor case em março de 2022

O Grupo Bradesco Seguros, por meio da Bradesco Vida e Previdência, recebeu o prêmio de inovação global em seguros, promovido pela Efma e Accenture. O produto ‘Vida Viva Bradesco’ foi reconhecido em março pela categoria ‘inovação em produtos e serviços’. O programa analisa os projetos mais inovadores em seguros, além de promover um fórum para o compartilhamento de melhores práticas entre diversas organizações.

 

Para Giuliano Generali, superintendente executivo de Digital e CX do Grupo Bradesco Seguros, o ‘Vida Viva’ reúne diversos conceitos de inovação e o principal deles pode ser resumido em uma palavra – clientecentrismo. “Atualmente, os segurados esperam um nível de personalização, seja qual for o produto ou serviço. A partir deste entendimento, buscamos introduzir um seguro de vida que fosse adaptável a todos os perfis de clientes, independentemente de uma demanda específica e da sua idade”, detalha.

 

Com a pandemia da Covid-19, a inovação no setor de seguros foi fortemente influenciada pelos novos padrões de comportamento dos consumidores. “À medida que os segurados são introduzidos a experiências, ou seja, a produtos que trazem flexibilidade e autonomia, cada vez mais eles se sentem protegidos e amparados. Além disso, a personalização incentiva uma revisão permanente do que foi contratado, para que o plano esteja sempre adequado às reais necessidades do cliente”, destaca Bernardo Castello, diretor da Bradesco Vida e Previdência.

Além do reconhecimento, o ‘Vida Viva Bradesco’ está concorrendo ao Innovation in Insurance 2022, promovido pela Efma e Accenture. O case é analisado com base em três critérios: originalidade, capacidade estratégica e retorno sobre investimento, além da capacidade de adaptação para uso em outros mercados e países. Os vencedores serão anunciados no dia 15 de junho.

Alta da gasolina incentiva motoristas a adaptarem seus carros para o GNV

Mas é importante lembrar que, além de economizar com o combustível, é fundamental escolher um seguro que proteja o carro nessa nova modalidade, como o da HDI Seguros

 

Está cada vez mais caro abastecer o veículo. Aliás, nunca custou tanto. O aumento no preço dos combustíveis líquidos fez a conversão de carros para o gás natural veicular (GNV) subir 88% em 2021, segundo a Senatran (Secretaria Nacional de Trânsito). Recentemente, a gasolina aumentou cerca de 18% e o diesel, 25% – e há previsão de que esse cenário de alta se mantenha em 2022. Com isso, muitas pessoas estão adaptando seus carros para o GNV.

“Acredito que a adoção do GNV deva se manter enquanto o preço de outros combustíveis seguir elevado e, além disso, o gás natural é melhor para o meio ambiente, algo que a população, principalmente a mais jovem, passa a levar em consideração cada vez mais”, avalia Carla Oliveira, Diretora de Automóvel da HDI.

As instalações de kit GNV cresceram 64% no Brasil somente no primeiro semestre de 2021, conforme levantamento feito pela Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) a pedido do Sindirepa (Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Rio de Janeiro).

Nem toda seguradora cobre GNV – e isso é fundamental

“Tem gente que converte o carro, mas se esquece de alterar a apólice do seguro – e isso pode gerar muitos problemas”, avisa Carla. A HDI Seguros oferece cobertura para veículos abastecidos com GNV, basta selecionar esse adicional na hora da compra ou entrar em contato com o corretor para alterar a apólice vigente. Vale lembrar que, para aceitação, o kit gás precisa estar regularizado e homologado no CRLV (Certificado de Registro de Veículo),  CSV (Certificado de Segurança Veicular) e o cilindro dentro da validade.

“É muito importante estar segurado da maneira correta logo quando se faz a conversão. Imagine se alguém bate no veículo e danifica o kit gás. Se a apólice não tiver a cobertura para GNV, esse prejuízo não poderá ser ressarcido”, esclarece a executiva. “A mesma coisa ocorre em relação a roubo. Sem a proteção correta, o valor do kit não poderá ser indenizado”, completa Carla.

Vale lembrar que o seguro auto da HDI cobre sinistros como roubo e colisões, mas não falhas no kit gás, já que esse item não vem de fábrica nos veículos.

Olhar atento e imparcial em prol da solução dos problemas

Por Marcia Lagrotta – superintendente de Ouvidoria da MAG Seguros

 

16 de março foi a data que marca o dia do ouvidor. Este importante profissional tem como missão em sua jornada diária analisar questões e mediar as soluções entre cliente e empresa. Não é à toa que a data é celebrada no dia seguinte do dia do Consumidor. Afinal, é quase impossível desassociar um do outro.

As ouvidorias foram criadas para que as companhias pudessem ter uma área responsável pela solução de casos não resolvidos em uma primeira instância de atendimento. É papel do ouvidor vestir uma capa imparcial, ter uma análise objetiva sobre as situações que são postas, buscando a verdade dos fatos e, consequentemente, resolver as questões trazidas pelos consumidores.

Na MAG Seguros, a atuação da Ouvidoria vai além de uma questão regulatória. A seguradora mais longeva do país busca atuar não apenas na solução das demandas, mas também na identificação do fato gerador, gestão e melhoria de processos internos da companhia. Desta forma, entendemos que evoluímos operacionalmente e na experiencia que as pessoas têm junto a nossa marca.

Esta estratégia mostra-se, ano após ano, bem-sucedida. O índice de efetividade da Ouvidoria na MAG Seguros, ou seja, das demandas solucionadas, tem superado os 99,5% ao longo dos últimos cinco anos.

Por fim, é importante reforçar que o papel do ouvidor não é solitário. Ele deve encontrar solo fértil e postura resolutiva em todas as áreas e departamentos das empresas que prezam por um bom atendimento e experiencia de seus clientes. Assim, podemos dizer que todos que se preocupa. Com isso têm a felicidade de ser pouquinho de ouvidor.

Aprimoramento da jornada do cliente em debate

A Inovação na jornada do cliente foi o tema dessa quarta-feira na “Série Lives – Entrevista ClienteSA”, com a presença de Bruno Costa, superintendente de Gestão de Relacionamento da MAG Seguros. Nela, o executivo começou falando sobre a importância em se definir com exatidão o cliente que se atende, para então entender quais são suas necessidades e produtos específicos, apenas para daí então seguir com projetos e propostas de inovação.

 

“Dentro do nosso universo temos quatro principais clientes: os clientes finais, que são efetivamente quem contratou nosso seguro; os corretores parceiros, que fazem toda a parte da venda dos nossos seguros; os nossos parceiros de negócios; e os beneficiários dos clientes finais, que são quem, muitas vezes, vão receber o seguro deixado pelo cliente primário”, explicou Bruno.

 

“Nossa estratégia sempre foi a de entender muito bem esses perfis, os canais que eles procuram a MAG para se relacionar, e principalmente entender quais são as dores e necessidades que eles nos passam”, explicou. “Apenas todo esse processo é que damos o start em assuntos como a jornada do cliente, com atendimento personalizado e muitas vezes segmentado”, disse.

 

A MAG Seguros é a seguradora especializada em vida e previdência do Grupo Mongeral Aegon com mais de 186 anos de atuação ininterrupta no Brasil. E como difundir a cultura de inovação em uma das empresas mais longevas do país?

 

“A inovação é o centro das nossas discussões. A gente está cada vez mais difundindo essa cultura dentro da MAG, trazendo esses valores do cliente no centro das nossas decisões. Tivemos um processo muito importante que foi o apoio do nosso Board, de forma muito clara, colocando na carta diretriz da companhia que a experiência do cliente era algo estratégico para a empresa, era um assunto que deveria pautar todas as reuniões estratégicas da empresa”, explicou Bruno.

 

“Levamos então essa cultura para as áreas que não são as de Customer Experience, e é essa governança que precisamos fazer, trazendo cada vez mais pessoas para essa discussão, até para que elas entendam que são também “donos do cliente”, todos são responsáveis pela sua jornada”, falou.

 

Na ótica da jornada do cliente, esses pontos são indissociáveis. “O modelo a ser buscado, nosso objetivo é aquele que usa inteligência de dados, capacidade de machine learning, e de se trabalhar o customer data experience, que é onde esses dados são fornecidos e baseiam uma hiper personalização do atendimento. Só então conseguimos entregar jornadas mais bem estruturadas, mapeadas e inteligentes”, comentou o executivo.

 

Os interessados podem assistir à live na íntegra aqui. Além dos temas acima, nela foram discutidas as mudanças do mercado com impacto nos negócios, transformações, inovações e oportunidades de produtos e serviços.

 

Atuação e importância do corretor de seguros para a cadeia de negócios

Dados da Susep apontam para escassez de profissionais habilitados para trabalhar no ramo; contato direto e constante desse profissional com o segurado contribui para o crescimento do setor e aumenta oportunidades

– O setor de seguros tem mostrado um crescimento significativo, especialmente em direção à uma nova gama de clientes, que estão despertando para a importância desse serviço e a diversificação de soluções oferecidas pelo mercado. Para que o segmento acompanhe esse avanço é preciso que o corretor, principal ponte entre segurados e empresas de seguro, esteja atualizado e acessível aos consumidores.

Apesar do aumento de oportunidades de negócios, pesquisa realizada com base em dados da Susep indicam que, em aproximadamente 60% dos municípios brasileiros, não há profissionais habilitados para trabalhar no ramo, com destaque para as regiões Norte e Nordeste. Esse fato reforça tanto a necessidade da expansão do seguro, quanto de profissionais capacitados e que estejam dispostos a explorar novos negócios. Para isso, é preciso compreender que intermediar a relação cliente-empresa e ainda oferecer insights para que as companhias estejam sempre em sintonia com o consumidor – essa é uma síntese do papel que o corretor de seguros desempenha no mercado. No atual cenário, esse profissional tem se mostrado cada vez mais necessário, expandindo seu papel como consultor.

Em um momento em que há um crescimento da adesão a diversos tipos de seguros, o corretor é uma peça-chave para desmistificar o mercado e ir além do “segurês” na troca com os clientes. Simplificar os detalhes dos serviços oferecidos é apenas o primeiro passo. “O papel social do corretor de seguros começa no primeiro contato com o segurado, na percepção que ele tem do que aquele indivíduo valoriza e quer proteger e do seu estilo de vida. Essa é uma ação muito importante, não só para que o nosso mercado funcione de forma coerente, mas também para que a conversa abra portas e flua para a apresentação de serviços e soluções que vão encantar e criar ainda mais valor para o seguro”, avalia Eduardo Dal Ri, presidente da HDI Seguros.

No momento desse primeiro contato com o cliente, o corretor precisa entender a dinâmica que levou o consumidor a procurar proteção, para que, dessa forma, o profissional possa avaliar os diferentes tipos de risco, estar ciente dos danos possíveis e ter em mente os produtos desenhados para minimizá-los. Depois disso, o papel do corretor se expande para um agente ainda mais importante com o dever de esmiuçar informações técnicas no momento da assinatura da apólice e auxiliar sempre que necessário, principalmente em casos de acionamento do seguro. Com o bem-estar do segurado em vista, identificar oportunidades de expansão da carteira e oferta de novos serviços completam o leque de atuação junto ao consumidor.

Para que o mercado cresça de forma robusta e alinhada com as necessidades do cliente, essa atuação corpo a corpo desempenhada pelo corretor de seguros é valiosa também para as empresas. “Nesse momento, o corretor atua como um termômetro que permite que as companhias pensem em serviços diferenciados, acessíveis e simplificados, tanto para os clientes quanto para quem faz parte da cadeia de negócios. Escutar e levar em consideração a experiência desses profissionais faz parte de um ciclo de desenvolvimento e melhoria de serviços que eleva ainda mais a qualidade e a importância do nosso setor”, finaliza Dal Ri.

Sabendo um pouco mais sobre o exercício irregular da atividade de seguro

 

O exercício irregular da atividade de seguro foi o tema abordado pela CNseg, representada pelo consultor, advogado e professor de Direito do Consumidor, Ricardo Morishita, no painel setorial “Defesa do Consumidor – Instrumento de garantia social”, durante o “XXIV Congresso Nacional do Ministério Público”, que ocorreu em 24 de março, em Fortaleza/CE.

 

Mais informações no link: https://cnseg.org.br/noticias/cnseg-aborda-o-exercicio-irregular-da-atividade-de-seguro-no-xxiv-congresso-nacional-do-ministerio-publico.html

Serviço Faturamento Online para facilitar gestão dos seguros de Vida PME Super Simples

Companhia expande a utilização da funcionalidade que contribui com a agilidade e eficiência no processo de vendas, gestão e atendimento de segurados pelos corretores de seguros

 

Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, acaba de expandir as funcionalidades do sistema Faturamento Online, que traz uma série de recursos para auxiliar os parceiros corretores, assessoria e plataformas de seguro. A ferramenta disponibilizada no ano passado para os produtos Sompo PME Capital Global – Faturamento Mensal e Sompo SAT Taxa Média e SAT Global, desde março deste ano também está disponível para corretor de seguros fazer todas as movimentações online nas apólices do seguro Sompo Vida PME Super Simples.

“O Faturamento Online apresentou um excelente resultado nesse primeiro ano de operação nos produtos para os quais foi disponibilizado, com uma adesão bastante expressiva por parte dos corretores de seguros. Agora agregamos suas funcionalidades para a gestão do Sompo Vida PME Super Simples, o que deve contribuir substancialmente com o processo de vendas, gestão e atendimento dos segurados pelos corretores de seguros”, ressalta Diana Aparecida de Araújo, superintendente Técnica de Vida da Sompo Seguros.

Faturamento Online

O Faturamento Online é uma funcionalidade disponibilizada no Portal do Corretor Sompo Seguros (https://bit.ly/SompoPortalCor) que realiza vários processos de forma automática na gestão de vidas e emissão de faturas. O recurso permite a importação de vidas de forma rápida e informatizada; cálculo, visualização e edição de prévia de fatura com resumo na tela de faturamento; fácil visualização das faturas e movimentação da apólice; além do download simultâneo ou envio por e-mail dos documentos que compõem o kit fatura e visualização dos dados do contrato na tela de faturamento (limites e coberturas contratadas), entre outros.

 

“O Faturamento Online é resultado dos investimentos feitos pela companhia para automatizar processos que contribuam para tornar todo o processo de venda e atendimento mais simples, ágil e eficiente para nossos parceiros corretores de seguros. Já vínhamos com bons resultados com processos de assinaturas eletrônicas. Agora o Faturamento Online também se mostrou uma ferramenta valiosa para o dia a dia dos nossos parceiros corretores de seguros”, avalia Edglei Monteiro, diretor Comercial de Saúde e Vida da Sompo Seguros.

 

 

Sompo Vida PME Super Simples

 

O Sompo Vida PME Super Simples é um seguro de Vida Coletivo voltado a empresas de 2 a 500 vidas seguráveis, com vínculo empregado-empregador (funcionários, diretores e sócios) ou prestador de serviços com comprovação por meio de contrato de prestação de serviços. De fácil contratação, o Sompo Vida PME Super Simples contempla coberturas como Morte, Indenização Especial por Acidente, Invalidez por Acidente ou Doença, Despesas Médicas, Hospitalares e Odontológicas, Doenças Graves, Doença Terminal, Inclusão de Cônjuge e Filho, Assistência Funeral, além de serviços de assistência, como 2a. Opinião Médica, Apoio Emocional, Cesta Básica, Cesta Natalidade, Personal Fitness, Assistência PET, entre outras.

Programa Falando Seguro de março apresenta a campanha “Educação: um caminho seguro”

O Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne) recebe, hoje (terça-feira, dia 29), às 19h30, em seu canal no Youtube, mais uma edição do programa “Falando Seguro”, idealizado pelo Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de Pernambuco (Sincor-PE). Com mediação de Mario Neto, âncora da rádio CBN Recife, o evento vai apresentar a campanha “Educação: um caminho seguro” e prestará uma homenagem às mulheres que atuam no mercado de seguros.

Participam do bate-papo o presidente do Sincor-PE, Carlos Valle, Simone Queiroz, representando a Fenacor, Cláudia Diniz, também do Sincor-PE, e Henrique Jenkins, representante do Sindsegnne. Na ocasião, os convidados vão explicar melhor a campanha “Educação: um caminho seguro”, iniciativa que faz parte do Família em Ação, programa social da Fenacor, com apoio dos Sincors e da Escola de Negócios e Seguros (ENS), e que visa coletar doações de kit escolares para crianças e jovens carentes.

“Será uma oportunidade para que a sociedade entenda e participe do movimento, que já é um sucesso mesmo tendo sido recém-lançado. Todos os agentes do setor segurador, assim como empresas e instituições municipais, estaduais e federais que tratem do tema educação também podem apoiar a causa e serão muito bem-vindas”, afirma Carlos Valle.

A transmissão do “Falando Seguro” será ao vivo e aberta ao público. Para participar, basta acessar o canal do Sindsegnne no Youtube (www.youtube.com/SindsegNNE), inscrever-se e ativar as notificações para receber alertas sempre que um novo vídeo for publicado.

Startup WinSocial promove o acesso de pessoas com doenças crônicas ao seguro de vida

Em menos de um mês após o lançamento de soluções de seguro de vida para novos públicos, a startup WinSocial – que faz parte do Grupo MAG – já registrou vendas em todos os novos públicos atendidos pela companhia: pessoas com diabetes, HIV+, hipertensão, obesidade e com histórico de cânceres de mama, pele não-melanoma e próstata.

 

“Isto reforça que existia uma demanda por proteção financeira que não era atendida pelo mercado tradicional. Com as soluções concretizadas pela WinSocial em parceria com a MAG Seguros, este público agora pode ter acesso a produtos de seguro de vida e, desta forma, proteger o seu futuro e de sua família”, explica Rafael Rosas, diretor da WinSocial.

 

De acordo com dados de sociedades médicas, a estimativa é que cerca de 64 milhões de pessoas têm hipertensão, 47 milhões obesidade, 15 milhões diabetes e 930 mil HIV+. Já o Instituto Nacional do Câncer prevê 177 mil novos casos de câncer de pele não-melanoma por ano e para os cânceres de mama e próstata, 66 mil novos casos por ano (cada). Os números revelam não apenas o potencial de mercado, mas sim a importância deste tipo de solução para abranger uma parcela significativa da população brasileira.

 

O modelo de negócio da startup privilegia e valoriza as atitudes saudáveis e recompensa financeiramente pessoas que cuidam da saúde, independente de alguma condição pré-existente. A WinSocial conta com um moderno e tecnológico processo de análise de riscos, o que permite não apenas aceitar pessoas com doenças pré-existentes, como praticar um valor mais competitivo e, desta forma, inclusivo.
“Sabemos que cada pessoa é diferente e nosso papel é proporcionar que todos possam ter acesso ao planejamento financeiro. Assim, alinhamos o nosso olhar com a experiência de quase 200 anos da MAG Seguros para juntos, entregarmos produtos e coberturas aderentes”, finaliza Rosas.

Atleta olímpica participa de episódio sobre intergeracionalidade em websérie sobre longevidade

Três gerações unidas pelo esporte: a avó, Ana Lobo, a filha, Cris Lobo, e a neta Maria Clara Lobo – atleta olímpica da Rio 2016 -, compartilham da mesma paixão que é o nado artístico. A história da família Lobo é destaque do quarto episódio de sua Websérie Longevidade, que aborda as interações entre as diferentes gerações.

 

“É uma paixão, é uma vida. Eu acho que tenho muita coisa para passar, muita coisa para comentar e muito prazer em trabalhar com o nado artístico”, conta Ana Lobo, veterana do nado artístico e árbitra geral do esporte.

 

Para a neta, Maria Clara, a avó é uma inspiração para a sua atividade no esporte. “Minha avó trabalhando nas competições, fazendo parte de todas as mudanças que estão acontecendo no esporte e na vida, é muito legal de enxergar”, conta a atleta.

 

“Eu tenho minhas filhas que estão me ensinando e que já tem uma cabeça muito diferente, então é um processo de amadurecimento que é uma lindeza, mas não é fácil, porque muitas vezes nos coloca dentro de um contexto que é absolutamente diferente do vivenciado”, comenta Chris Lobo, se referindo ao aprendizado das diferentes gerações, e como esse processo pode ser rico, ainda que as vezes de conflito inicial.

 

Além disso, também foi falado sobre o diálogo e da troca que elas têm uma com as outras. A proximidade da família Lobo com o nado faz com que elas participem de mudanças que acontecem tanto no esporte, quanto na vida de uma da outra.

 

“Pra mim é uma felicidade enorme, acho que tem um pouquinho de mim em cada uma delas. Isso é muito bom, me dá muito orgulho e muito prazer.”, finaliza Ana Lobo.

 

Para assistir ao quarto episódio da Websérie Longevidade, basta acessar o canal do Instituto no Youtube.

 

Período de licença paternidade é ampliado

Movimento realizado pelo Grupo Allianz mundialmente também foi adotado pela seguradora no Brasil

 

Em linha com o movimento realizado pelo Grupo Allianz no mundo, a Allianz Seguros ampliou a licença paternidade de 20 para 30 dias aos seus colaboradores. A medida visa oferecer mais flexibilidade aos que passam por um momento de transformação familiar.

“A chegada de um filho muda completamente a rotina de uma família. Ao ampliar a licença paternidade, buscamos fazer com que seja aproveitado esse momento ao máximo e, principalmente, que haja contribuição para tornar a rotina cada vez mais saudável e equilibrada”, afirma Marco Campos, diretor executivo de Recursos Humanos e Comunicação da Allianz Seguros.

A medida vale para todos os colaboradores que atuam na Allianz Seguros.

Empresa lança produto especifico para frotas pequenas

Novo produto é destinado a proteger pequenas frotas, de 1 a 4 carros, oferecendo amplas coberturas e assistências 

 

A HDI Seguros continua expandindo sua carteira de automóvel e acaba de lançar o HDI Frota Leve, um produto voltado para empresas com pequenas frotas de veículos, de 1 a 4 carros de passeio ou picapes. A novidade chega para ampliar o leque de opções para empresas e clientes PJ com preços mais acessíveis, sem abrir mão de serviços fundamentais.

O novo produto reforça o protagonismo da HDI no setor auto por se tratar de uma solução com cálculo simplificado e preço competitivo no mercado de seguros. O HDI Frota Leve oferece cobertura para incêndio, colisão, roubo e furto e Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos, além das assistências de guincho, troca de pneus, pane seca, chaveiro, entre outras. As coberturas adicionais também estão disponíveis para quem adquirir o seguro.

“Sabemos que gerir uma frota não é fácil, por isso o novo HDI Frota leve é mais uma forma de ajudarmos a diminuir as preocupações das empresas com relação à integridade dos seus veículos e de garantir o suporte em caso de sinistros”, reforça Carla Oliveira, Diretora de Automóvel da seguradora.

A executiva destaca que, além dos serviços oferecidos, a contratação de um seguro frota pode facilitar a vida de empresas, já que “a companhia precisa controlar apenas uma apólice, em vez de controlar uma para cada veículo; outro ponto importante é que, por não haver um perfil definido de condutor, a negociação para a contratação do seguro se torna mais flexível e simples”.

Com Selic a 11,75%, empresa indica títulos pós-fixados como boas opções

Por unanimidade, os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) aumentaram, nesta quarta-feira (16), a taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, em 1 ponto percentual, para 11,75% ao ano. Com essa nova alta, os juros chegam ao maior nível desde abril de 2017, quando a Selic passou para 11,25% ao ano.

As elevações não devem parar por aí, já que a sinalização do Banco Central é de que os juros continuarão subindo este ano já que a inflação continua alta e a guerra entre a Ucrânia e a Rússia afeta os preços. No entanto, o aumento trouxe a desaceleração observada nas três reuniões anteriores, quando o banco central optou por um aumento de 1,5 ponto percentual.

Neste contexto, os títulos de renda fixa pós-fixados, que acompanham as taxas de juros, são boas opções de investimentos, segundo os analistas da MAG Investimentos, como o economista Felipe Rodrigo de Oliveira. “Os títulos de renda fixa pós-fixados, que acompanham a Selic ou o CDI, devem se beneficiar com a alta dos juros. É o caso do Tesouro Selic”, explica Felipe.

Com a Selic crescendo a taxas de dois dígitos, a renda fixa está cada vez mais próxima de oferecer aos investidores um retorno mensal de 1%. Felipe explicou que os investidores precisariam de uma taxa Selic de 12,60% para obter um retorno mensal de 1% de renda fixa pós-fixada. “Para quem busca proteger seus ativos da inflação, também vale ficar de olho nos ativos relacionados ao IPCA”, disse Felipe. “Para esses casos, vale procurar ativos com prazos mais curtos, até dois anos”, disse. Outra forma de aproveitar essa elevação da Selic é ficar de olho em CDBs (Certificados de Depósitos Bancários), LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio).

Além disso, no atual cenário de inflação elevada, as aplicações indexadas à inflação se mostram como opções interessantes para se proteger desta alta de preços. No entanto, apesar de ser um investimento de renda fixa, essas aplicações apresentam um risco maior do que os investimentos atrelados ao CDI. Dessa forma, é importante avaliar o nível de risco que o investidor pode incorrer.

“O momento atual do mercado está obrigando os investidores a prestar mais atenção aos prazos de alocação. Em um cenário de elevada incerteza como o atual, o ideal é importante avaliar se a duração da carteira está adequada ao nível de risco ao qual o investidor quer estar exposto. Quanto maior o prazo do ativo, mais sensível ele é à volatilidade do mercado”, esclarece Felipe.

Campanha Mês da Mulher que incentiva contratação do seguro de vida individual exclusivo para público feminino

Por meio da ação, mulheres podem contratar o Sompo Vida Top Mulher, que conta com serviços exclusivos e coberturas diferenciadas, como a de Doenças Graves, por exemplo, ao mesmo tempo em que corretores de seguros têm oportunidade de rentabilizar ganhos de até 200% no agenciamento

 

 

Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, acaba de lançar a Campanha Mês da Mulher, por meio da qual visa fomentar e rentabilizar negócios para os parceiros corretores de seguros ao mesmo tempo em que incentiva a contratação do Sompo Vida Top Mulher, seguro de vida individual que traz coberturas, benefícios e serviços especialmente desenvolvidos para atender ao público feminino.

Mecânica da Campanha

Para todas as propostas de contratação de apólice do produto Sompo Vida Top Mulher transmitidas até 31 de março de 2022, o corretor de seguros recebe 100% a mais de agenciamento na primeira parcela mais a comissão. Com isso, o parceiro corretor de seguros pode receber até 200% de agenciamento. Por exemplo: caso o corretor transmita uma proposta com 0% de agenciamento, ainda assim, receberá 100%. Caso venha a transmitir uma proposta com 50% de agenciamento, receberá o índice de 150%. Dessa forma, o recebimento de, pelo menos, 100% de agenciamento está totalmente garantido. Vale ressaltar que o pagamento de mais 100% de agenciamento não influencia no valor do seguro nem gera qualquer custo adicional para a segurada. Além disso, no caso de apólices canceladas, será efetuado o estorno proporcional ao agenciamento pago.

“O seguro Vida Top Mulher é um produto com excelente aceitação porque foi estruturado para atender às necessidades e rotinas de vida e consumo das mulheres. As coberturas e benefícios voltados à saúde e bem-estar encontram especial apelo, uma vez que nossas seguradas compreendem o impacto que uma doença grave ou o descuido com os hábitos saudáveis pode ter, sobretudo na mulher dos dias atuais que tem de lidar com diversas responsabilidades e não pode abrir mão da qualidade de vida”, considera Diana Aparecida de Araújo, superintendente Técnica de Vida da Sompo Seguros.

“A demanda pela contratação de seguro de vida tem aumentado substancialmente nos anos recentes. Cada vez mais a população compreende como é essencial ter a garantia e tranquilidade da cobertura de uma apólice de seguro de vida. Esta campanha vem integrar a série de iniciativas que já desenvolvemos num ciclo contínuo desde o ano passado, por meio do qual buscamos incentivar a divulgação mais significativa dos benefícios do seguro de vida ao mesmo tempo em que incentivamos nossos parceiros de negócios por meio de ferramentas que vão rentabilizar ainda mais suas vendas“, destaca Edglei Monteiro, diretor Comercial de Saúde e Vida da Sompo Seguros.

 

O Sompo Vida Top Mulher

O Sompo Vida Top Mulher é um seguro de Vida Individual que traz coberturas exclusivas, bem como um leque de serviços de assistência disponibilizados exclusivamente para esse público. Além das coberturas básicas de seguro Vida, como as que garantem proteção financeira em caso de morte ou acidente; o Sompo Vida Top Mulher também conta com extensão da cobertura de doenças graves, como acidente vascular cerebral agudo, câncer, infarto, transplante de órgãos, paralisia total e irreversível ou perda total de audição, fala ou visão, por exemplo. O Plano Estendido de Doenças Graves, contemplado no Sompo Vida Top Mulher, garante o pagamento do capital à própria segurada, caso seja diagnosticada uma das doenças graves do plano contratado. Com isso, ela pode custear as despesas com o tratamento ou usar o dinheiro da forma que achar melhor.  Esta cobertura não é uma antecipação e, uma vez indenizada, os valores contratados para as demais coberturas permanecem inalterados. A segurada também conta com opções de Assistências como a Assistência a Filhos (pacote de serviços que objetivam minimizar o impacto de imprevistos que impossibilitem os pais de cuidarem dos filhos), Personal Fitness (orientação sobre atividades físicas e como adequá-las à rotina do dia-a-dia), Motorista Substituto (disponibilização de um reboque para o transporte do veículo e táxi para os seus ocupantes, para continuação da viagem, caso a segurada encontre-se impossibilitada de dirigir), Help Desk (assistência remoto ou por telefone para produtos tecnológicos como computadores, notebooks, smartphones e tablets.), Descarte Ecológico (destino ecologicamente correto a produtos que atingem o fim de sua vida útil), entre outros.

 

Cobertura de Doenças Graves


Uma das coberturas mais procuradas pelas seguradas é 
a cobertura de Doenças Graves. Essa é uma cobertura adicional nos seguros de Vida Individual, mas que no Sompo Vida Top Mulher já está contemplada a modalidade Plano Estendido, na qual são indenizáveis dez tipos de doenças graves. Porém, há também a opção de contratar os planos Master ou Especial, que abrangem até 20 diferentes tipos de patologias e podem ser contratados conforme a necessidade e perfil da segurada. Além disso, todos os planos têm apenas 90 dias de carência. Conforme o plano contratado, as coberturas podem incluir doenças como Acidente Vascular Cerebral Agudo, Transplantes de Órgãos, Câncer e Melanoma, diferentes doenças do coração, Alzheimer, Esclerose Múltipla, Doença de Parkinson, Paralisia de Membros, Diagnóstico de Surdez, Perda Total da Fala, Diagnóstico de cegueira, Implante de Marcapasso, Embolia Pulmonar, Insuficiência Renal, entre outras.

 

 

Assinatura Eletrônica

 

A Sompo Seguros também investiu em tecnologias para garantir mais segurança e praticidade no dia a dia dos corretores de seguros e segurados. Uma das melhorias implementadas é a possibilidade de assinatura de forma eletrônica via plataforma de Digital Transaction Management (DTM) da DocuSign, que possibilita assinar documentos a qualquer hora, em qualquer lugar e via qualquer dispositivo. Com isso, a proposta de contratação pode ser assinada online com segurança e sem necessidade de remessa de documentos físicos. Dessa forma, o processo de assinatura, envio de documento e implantação do seguro de Vida Individual acontece de forma rápida, simples e sem demandar tempo excessivo do corretor de seguros ou dos segurados.

Ataques cibernéticos contra empresas brasileiras crescem 220%

O Seguro de Risco Cibernético, que serve como proteção aos ataques de hackers, tem aumentado cada vez mais sua importância.

 

Segundo a empresa Kaspersky, multinacional especializada em cybersecurity, o Brasil é o 3º colocado no ranking de países mais atacados por crimes virtuais das mais diferentes formas.

 

O Presidente da CNseg, Marcio Coriolano, destaca a importância dessa proteção em mais um Programa Fala Presidente, que pode ser assistido na íntegra no link https://radio.cnseg.org.br/radiocnseg/segurocast/fala-presidente-ataques-ciberneticos-contra-empresas-brasileiras-crescem-220/ (Fonte: CNseg)

Como efetuar a declaração dos planos de Previdência Privada no Imposto de Renda 2022

Especialista esclarece o que deve ser informado pelo contribuinte para que não haja erros ou informações incompletas

 

Chegou a hora de acertar as contas com o Leão – neste ano o prazo ficou mais curto e ocorre entre 7 de março e termina em 29 de abril – nesse período muitas dúvidas surgem sobre como declarar todas as informações do ano anterior. Dentre as prestações de contas também entram as contribuições feitas aos planos PGBL e VGBL, bem como os rendimentos recebidos da Previdência Privada. Marcelo Rosseti, superintendente executivo, da Bradesco Vida e Previdência, explica como efetuar a declaração.

Os planos de previdência privada contam com vantagens tributárias significativas, especialmente no caso do PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), que permite a dedução da base de cálculo do IR das pessoas físicas de contribuições feitas até o limite de 12% da sua renda bruta tributável. Nessa circunstância, é importante optar pelo modelo completo de declaração, em que o próprio programa calcula a renda permitida para essa dedução. “A lógica que sustenta essa tributação é a de que, enquanto a pessoa estiver acumulando recursos para a aposentadoria, não precisa pagar IR sobre esse estoque”, enfatiza Rosseti.

O especialista explica que, no caso dos resgates ou recebimento de benefícios, o Imposto incide sobre todo o valor resgatado e, por isso, deve ser informado com o tipo de tributação. “Por exemplo, caso o plano tenha uma tributação progressiva, deve ser declarado na ficha ‘Rendimentos Tributáveis recebidos de Pessoa Jurídica’, se a tributação for regressiva, informe em ‘Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva’”, detalha.

É preciso declarar as contribuições feitas aos planos VGBL?

A modalidade do VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) não é dedutível, portanto, não precisa ser informada na declaração. Entretanto, o contribuinte deve ficar atento para esclarecer o produto contratado e os saldos acumulados no plano, na ficha de ‘Bens e Direitos’, sob o código “97 VGBL”, referente aos valores históricos das aplicações que o segurado contribuiu.

Regime tributário: regressivo e progressivo

Os planos de previdência apresentam duas opções de regime tributário: regressivo e progressivo. No regressivo, o IR pago no resgate ou recebimento de benefício é descontado na fonte, de forma definitiva, e a alíquota diminui à medida que o prazo da aplicação aumenta, podendo chegar a 10% a partir do décimo primeiro ano.

“Já no regime progressivo, a alíquota é definida conforme a tabela de IR das Pessoas Físicas, mas não é definitiva, podendo ser compensável, parcial ou integralmente, na Declaração de Ajuste Anual. No caso de resgate, serão deduzidos, na fonte, 15% de IR a título de antecipação. A escolha do regime ocorre na proposta de adesão a cada plano, sendo definitiva caso haja opção pelo regressivo”, esclarece o superintendente da Bradesco Vida e Previdência.

 

Como declarar os rendimentos recebidos da Previdência Privada?

Rosseti pontua que para aqueles que utilizam o investimento para realizar resgates pontuais ou para complementar a renda da aposentadoria devem ficar atentos para informar os valores recebidos como forma de rendimento. As pessoas que optarem pela tabela regressiva devem informar os rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva, sob o código 06, na ficha ‘Rendimentos de aplicações financeiras’. “O contribuinte deve detalhar o beneficiário, se titular ou dependente, o CNPJ e o nome da fonte pagadora, além do valor líquido recebido”, salienta.

No caso dos que optarem pelo regime da tabela progressiva, a declaração dos rendimentos deve ser feita na ficha de ‘Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Jurídica’, com o nome e o CNPJ da fonte pagadora.

CNseg celebra a trajetória do Sindseg NNE em seus 66 anos de existência

“Neste 15 de março de 2022, o Sindicato das Seguradoras do Norte e Nordeste (Sindseg NNE) completa 66 anos de existência. Ao longo de todo esse período, a instituição atuou com empenho e competência na missão de representar os interesses do setor segurador na região e fortalecer o seu desenvolvimento.

A CNseg tem muito orgulho de ser testemunha e parceira do Sindseg NNE em sua trajetória de sucesso. Parceria, esta, fortalecida ainda mais pela aproximação alcançada com a instituição do Projeto Sinergia, em março de 2020, que permitiu uma coordenação compartilhada das estratégias representativas em nível nacional para o incremento da interlocução sistemática entre os entes representativos do setor.

Parabéns, Sindseg NNE!”

Marcio Coriolano
Presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (Fonte: CNSeg)

Sindsegnne: 66 anos de trabalho em prol do setor de seguros no Norte e Nordeste

Ronaldo Dalcin, presidente do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne)

 

Temos discutido muito acerca da nossa responsabilidade enquanto condutores do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne). Gestão essa que foi recentemente alçada a um segundo mandato, o que exprime a confiança dos atores do nosso mercado, bem como da Confederação Nacional das Seguradoras – CNseg, entidade que abarca os oito sindicatos patronais sob sua égide. No próximo dia 15 de março, a instituição que representamos completará 66 anos de sua fundação, o que nos permite afirmar que a história do mercado segurador local se confunde com a trajetória desse sindicato e isso é motivo de muito orgulho a todos.

Enquanto representantes regionais da categoria, diria que nossa missão vai muito além do escopo estatutário que, integralmente, cumprimos. Mais do que isso, a máxima de fortalecer a cultura de seguros, propagando para a sociedade a grande importância do ecossistema segurador, tem norteado boa parte das nossas ações. Para elucidar essa relevância, imaginem subtrair da economia dos 13 estados sob a nossa liderança o valor de R$7,375 bi em 2021 que é a exata monta retornada à sociedade sob forma de indenizações (sinistros) e resgates/premiações (PGBL/VGBL e Capitalização).

A importância do nosso setor vai muito além desse suntuoso aporte. Somos responsáveis por um recolhimento considerável de impostos e acumulamos ativos que equivalem a 23,5% da dívida pública. Além disso, estamos responsáveis por 177 mil empregos diretos, temos 48,7 milhões de beneficiários de planos de assistência médica e nossa receita anual de prêmios representa cerca de 6,7% do PIB. Números muito expressivos que espelham a verdadeira dimensão desse segmento que tem entre seus principais pilares a proteção.

Encerramos o ano de 2021 com mais um ciclo virtuoso. Enquanto alguns segmentos têm amargado os efeitos da crise sanitária e da conjuntura econômica, nosso setor demonstra uma solidez digna de honrarias. O mercado segurador brasileiro, sem saúde e DPVAT, fechou 2021 com 306,4 bilhões em prêmios, apresentando um crescimento de 11,9%. Verificando especificamente nossa região sindical, auferimos crescimento maior do que o cenário nacional com 14,3% e prêmios na ordem de R$ 28,7 bilhões. Protagonizaram regionalmente esse crescimento os seguintes nichos: Seguro viagem (79,3%), Risco de Engenharia (55%), Seguro transportador (33,8%) e Vida (27,3%).

Ao passo que temos percebido uma maior proximidade do fim dessa pandemia, o que de fato irá ajudar a alavancar nossa economia, temos ciência do quanto 2022 será um ano desafiador: eleições, crise econômica mundial, ameaças geopolíticas, uma possível reedição da guerra fria, inflação alta e as tão antigas, sonhadas e pendentes reformas fiscal e tributária. Todos esses fatores contribuem para que continuemos atentos aos movimentos nacionais, mundiais e aos respectivos indicadores e impactos que possam afetar nosso segmento.

Em nome do Sindsegnne, queremos aqui referendar nosso compromisso de continuar servindo a sociedade continuamente. Dar nossa contribuição de uma forma irrestrita, defendendo e desenvolvendo essa indústria que traduz os mais amplos conceitos de proteção ampla e educação securitária, primando e praticando os valores de responsabilidade ambiental, social e de governança. Cada vez mais vamos buscar a integração de todos que estão conosco nessa jornada para que, juntos, possamos continuar somando esforços e potencializando resultados.

Benefícios do seguro de vida em vida

Produto oferecido pela seguradora possui coberturas dedicadas a amparar o segurado em situações de invalidez e morte de cônjuge ou de filho 

 

 

O planejamento do futuro financeiro de muitos brasileiros ganhou mais um aliado: o seguro de vida. O serviço, visto por muitos como algo para ser usado apenas em caso de morte, também pode proporcionar tranquilidade e bem-estar em vida para o segurado, fato desconhecido por muitos. Com isso, o produto ganha ainda mais valor, especialmente quando oferecido em um pacote de vantagens na contratação de colaboradores por uma empresa.

Nesse caso, o amparo financeiro e o emocional são levados em consideração, o que desperta no funcionário a tranquilidade e a segurança de que terá suporte mesmo em casos de acidente. O HDI Vida PME – produto fruto da parceria entre a HDI Seguros e a Icatu, voltado para pequenas e médias empresas – é exemplo de como o seguro de vida pode oferecer vantagens em diversas situações.

“Disponibilizar um seguro de vida no pacote de benefícios para os funcionários é cuidar do futuro do colaborador e da sua família pois o ajuda a se resguardar de situações em que a estabilidade financeira de uma família possa correr algum tipo de risco, seja por morte do provedor, seja por algum acidente que o impeça de trabalhar”, analisa Mauricio Galian, Vice-presidente Técnico da HDI Seguros. “Em momentos delicados, é reconfortante saber que teremos condições financeiras para seguir em frente”, completa.

Coberturas como Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente, oferecidas pelo HDI Vida PME, que proporcionam o pagamento de uma indenização ao segurado em vida, em caso de acidentes que o impossibilitem de trabalhar, são o exemplo ideal de como o seguro de vida pode proteger a renda em casos inesperados até que ele consiga se reequilibrar financeiramente e auxiliá-lo a ter uma vida mais digna.

Além de possibilitar a inclusão automática do cônjuge e dos filhos do segurado, o HDI Vida PME também oferece assistências que podem ser usadas em vida, como a assistência Kit Natalidade, que oferece, em caso de nascimento de filho(a), uma cesta com produtos higiênicos e alimentícios para a mãe e o bebê.

Outras vantagens do produto também incluem assistência Cesta Básica – com as opções de gêneros alimentícios ou crédito em cartão, nos valores de R$ 120, R$ 160 ou R$ 180, por meio da qual o beneficiário receberá, mensalmente, durante 12 meses, uma cesta com gêneros alimentícios ou recarga no cartão em caso de morte do segurado.

Instituto de Longevidade discute envelhecimento em websérie

O Instituto de Longevidade MAG lançou o terceiro episódio da Websérie Longevidade, realizada em parceria com a MAG Seguros. Com a participação de Maria Angélica Sanchez, especialista em gerontologia, o episódio teve como objetivo debater sobre envelhecimento saudável e ativo.

 

De acordo com Sanchez, para alcançar o envelhecimento saudável temos um arsenal de condições que podemos usar a nosso favor, como por exemplo fazer um investimento em saúde, boa alimentação, ter o costume de praticar atividades físicas, além de participação social e educação continuada.

 

Segundo a especialista, essas condições são importantes para criar um projeto de vida, principalmente as pessoas que estão aposentadas e não possuem uma rotina. “A grande importância de você ter um projeto é você ter algo para fazer, algo que não precisa ser grandioso, mas que esteja ao seu alcance”, enfatiza Maria.

 

Além disso, também foi abordado no episódio sobre o preconceito em relação a palavra “velhice”. “Não é feio falar velho, porque a velhice é uma fase da vida. Temos que tirar um pouco esse preconceito que a palavra velha é feia”, finaliza Maria Angélica.

 

Etarismo no mercado de trabalho

 

A websérie contou também com a participação de Márcia Tavares, especialista em trabalho e longevidade. O segundo episódio da série aborda sobre a questão do etarismo, que é o preconceito contra pessoas mais velhas.

 

Segundo Márcia, ter pessoas de diferentes gerações nas organizações é algo benéfico para as empresas, pois cada uma traz consigo características do período em que viveu. “A riqueza está justamente na diversidade”, destaca.

 

Durante o segundo episódio, a especialista também explicou que cada geração possui a sua bagagem. As mais antigas, por exemplo, costumam ser mais leais a marca e aos empregadores. Porém, se observarmos as gerações mais jovens, elas são mais ligadas as tecnologias. Ou seja, ambas conseguem aprender umas com as outras.

 

Conteúdo pretende abordar sobre a qualidade de vida na longevidade

 

A Websérie Longevidade tem como objetivo de discutir a importância de viver mais e melhor. No episódio de estreia, Henrique Noya, diretor do Instituto de Longevidade MAG explicou sobre o significado do termo longevidade e a sua diferença com o envelhecimento. “Longevidade é viver mais e envelhecimento é a soma do viver mais com ter menos filhos”, explica Noya. Além disso, ele também abordou sobre os desafios e oportunidades para as pessoas que estão vivendo cada vez mais. Alguns dos temas citados foram sobre longevidade financeira, mercado de trabalho e saúde.

 

Segundo Noya, o tema de longevidade traz ainda um desafio no convívio intergeracional, na questão do etarismo, que é o preconceito contra pessoas com idade avançada. “Temos que entender essa dinâmica da longevidade para continuar com uma economia pulsante”, destaca Noya.

 

A websérie contará com cinco episódios que irão abordar os aspectos fundamentais para ter uma vida mais longeva. Para assistir os episódios da Websérie Longevidade, basta acessar o canal do Instituto no Youtube.

 

Presidente da CNseg destaca a força e resiliência do mercado segurador na abertura do 22º Congresso dos Corretores

 

Destacando a união cooperativa de corretores e seguradores no enfrentamento das dificuldades em comum no ciclo da pandemia e da economia, o Presidente da CNseg, Marcio Coriolano, foi uma das autoridades que compôs a mesa de abertura do 22º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros na noite de 3 de março, no Royal Palm Hall, na cidade de Campinas. Junto com ele estavam o da Fenacor, Armando Vergílio; o Superintendente da Susep, Alexandre Camillo; o Deputado Federal e Presidente da ENS, Lucas Vergílio; o Presidente do Sincor-SP, Boris Ber; o Presidente do Ibracor, Joaquim Mendanha de Ataídes; e o Prefeito de Campinas, Dário Saad.  O Congresso, que vai até o dia 5, organizado pela Fenacor, em parceria com o Sincor SP, contará com 10 painéis e acontece paralelamente à 21ª Exposeg.

Em sua fala, o Presidente da CNseg também destacou a “rápida resposta do mercado segurador às demandas da sociedade no momento de restriç?es de mobilidade e de dificuldades causadas pelo aperto no orçamento da população, desemprego, e por expectativas exacerbadas”. Coriolano também destacou a importância do papel dos corretores, “que ajudam os segurados e os que precisam de seguros em todos os rinc?es para fazerem as suas melhores escolhas”.

A liderança, experiência, qualificação, espírito público e clareza de propósitos do novo Superintendente da Susep, Alexandre Camillo, também foram citadas pelo Presidente da CNseg, afirmando que ele contará com a colaboração de todos os elos da cadeia de valor do mercado.

Lembrando que o setor segurador apresentou um desempenho melhor que o de outros setores da economia durante a pandemia, informou que o setor passou de um crescimento nominal de 1,3% em 2021 para 11,9% em 2021, representando um crescimento real de 3,3%, mas “ainda muito aquém do que a sociedade merece”.

Coriolano concluiu sua participação declarando que “somos os braços da proteção econômica e social da sociedade”, sendo também “o maior formador da poupança nacional, desonerando o Estado brasileiro para fazer aquilo que ele precisa fazer”.

Em seguida, o Presidente do Sincor agradeceu a oportunidade de poder compartilhar a organização do evento com a Fenacor, informando que os corretores estão preparados para “enfrentar os tempos desafiadores que virão”.

O Superintendente da Susep, empossado recentemente, afirmou que sua presença na autarquia é uma conquista para o mercado e para todos os corretores. Disse, ainda, que retomará o diálogo com todos os atores do mercado segurador que, segundo ele, havia sido interrompido na gestão anterior, lembrando, porém, que “há uma equação entre o que se deseja, o que é possível e o que é necessário”, mas que não faltará esforços para colocar esses três pontos o mais alinhados possível.

O Prefeito de Campinas expressou a honra que a cidade tem de receber o congresso dos corretores, que é o primeiro grande evento na cidade depois da pandemia.

O Deputado Federal e Presidente da ENS destacou o fundamental papel dos corretores no delicado momento da pandemia, afirmando que a nova gestão da Susep propiciará “um ambiente regulatório muito mais previsível, contribuindo para que os corretores possam gerar empregos e renda para o nosso país”. Ele também saudou o futuro Presidente da CNseg, Dyogo de Oliveira, presente da plateia, “que que se une, com sua força política e institucional, ao setor segurador”.

A última fala da noite coube ao Presidente da Fenacor, que disse que “poucos setores podem se orgulhar tanto do que têm feito ao longo da maior crise de saúde pública da história” e que “estamos saindo da pandemia ainda mais fortalecidos e preparados para proteger a sociedade, amparar as famílias e garantir a continuidade dos negócios”. Armando Vergílio afirmou ainda que alguns atos da administração anterior da Susep precisariam ser revistos, citando as sociedades iniciadoras de serviços de seguro no âmbito do open insurance que, segundo ele, foram criadas sem uma necessária Lei Complementar. Ele também defendeu a necessidade de se avançar no projeto de uma autorregulação plena do mercado segurador, com supervisão do estado, para desonerar o governo e aumentar a sua eficácia.

 

 

Leia abaixo a íntegra do discurso do Presidente da CNseg, Marcio Coriolano: 

O tempo passa rápido. Já estamos no último mês do primeiro trimestre do ano e vislumbramos os imensos desafios do país, da nação e do mercado de seguros neste ano. Mas, com muita confiança, determinação e esperança. 

Os dois últimos anos nos colocaram todos à prova. E entendo que respondemos adequadamente e tivemos muitos avanços. Apenas pontuarei alguns que me parecem relevantes. E tomo a liberdade de falar aqui sempre no plural: corretores e seguradores. 

Primeiro: a união cooperativa de corretores e seguradores para enfrentar as comuns dificuldades do ciclo da pandemia e da economia. 

Segundo: a nossa rápida resposta às demandas da sociedade nos momentos de restriç?es de mobilidade e de dificuldades causadas pelo aperto de orçamentos da população, desemprego, e expectativas exacerbadas. 

Terceiro: houve a demonstração cabal de que somos um setor solidário, moderno e progressista. E que a tecnologia que detemos foi e é uma ferramenta que deve ser utilizada. E que tem suas limitações pela necessária presença dos agentes da distribuição. Aqueles que ajudam os segurados e os que precisam de seguros de todos os rinc?es para fazer as suas melhores escolhas. 

Quarto: e, pela nossa resiliência a mudanças recentes do marco legal, nossas contribuições sempre foram insistentes e claras para que essas mudanças devam se fazer e prosseguir com nossa participação, como protagonistas colaboradores. Conservar o que é justo e mudar o que é preciso. 

Quinto: a sociedade confiou na nossa resposta a esse cenário. Os resultados estão aí para todos verem. 

Então, depois de um crescimento nominal de atividades de 1,3% em 2020, fomos para um crescimento de 11,9% em 2021. Ou um crescimento real de 3,3%. Ainda muito aquém do que a sociedade merece, é verdade. Porém melhor do que outros setores da economia. 

Porque assim quis a sociedade. Enxergando a proteção dos seguros como um abraço solidário e eficaz em todo esse período. 

Vamos, de novo no plural, olhar para a frente, como sempre fazemos. Somos um setor dinâmico, solvente e moderno. Temos união das lideranças. E equipes de primeira linha. Podemos, sim, incorporar mais gente para a proteção dos seguros. É a nossa missão. 

E nos anima que temos neste ano um novo superintendente da Susep, o Alexandre Camillo, que tem toda a liderança, experiência, qualificação, espírito público e clareza de propósitos para a sua missão. 

Ele terá a sua já declarada diretriz de cooperação de todos os elos da cadeia de valor do nosso mercado como elemento fundamental a favor do fomento e da sustentabilidade, que também declarou. E de aproveitar e revisar o legado que recebe no mesmo sentido. Olhando, de novo, para a frente. 

Estaremos todos da CNseg a serviço desses propósitos que estamos construindo juntos com os corretores há décadas. Desejamos tornar realidade o mantra de estarmos no centro das políticas públicas e dos programas privados. Não por vaidade ou por corporativismo.  

É porque temos, no plural, a convicção de que somos os braços da proteção econômica e social da cidadania. E porque somos o maior formador da poupança nacional. Desonerando o estado brasileiro para fazer aquilo que ele precisa fazer. 

Que tenhamos todos um excelente evento. 

Muito obrigado! 

Companhia de seguros anuncia novidades para 2022

Em evento online com corretores, executivos destacaram as principais ações da companhia para os próximos meses

A Allianz Seguros reuniu, na última terça-feira (22), corretores de todo o Brasil para anunciar as principais ações da companhia para 2022. Realizado remotamente, o evento contou com a participação de Eduard Folch, presidente da empresa; Karine Barros, diretora executiva Comercial; David Beatham, diretor executivo de Automóvel, Massificados e Vida; e Renato Roperto, diretor executivo de Sinistros.

Na abertura da transmissão, Eduard fez uma breve retrospectiva de 2021. “A Allianz Brasil concluiu a integração com a SulAmérica Auto e Massificados, mantendo a base de clientes tida na aquisição das operações. Já em relação aos parceiros de negócios, hoje, temos mais corretores cotando os nossos produtos, do que tinham as duas companhias antes da compra. No ano passado, também aplicamos melhorias no call center, comunicação com o canal de vendas, ofertas, serviços e processos, sobretudo de Sinistros”, lembrou Eduard.

O encontro online foi o primeiro evento oficial de Karine Barros como diretora executiva Comercial, que assumiu o cargo em janeiro deste ano. Ela reafirmou o compromisso da Allianz com os parceiros de negócios da empresa. “Os corretores e assessorias podem esperar da seguradora um time engajado, muito presente, com informações que geram bons diálogos, e fornece ferramentas para facilitar o seu dia a dia”, afirmou. A executiva também apresentou a AlliadoZ 2022, campanha de vendas que reconhecerá 300 premiados – 150 a cada semestre – e ainda levará os 50 primeiros colocados do ranking para desfrutar de um roteiro exclusivo na Espanha.

David Beatham, por sua vez, aproveitou a ocasião para adiantar algumas novidades nas carteiras de Automóvel e Massificados. “Fizemos diversas entregas nos produtos de varejo ao longo de 2021 e, em 2022, não será diferente”, disse. Entre os lançamentos previstos estão a renovação no produto Frota, o aumento do limite de aceitação em Auto, Frotas e Caminhão, para R$ 1 milhão, um aplicativo de telemetria e gameficação que irá conceder descontos no seguro Auto baseados no comportamento dos motoristas diante do volante, além de um seguro Viagem, exclusivo para venda por meio de corretores, com limites diferenciados de coberturas.

Já Renato Roperto lembrou que a pandemia mudou o comportamento das pessoas acelerando as alternativas digitais, sem perder o lado humano nas relações. “Ouvimos muito os consumidores e os nossos parceiros de vendas para saber como tornar o dia a dia deles mais fácil. Trabalhamos o digital em todas as áreas da companhia”, afirmou. “Na assistência 24h, 30% dos acionamentos que recebemos são feitos via WhatsApp e mais de 20% das interações de sinistros realizadas pelo chat”, concluiu. Nessa esteira, de estar em linha com o atual cenário e demanda dos segurados, o executivo adiantou que “os clientes de Automóvel terão, além do carro reserva, a opção de um voucher para deslocamentos em carros por aplicativo”.

 

Entre as novidades previstas para os próximos meses, a Allianz ainda lançará produtos totalmente digitais na carteira de Saúde, com aplicativo exclusivo. Para as demais linhas Corporativas, o propósito da empresa é simplificar produtos e serviços e agilizar processos para que os corretores trabalhem com mais autonomia e de maneira mais assertiva com os clientes, assim como tem sido nas carteiras de varejo.

Cobertura anfitrião apoia quem aluga imóveis por temporada

Serviço resguarda segurados que estão devidamente registrados em sites ou aplicativos de hospedagem em caso de perdas e/ou danos materiais 

 

Para quem deseja aproveitar feriados para viajar, ou até mesmo usufruir da flexibilidade do home office e trabalhar diretamente da praia ou do campo, recorrer ao aluguel de casas por temporada por meio de plataformas especializadas é uma solução prática e rápida. Esse movimento reaqueceu o mercado de aluguéis, que sofreu com as restrições da pandemia, e reforçou determinados cuidados necessários tanto por parte do inquilino quanto do locador do imóvel.

Para que a negociação do aluguel por temporada e a estadia do viajante aconteçam tranquilamente, é preciso que ambas as partes alinhem condições e termos visando proteger o imóvel, o dono e quem o aluga. Em situações de prejuízo ou dano, serviços como a cobertura anfitrião da HDI Seguros podem ser fundamentais. “Esse é um ótimo recurso para oferecer segurança e evitar dores de cabeça, especialmente para quem é adepto do uso dos apps de hospedagem. Com ele, é garantida a continuidade do bom funcionamento do imóvel sem prejuízos para as partes envolvidas”, avalia Paula Erica Tassi, Gerente de Produto da HDI Seguros.  

A cobertura anfitrião é um serviço oferecido dentro do seguro residencial da seguradora, que permite que os segurados devidamente registrados em sites ou aplicativos de hospedagem por temporada sejam indenizados em caso de perdas e/ou danos materiais causados acidentalmente pelo hóspede inquilino aos bens da residência, como móveis, utensílios, equipamentos e eletrodomésticos. Além disso, para reforçar ainda mais a proteção, o segurado também pode fazer a contratação da cobertura de responsabilidade civil familiar, para garantir a indenização de danos materiais ou corporais causados ao hóspede inquilino que sejam decorrentes, exclusivamente, do uso e do estado de conservação do imóvel.

Para apoiar e orientar os viajantes, Paula Erica Tassi também destaca 4 cuidados fundamentais – que o anfitrião e o inquilino devem ter – para garantir a melhor experiência possível durante e até após o período de locação:

1 A formalidade 

Antes de qualquer coisa, o dono do imóvel precisa contratar a cobertura anfitrião disponibilizada pelo seguro residencial HDI em Casa. A proteção assegura indenização específica para sinistros decorrentes do uso do imóvel e garante que a experiência seja a melhor possível.

2 Os objetos  

Ao alugar um imóvel, loca-se também o que está dentro dele. Eventuais danos aos móveis, utensílios, equipamentos e eletrodomésticos da residência dão direito de indenização ao anfitrião, ou seja, o dono do espaço. O inquilino, por sua vez, deve atentar ao manuseio dos objetos pois apenas as avarias acidentais são consideradas e cobertas pelo seguro.

3 A estrutura 

A estrutura do imóvel precisa estar em dia. Danos materiais e corporais sofridos pelo inquilino, enquanto estiver no local, são de responsabilidade do anfitrião. Aqui é importante para o anfitrião a adesão também à cobertura de responsabilidade civil familiar, que garante a proteção adequada para esses casos.

4 Fim de festa 

O fim do contrato de locação é, literalmente, o término de qualquer vínculo de responsabilidade do inquilino para com o anfitrião no âmbito do seguro. O não repasse do valor acertado pela locação e qualquer perda causada pelo inquilino após o fim da locação devem ser alinhados, caso a caso, entre as partes envolvidas.

CNseg finaliza primeiro ranking anual do setor segurador

Dados estão no portal da Confederação Nacional das Seguradoras

O primeiro ranking anual do setor de seguros publicado pela CNseg está disponível em seu portal e apresenta o desempenho das empresas e grupos econômicos em 2021, ano de alta nas vendas de 11,9% (R$ 306,4 bilhões, sem Saúde e DPVAT) sobre o de 2020.

O ranking utiliza dois critérios para o posicionamento das companhias: por grupo econômico ou empresa, no caso das independentes, e por empresas dentro dos segmentos e das principais famílias de produto, seguindo os agrupamentos que constam nas iniciativas da CNseg. O ranking também possui a visão com dados acumulados até o mês de referência e em 12 meses móveis. Além disso, o chamado prêmio direto é que vale para fins da aferição (ou contribuições para previdência; faturamento para capitalização e contraprestação para saúde).

Em 2021, considerando os R$ 360,4 bilhões (sem Saúde e DPVAT), os cinco primeiros do ranking pelo conceito de grupo econômico foram BB Seguros (R$ 61,9 bilhões e 20,2% de market share); Bradesco (R$ 50,4 bilhões e 16,4%); Caixa Seguros (R$ 38,4 bilhões e 12,5%); Zurich (R$ 22,8 bilhões e 7,4%); e Itaú (R$ 17,5 bilhões e 5,7%)

O segmento de Danos e Responsabilidades (sem DPVAT) foi o que mais contribui para a expansão setorial no ano, com alta de 14,6% e prêmios da ordem de R$ 89,8 bilhões. Os cinco maiores grupos econômicos neste segmento foram, por ordem de volume de arrecadação e percentual de participação: Porto Seguro (R$ 13,7 bi e 15,3%); Mapfre (R$ 7,3 bi e 8,1%); Tokio Marine (R$ 6,8 bi e 7,6%; Allianz (R$ 6,8 bi e 7,6%); e BB Seguros (R$ 6,4 bi e 7,1%).

O segmento de pessoas (Vida e Previdência) cresceu um pouco menos, 11,5%, com prêmios e contribuições somados superiores a R$ 192,3 bilhões. Também pelo critério de grupo econômico, os cinco primeiros do ranking foram BB Seguros (R$ 51,2 bi e 26,7% de participação); Bradesco (R$ 38,6 bi e 20,1%); Caixa Seguros (R$ 37 bi e 19,3%); Zurich (R$ 17,8 bi e 9,3%); e Itaú (R$ 13,6 bi e 7,1).

Em Capitalização, a alta no ano foi de 5,9%, e o faturamento, de R$ 24,3 bilhões. Os cinco maiores (grupo econômico) foram Bradesco (R$ 5,5 bi e 22,6%); BB Seguros (R$ 4,3 bi e 17,7%; Santander (R$ 3,8 bi e15,7%); Itaú (R$ 2,6 bi e 10,9%); Icatu (R$ 2,2 bi e 9,1%).

Em Saúde Suplementar, as maiores em 12 meses encerrados em setembro (último dado disponível na ANS) foram os seguintes grupos econômicos: Bradesco (R$ 30,7 bi e 12,8% de participação individual de mercado); SulAmérica (R$ 21,8 bi e 9,1%); Amil (R$ 19,9 bi e 8,3%); Notredame Intermédica (R$ 9,7 bi e 4,1%); e HapVida (R$ 6,9 bi e 2,9%)

Além do desempenho por segmento, que inclui a variação anual individual por grupo econômico, a CNseg divulga relatórios mensais com o comportamento de cada empresa/grupo em ramos e modalidades de seguros.

O ranking está disponível em ‘Análises e Estatísticas’, no menu de navegação do portal da CNseg.

Startup WinSocial amplia sua atuação com seguros inclusivos para pessoas com doenças crônicas

A WinSocial, em parceria com a MAG, acaba de apresentar a expansão da sua atuação, passando a oferecer o seu portfólio de seguro de vida a públicos penalizados ou excluídos pelo mercado por suas condições de saúde. A startup valoriza as atitudes saudáveis e recompensa financeiramente pessoas que cuidam da saúde, independente de alguma condição pré-existente. O novo portfólio irá abranger, além do público com diabetes, pessoas com HIV+, hipertensão, obesidade e com histórico de cânceres de mama, pele não-melanoma e próstata.

A expansão para os novos públicos faz parte da consolidação da estratégia de inovação da startup, bem como será essencial para o crescimento que a WinSocial está projetando para os próximos anos. A previsão é de chegar em 2022 aumentando em 600% a base de clientes ativos até o final do ano. A partir de então, o plano é dobrar a cada ano essa quantidade. A startup também é ambiciosa e pretende fechar este ano com arrecadação de R$14.6 milhões.

“Cada pessoa é única e nós buscamos oferecer aceitação e inclusão no seguro de vida do jeito que ela é! Se ela possui hábitos saudáveis e o bom controle da sua condição, pode estar apta ao seguro. A ideia é valorizar as atitudes saudáveis do indivíduo e não simplesmente uma condição de saúde. Isso, sem dúvida, é um grande diferencial no mercado e contamos com tecnologia e produtos que nos permite levar as melhores soluções para o nosso público”, afirma Rafael Rosas, diretor da WinSocial.

Dentre seus produtos e coberturas atrelados ao seguro de vida, a WinSocial também oferece uma série de serviços que podem ser utilizados no dia a dia do cliente para promover seu bem-estar. Entre eles, está a telemedicina, desconto em medicamentos e agendamento de consultas e exames. Além disso, a plataforma dispõe de informações e tecnologias personalizadas para cada público a fim de ampliar e fortalecer seus cuidados com a saúde, buscando uma longevidade saudável.

Com a ampliação das coberturas, a WinSocial busca disseminar a ideia de que não é a condição de saúde que define a pessoa, e sim as atitudes. Dessa forma, pessoas saudáveis e que possuem alguma condição de saúde específica, que, hoje, são penalizadas pelo mercado de seguros, têm acesso ao seguro de vida por um valor personalizado.

Porém, não é exclusivo para quem tem algum tipo de doença. Corredores, ciclistas, praticantes de crossfit, esportistas, dentre outros grupos que possuem hábitos saudáveis, também podem contratar essa proteção financeira com condições especiais.

Utilizando informações como o índice de massa corporal (IMC), pressão arterial e nível de colesterol, a plataforma personaliza o valor do seguro de acordo com o cuidado com a saúde. Todos esses dados serão coletados a partir de uma análise automatizada criada pela startup, baseada no underwriting digital, que usa de vídeos selfies e integração com outros aplicativos (Google Fit e Apple Health).

Seguro de vida cobre doenças graves e diagnóstico de câncer

Bernardo Castello, diretor da Bradesco Vida e Previdência, explica como utilizar o seguro para auxiliar no custeio aos tratamentos

O tratamento da doença grave de um ente querido pode ter custos altos tanto emocionais quanto financeiros. A incidência da pandemia evidenciou ainda mais a importância de se estabelecer uma cultura de proteção, levando muitos brasileiros a reavaliarem suas necessidades. Nesse cenário, Bernardo Castello, diretor da Bradesco Vida e Previdência, destaca que o Seguro de Vida pode ser uma alternativa para auxiliar no custeio do tratamento de uma doença grave, evitando impactos financeiros sobre a estrutura familiar.

 

“Não se trata apenas de reembolso de despesas ou adiantamento do capital de morte, mas sim de uma indenização que o segurado recebe em vida. Essa proteção traz conforto financeiro, ao agregar valor e estabilidade individualmente e no âmbito familiar, podendo até mesmo ajudar a salvar ou prolongar uma vida”, destaca Bernardo Castello.

 

De acordo com Instituto Nacional de Câncer (INCA), a projeção para cada ano do triênio 2020-2022 é de que ocorrerão 625 mil novos casos de câncer. O Seguro de Vida cobre as principais doenças de maior incidência sobre a população brasileira. No público feminino, as maiores ocorrências estimadas da doença são de Câncer de Mama (29,7%), Cólon e Reto (9,2%), Colo do Útero (7,5%), Traqueia, Brônquio e Pulmão (5,6%) e Glândula Tireoide (5,4%). No grupo dos homens, Câncer de Próstata (29,2); Cólon e Reto (9,1%); Traqueia, Brônquio e Pulmão (7,9%); Estômago (5,9%) e Cavidade Oral (5,0%).

 

Benefícios da cobertura

Com os recentes avanços da medicina em casos de diagnóstico precoce, a cobertura contratada pode auxiliar este tratamento, ao prover indenização capaz de custear as despesas envolvidas.

 

“Dependendo da cobertura, o segurado conta com diversos serviços de assistência, além de apoio nas despesas, deslocamento para o tratamento em outra cidade e até mesmo hospedagem no caso de pacientes em estado grave”, esclarece o diretor da Bradesco Vida e Previdência.

 

Bernardo Castello alerta que os trabalhadores autônomos, informais e prestadores de serviços também devem se planejar para incluir o seguro de vida no planejamento familiar. “Todos nós estamos sujeitos a imprevistos, e é nesses momentos que geralmente nos damos conta da necessidade de termos uma rede de segurança que possa amparar e dar tranquilidade a nós mesmos e a nossos familiares”, reforça.

 

Relação de custo-benefício

Na Bradesco Vida e Previdência, por exemplo, a partir de R$ 7,30 por mês, um jovem de 18 anos tem a opção de adquirir uma cobertura para doenças graves de até R$ 50 mil. “Uma relação de custo-benefício extremamente pertinente, especialmente tendo em vista que estamos falando da proteção do nosso bem mais valioso, que é a vida”, avalia o diretor.

 

Como receber a indenização?

Após o diagnóstico constatado da doença, o segurado deve realizar o aviso de sinistro. É importante verificar se a cobertura está prevista em contrato e se já transcorreu o período de carência. Feita essa confirmação, é dado início ao processo de regulação do sinistro. “Normalmente, o capital segurado é pago em até 30 dias após o diagnóstico, para que o segurado receba, em vida, o valor da cobertura”, conclui Bernardo Castello.

 

Seguro cobre prejuízos de automóveis danificados na tragédia em Petrópolis

Clientes que contrataram o seguro compreensivo serão assistidos pelas empresas seguradoras

 

Com a tragédia provocada pelo pior temporal que já assolou Petrópolis, centenas de pessoas perderam seus bens. Estima-se que mais de 500 veículos foram danificados em decorrência da chuva, mas o número pode ser ainda maior. Situações parecidas como a da cidade do Rio de Janeiro já aconteceram em outros estados brasileiros, a exemplo de Pernambuco e Bahia, mobilizando as companhias seguradoras do mercado para o suporte rápido aos seus segurados.

Segundo Rinaldo Lima, vice-presidente do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne), tanto os veículos que foram pegos pela chuva enquanto estavam nas ruas quanto aqueles que estavam nas garagens e foram danificados por conta da elevação do nível da água serão indenizados, desde que estejam acobertados pela contratação específica do seguro compreensivo.

“O produto também é conhecido como seguro total ou completo, oferecendo coberturas mais amplas que vão desde casos de colisão, incêndio, furto e roubo até danos decorrentes de eventos da natureza, como alagamentos”, completa Rinaldo.  De acordo com o executivo, a grande maioria das pessoas já tem o hábito de contratar o seguro compreensivo, o que traz um pouco mais de tranquilidade diante de situações difíceis como a de Petrópolis.

“Os corretores de seguros, que são habilitados para intermediar a contratação das apólices, sempre orientam os clientes quanto à importância dessa cobertura compreensiva e ampla, e não somente a de roubo e furto, para a proteção do patrimônio. Por isso é essencial procurar a orientação desses profissionais na hora de adquirir um produto de seguro”, finaliza.

Empresa lança nova plataforma de sua universidade corporativa aos corretores

 

 

Já está no ar a nova plataforma de aprendizagem para os corretores parceiros da MAG Seguros: a Potencialize. Com um visual moderno, intuitivo, de fácil navegação, e agora na versão mobile, os corretores têm acesso a diversos cursos específicos, separados por trilhas de aprendizagem, e direcionados ao momento profissional, seja ele iniciante na carreira ou experiente no mercado de seguros de vida e previdência.

 

Além do amplo portifólio de cursos e notícias do mercado segurador, o corretor conta com o espaço “Conectados”. Ou seja, um local para postar insights e conhecimentos, compartilhando boas práticas com colegas de profissão. Toda interação será valorizada pela MAG Universidade e os corretores que participam do Programa de Relacionamento MAG também somarão pontos com essas contribuições.

 

O objetivo da companhia é incentivar que o profissional de vendas busque conhecimento de forma contínua. Outro destaque é a extensão do convênio com as principais universidades em todo Brasil para que os corretores também usufruam de descontos em mensalidades e matrículas em cursos formais de especialização e aprimoramento profissional. Além disso, a nova plataforma dispõe de mais de 300 cursos voltados para essa finalidade.

 

Os corretores que desejarem ser parceiros da MAG Seguros podem enviar e-mail para sejaparceiro@mag.com.br

Sindicato de Seguradoras estima 500 veículos a serem indenizados em Petrópolis

Diretor executivo do Sindicato das Seguradoras do Rio de Janeiro e Espírito Santo, Ronaldo Vilela, afirma que postos de atendimentos foram montados para atender população

 

Em meio à tragédia provocada pelo pior temporal que assolou Petrópolis desde a série histórica, centenas de pessoas tiveram bens materiais destruídos, como veículos, imóveis e estabelecimentos comerciais na chuva de terça-feira (15). O Sindicato das Seguradoras do Rio de Janeiro e Espírito Santo estima que até esta sexta-feira o número de automóveis a serem indenizados será de 500 veículos. O número já se aproxima de 400.

 

“Pode ser que ao longo de amanhã e do início da semana que vem, com aumento da facilidade de comunicação haverá um número maior de atendimentos”, explica o diretor executivo do sindicato, Ronaldo Vilela.

Para conseguir a cobertura do seguro, inclusive o seguro de vida, o segurado deve entrar em contato com sua corretora de seguros ou seguradora. Vilela afirma que as empresas já montaram postos de atendimentos na cidade para agilizar o atendimento. O diretor do sindicato pondera que a dificuldade de locomoção na cidade e o transtorno emocional por conta do desastre dificultam o contato dos clientes com as seguradoras.

“As pessoas atingidas, que tiverem seguro, têm direito à cobertura. Seguro de automóvel, ao dano sofrido do automóvel, em caso da residência, no caso do comércio, lojas, e até o seguro de vida, por morte da pessoa em decorrência da tragédia”, reforça.

Questionado sobre a existência de prazo para acionar a seguradora, Vilela afirmou que o período não é curto e estima que a partir da semana que vem as condições para o contato devem estar melhores. “Hoje, as seguradoras dispõe de uma série de canais de atendimento. As seguradoras têm uma preocupação muito grande, principalmente neste desastre que ocorreu em Petrópolis”, completa.

Este tipo de evento é coberto por um tipo de categoria denominada “cobertura compreensiva”, que assegura eventos como alagamento e outros tipos provocados pela natureza. Segundo Vilela, a categoria é adotada pela maioria dos segurados. “O corretor orienta e a cobertura não é muito cara. A maioria contrata a cobertura compreensiva, decorrente desses fatos da natureza”, tranquiliza.

Além de automóveis, também podem ser segurados motocicleta, ônibus, caminhão, entre outros. “Hoje a maioria das pessoas contrata essa cobertura. Não onera o preço e dá garantia”, finaliza.

 

Por: JORNAL O DIA

Companhia seguradora lança ‘Novo Vida Segura Premiável’

Além de ampla cobertura por idade, produto permite resgate com a menor carência do mercado segurador

 

 

A Bradesco Vida e Previdência, empresa do Grupo Bradesco Seguros líder do segmento de seguros de vida resgatáveis, lança mais uma novidade no seu portfólio de produtos de Seguro de Vida: o ‘Novo Vida Segura Premiável’.

Com coberturas amplas de morte e doenças graves, dando ênfase à proteção em vida, o novo produto representa uma evolução em seguro de vida resgatável, tendo a menor carência de resgate do mercado segurador. Além disso, oferece ao segurado benefícios adicionais como sorteios semanais e assistência funeral.

“O Novo Vida Segura Premiável é o produto ideal para pessoas que buscam proteção para sua família e seu patrimônio, assim como a construção de um planejamento financeiro e de gestão de riscos, com a possibilidade de resgate”, destaca Bernardo Castello, diretor da Bradesco Vida e Previdência.

Além de manter os formatos tradicionais de pagamento (anual, mensal e único), a Bradesco Vida e Previdência também inova ao acrescentar a opção do pagamento mensal temporário – ou seja, o cliente terá a proteção da cobertura vitalícia, mas poderá pagar o seu seguro em 5, 10, 15 ou 20 anos.

Como funciona o Seguro de Vida resgatável

Bernardo Castello explica que essa modalidade de produto de vida oferece ao segurado a possibilidade de resgatar determinado percentual em relação do prêmio pago do seguro, o que se traduz em maior flexibilidade no que toca ao planejamento financeiro. “No Novo Vida Segura Premiável, esse resgate pode ser efetuado de acordo com o tempo de permanência, isto é, quanto maior o tempo, maior o percentual de regaste. Lembrando que, após o resgate, o seguro é cancelado e o cliente poderá contratar uma nova apólice”, conclui Castello.

Companhia passa a contar com novas coberturas e assistências para contratação

Saúde em Dia e Desconto farmácia e cobertura de despesas médicas, hospitalares e odontológicas são algumas das novidades

 

 

O HDI Vida PME, seguro de vida voltado para pequenas e médias empresas desenvolvido pela HDI Seguros em parceria com a Icatu, conta com novas coberturas e assistências para incrementar o já robusto portfólio da HDI, que oferece ao segmento das PMEs desenho flexível e processo de contratação ágil e simplificado.

Entre as novidades, estão a cobertura Alteração de Casa e/ou Modificação de Veículo, que garante o reembolso para despesas de adaptação residencial ou veicular – em caso de acidente pessoal coberto –, e a cobertura de Despesas Médicas, Hospitalares e Odontológicas, agora presente também no produto HDI Vida PME – Vida a Vida.

Já as novas assistências englobam o Kit Natalidade via cartão, com limites de R$ 300,00, R$ 600,00 e R$ 900,00; Saúde em dia e Desconto Farmácia, que tem por objetivo ofertar serviços médicos e odontológicos particulares de qualidade com preços reduzidos e descontos de medicamentos em estabelecimentos credenciados, e a assistência Funeral Individual e Familiar que passam a ter novos valores: R$ 7.000 e R$ 10.000.“Buscamos estar cada vez mais em sintonia com o mercado de pequenas e médias empresas, de olho no que esse segmento precisa para se desenvolver de forma saudável e robusta. As novas coberturas e assistências do HDI Vida PME contribuem para fazer do seguro de vida um serviço ainda mais importante no pacote de benefícios oferecidos aos colaboradores no atual cenário”, comenta Mauricio Galian, Vice-Presidente Técnico da HDI Seguros.

Os novos serviços já estão em vigor para o HDI Vida PME: Vida a Vida e HDI Vida PME: APC. Para o HDI Vida PME: Capital Global, essas novidades chegarão em breve.

Fundo ESG da MAG Investimentos é destaque de rentabilidade no seu primeiro ano e chega às principais plataformas digitais

 

A MAG Investimentos, gestora de ativos do Grupo Mongeral Aegon, está disponibilizando nas maiores plataformas digitais de investimentos do mercado brasileiro o fundo MAG Global Sustainable FIC FIM IE. Um fundo de ações globais que atende aos critérios ESG, e que possui a gestão feita pela Aegon Asset Management que está na vanguarda do investimento responsável há mais de 30 anos. O veículo offshore globalmente conhecido, 5 estralas Morningstar e premiado como um dos melhores fundos sustentáveis do mundo pela ONU conta com mais de US$ 530 milhões de patrimônio líquido. O veículo local, que acaba de completar 1 ano, já captou mais de R$ 250 milhões e durante esse período, registrou rentabilidade de mais de 28%.

Investir em fundos ESG já é uma ideia consolidada no mundo e têm sido uma importante estratégia de diversificação dos investimentos no Brasil. Com aportes iniciais dos investidores podendo ser feitos a partir de R$ 1.000, o fundo já está sendo negociado em grandes plataformas digitais, em um novo movimento de expansão do fundo para o varejo.

“O fundo investe em empresas inovadoras e disruptivas que estão fornecendo soluções para os desafios de sustentabilidade atuais. Este é um portfólio de alta convicção, focado no crescimento de 35-45 empresas, com o tema da sustentabilidade em cada posição. Uma excelente opção para os investidores que tenham um perfil mais arrojado e que buscam alternativas para minimizar os impactos da volatilidade do mercado brasileiro. O MAG Global Sustainable FIC FIM IE também oferece liquidez de D+4, o que, sem dúvida, é uma excelente alternativa”, comenta Fernando Gabriades, diretor comercial da MAG Investimentos.

Liquidez, rentabilidade e foco em sustentabilidade, mas sem abrir mão de uma gestão ativa e qualificada também são importantes diferenciais do fundo.

O MAG Global Sustainable FIC FIM IE foi aberto para investidores brasileiros em outubro de 2020, mas a estratégia existe desde 2016 sendo oferecida para investidores americanos e europeus. O portfólio do fundo é focado em empresas que seguem rígidos critérios ambientais, sociais e de governança aplicados em suas práticas, promovendo a sustentabilidade em todas as formas.

Desde 2008 a MAG Investimentos vem trabalhando na gestão de seus ativos de forma conjunta com a Aegon Asset Management. Atualmente, a Aegon tem mais de US$ 650 bilhões de ativos sob gestão no mundo e aqui no Brasil, a MAG Investimentos possui mais de R$ 8 bilhões, com um crescimento médio de 20% ao ano e expectativa de nos próximos cinco anos chegar ao valor de R$ 15 bilhões.

 

Time com nova estratégia 

A chegada de novos fundos como o MAG Global Sustainable FIC FIM IE no mercado nacional é parte da estratégia de negócios do time comercial da MAG Investimentos para atender seus clientes de forma ainda mais completa. Além da chegada de Fernando Gabriades em 2020 para assumir o cargo de sócio e diretor comercial, integram o time Edvaldo Torres como Head de Distribuição, e Gabriela Koller e Ronaldo Costa, como especialistas em Investimentos. A formação da nova equipe deu início a uma série de trabalhos visando a expansão de portfólio, novos acordos com corretoras de sucesso e o estudo e viabilização de novas oportunidades para o público geral.

Os fundos ESG ou ASG (do inglês Environmental, Social and Corporate Governance, siglas que se referem a questões Ambientais, Sociais e de Governança) atingiram seu ponto mais alto dos últimos cinco anos no Brasil, principalmente no ano passado, em que temas como saúde, ciência, globalização, solidariedade e conscientização ambiental se tornaram mais presentes no pensamento do público em geral.

Dicas de como economizar na contratação do seguro auto

Perfil do consumidor é fundamental na hora de contratar serviço

Item indispensável para motoristas ou condutores, o seguro auto é um investimento que deve receber um olhar atento do consumidor, principalmente porque, com o apoio consultivo do corretor, é possível encaixar esse serviço no orçamento e ainda poupar na hora de renovar a apólice ou em uma nova cotação.

Segundo o Diretor de Automóvel e Massificados da HDI, Marcelo Moura, “a conversa com o corretor no momento de contratar o seguro é fundamental para entender quais serviços se encaixam no perfil do consumidor. Esse é o primeiro passo para adquirir um seguro que esteja dentro do orçamento e que, além de prevenir dores de cabeça, possa fornecer tranquilidade e segurança em emergências”. O executivo ainda diz que “mais do que falar em deixar o seguro barato, é preciso falar em deixar o preço correto para cada risco”. Para isso, Moura dá algumas dicas:

– Escolher, com a ajuda do corretor, as coberturas que se adéquam ao seu perfil, não pensando apenas no roubo ou no furto do veículo, mas também em colisões, danos a terceiros e serviços de assistência.

– Responder às perguntas do corretor de maneira correta para a precificação adequada de cada risco.

– Cuidar do seu veículo e ser um bom motorista, o que garante menor risco e necessidade de utilizar o seguro.

– Pensar na escolha da franquia: nem sempre uma franquia mais alta para diminuir o custo do seguro é a melhor escolha; converse a respeito com o corretor.

– Utilizar sua classe de bônus, que se refere à experiência com o seguro pelos anos sem sinistro. Se você já tem uma apólice, não deixe de informar ao corretor o bônus para renovação.

Atualmente, cerca de 80% da frota nacional de veículos ainda circula sem ter um seguro auto,  o que reforça ainda mais a necessidade de desmistificar o seguro para a população. Na HDI Seguros, por exemplo, o consumidor pode encontrar também o HDI Auto Básico, produto que pode ser até 25% mais barato que o seguro tradicional e é voltado principalmente para quem ainda não conta com a proteção e a tranquilidade que o serviço proporciona.

O HDI Auto Básico aceita carros de passeio ou picapes leves de 4 a 20 anos de idade e com valor de até R$ 80 mil. Ele conta com cobertura para colisões, roubo/furto e incêndio; proteção de acessórios e vidros; carro reserva e uma série de assistências que podem ser acionadas 24h, como guincho, chaveiro e auto socorro. A novidade no portfólio de produtos auto da HDI também visa combater o crescente avanço da proteção veicular, serviço não regulamentado e que não dá garantia ao consumidor.

Empresa renova patrocínio da Copa do Brasil pelo 3° ano consecutivo

 

A MAG Seguros, seguradora de 186 anos especializada em seguro de vida e previdência, acaba de anunciar a renovação do patrocínio da Copa do Brasil para a temporada 2022. Em 2020, a companhia foi a primeira seguradora do país a patrocinar a competição.

 

“O patrocínio vem se mostrando muito positivo nos últimos anos, colaborando para a nossa exposição de marca em todo o território nacional. Em 2021, as transmissões tiveram recorde de telespectadores e 2022 será um ano muito promissor com a volta do público aos estádios. A MAG Seguros estará presente em diversos momentos memoráveis dos torcedores”, celebra Mirella Lavrini, superintendente de marca e comunicação da MAG Seguros.

 

O acordo de patrocínio faz parte da estratégia de investimento em marca e garante à empresa visibilidade com painéis de LED ou placa estática em todos os mais de 100 jogos da Copa, além das ativações em redes sociais, ingressos para jogos, ativação em estádios e chancela de patrocinador oficial.

 

Vale destacar que a seguradora, em agosto de 2020, foi responsável pela criação do prêmio Fair Play, direcionado para o time que apresentar o melhor comportamento em campo ao fim de cada fase do campeonato.

A MAG Seguros vem se destacando quando se trata de investimentos no nicho esportivo, pois, além de patrocinar a Copa do Brasil, tem o ex-atleta Jakson Follmann como embaixador da marca e são a patrocinadora dos esportes olímpicos do Flamengo, clube que revela muitos talentos.

 

Saiba como escolher um plano de previdência privada

Brasil é um dos países que mais rapidamente envelhecem no mundo; ter fôlego financeiro na maturidade é fundamental para a manutenção da qualidade de vida

De acordo com dados do Ministério da Saúde, até 2030, os idosos devem superar o total de crianças entre zero e 14 anos, colocando o Brasil entre os países que mais rapidamente envelhecem no mundo. Mas esses muito bem-vindos anos a mais também trazem um importante desafio: não apenas viver mais, mas viver melhor. Nesse cenário, o ideal é iniciar, o quanto antes, um planejamento financeiro que possibilite alcançar a tão almejada segurança na maturidade. E, em se tratando de longo prazo, esse planejamento deve incluir um bom plano de previdência privada.

 

Em linhas gerais, os planos se destinam a aposentadoria ou constituição de reserva para geração de renda no futuro, planejamento tributário e sucessório ou mesmo formação de poupança para a educação dos filhos.

 

“As modalidades mais comuns são o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre). O PGBL é indicado para quem faz a declaração completa de Imposto de Renda e contribui para o INSS ou regimes próprios de previdência. Essa opção permite dedução de até 12% da renda bruta anual. Já o VGBL é ideal para quem é isento de IR na fonte e utiliza apenas a declaração simplificada, ou seja, o imposto incide apenas sobre os rendimentos, no resgate”, explica Marcelo Rosseti, superintendente executivo da Bradesco Vida e Previdência.

 

Os recursos aportados nos planos são aplicados em fundos de investimento em Previdência. E, nos últimos anos, o forte avanço e a sofisticação da indústria de investimentos tornaram a previdência privada mais atrativa, com oferta diversificada de produtos para clientes de todos os perfis, do conservador ao arrojado. Atualmente, além da tradicional renda fixa, há fundos de previdência que investem no mercado acionário, os chamados multimercados, que podem ser aplicados em diversas classes de ativos e os que destinam parte dos investimentos em mercados internacionais.

 

Outro aspecto favorável a esse instrumento como formador de reserva de longo prazo é a portabilidade, que permite ao investidor trocar de gestor ou de fundo sem a incidência de imposto, alterando sua estratégia de investimento em função do seu momento de vida ou mesmo para aproveitar janelas de oportunidades do mercado financeiro.

 

“O leque de opções é enorme, e o investidor pode ingressar em fundos muito sofisticados com tíquetes baixos, a partir de R$ 50,00. O ideal, como sabemos, é começar o quanto antes. Porém, mesmo quem já tem certa idade pode se beneficiar desses produtos, inclusive para fins de planejamento sucessório, questão em que a previdência privada também oferece incentivos, como a liberação de inventário e a isenção do imposto sobre transmissão de bens”, conclui Rosseti.

 

 

Confira abaixo os passos para a escolha de um plano de previdência privada:

 

1. Estabeleça previamente o objetivo que deseja atingir com o seu plano;

 

2. Investidores com menor prazo de investimento devem optar por estratégias menos arrojadas, pois não teriam tempo de recuperação frente a eventuais resultados adversos;

 

3. Informe-se sobre as opções de planos disponíveis no mercado e os gestores que proporcionam os melhores resultados de acordo com o seu prazo de investimento;

 

4. Escolha o regime tributário mais adequado às suas necessidades;

 

5. Ajuste o plano ao seu momento de vida, tanto com relação a valores quanto a risco, horizonte de investimento, rentabilidade e benefícios desejados;

 

6. Não se deixe influenciar somente pela taxa de administração, pois um fundo com taxa mais elevada pode apresentar melhor performance do que outro com taxa inferior, resultando em maior ganho para o participante;

 

7. Reavalie periodicamente o plano e seus objetivos, para adequá-los ao seu contexto de vida e efetuar as correções de rota que se ­fizerem necessárias;

 

8. Comece cedo. Quanto maior o tempo de contribuição, menor será o esforço exigido para se alcançar a reserva desejada.

Aberta as inscrições para programa de estágio em diversas cidades do País

Seguradora oferece oportunidades para estudantes de diferentes áreas

 

 

A HDI seguros,  4ª maior seguradora no ramo empresarial,  5ª maior em Automóveis e a 6ª em Residencial, está com vagas abertas para o Programa de Estágio 2022 – Agora é sua vez. As oportunidades são voltadas para jovens das regiões de São Paulo e Santo André (SP), Blumenau (SC), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Itajaí (SC) e Fortaleza (CE).

As inscrições estão abertas até dia 07 de fevereiro, para candidatos graduandos, do período noturno – com matrícula ativa e previsão de formatura entre janeiro e dezembro de 2024 –, nos cursos de Administração de Empresas, Direito, Engenharia de Produção, Marketing, Comunicação, Engenharia, Ciências Atuariais, Ciências Contábeis, Estatística, Matemática, Economia, entre outros correlatos. E, também, para os estudantes do ensino técnico do segundo ano em diante.

Com duração de 24 meses, as oportunidades são para atuar na área Comercial, Subscrição de Vida, Subscrição de Transporte, Jurídica, Recursos Humanos e Analytics.

Entre os benefícios oferecidos pela seguradora, estão assistência médica, Gympass, vale-refeição, vale-transporte, fretado (para a região de SP), folga no aniversário, desconto nos produtos HDI, descanso remunerado e seguro de vida, além de um ambiente descontraído, dress code casual e modelo de trabalho híbrido.

A HDI Seguros é uma empresa Humana, Digital e Inovadora que valoriza pessoas e investe em seus talentos para que atinjam seu melhor potencial.

Clique aqui para se inscrever e saber mais sobre as oportunidades.

Novos pilares

O programa de estágio foi repaginado para 2022 e está dividido em duas fases que, juntas, somam 24 meses de jornada:

  • HDI Educa (capacitação e desenvolvimento em conteúdo do mercado segurador);
  • HDI Carreiras (capacitação voltada para desenvolvimento de carreira e mercado de trabalho).

“Nós, da HDI, valorizamos nossa equipe e incentivamos a busca de novas perspectivas para o nosso negócio. Por isso criamos um programa que vai oferecer todo o suporte para os participantes e que visa o desenvolvimento de suas capacidades nesse sentido”, diz Patricia Granizo, diretora de RH da HDI.

Reunião do CEM da CNseg lista fatores de riscos à retomada global

 

A primeira reunião do ano do Comitê de Estudos de Mercado (CEM) da Confederação Nacional das Seguradoras – CNseg, ocorrida na última quinta-feira (27), tratou dos fatores que poderão afetar o ritmo de retomada da economia global em 2022 e as consequências disso para o Brasil.

 

Tensão geopolítica na Europa, com o risco de invasão da Ucrânia pela Rússia, manutenção da inflação global, o avanço mundial da variante Ômicron (e seus desdobramentos indesejáveis), os preços em alta do petróleo, provável alta acelerada dos juros básicos da economia americana e a perspectiva de desaceleração da China, dadas as medidas severas para conter a Covid-19, estão entre os problemas que países emergentes deverão colocar no radar, já que são os mais propensos a sentir os efeitos de uma desaceleração global.  “Será um ano particularmente difícil para os emergentes (até para a China), sob os quais o aperto das condições monetárias globais tende a ter um peso maior”, relatou o economista Luiz Roberto Cunha, membro do CEM, destacando, entre as consequências, menores fluxos de investimentos externos, desvalorizações cambiais, pressões inflacionárias adicionais, em um cenário de inflação global resiliente.

Dois dos principais parceiros brasileiros- EUA e China – seguem em caminhos opostos em termos de retomada. EUA demonstram forte crescimento, de 6,9% anualizado no último trimestre, ao passo que a China perde pontos de expansão, em virtude de sua política de buscar zerar novos casos de Covid-19. Um pode elevar os juros e, com isso, reduzir fluxos de capitais para o Brasil, e o outro pode adiar o fim dos gargalos estruturais que travam a produção das cadeias globais. O resultado disso seria uma inflação permanentemente alta e ameaças reais no nível de atividades, principalmente em países emergentes.

 

Ao lado do cenário externo, a eleição presidencial de outubro, juros e inflação mais elevados e as questões fiscais foram outros temas tratados na reunião do CEM. A conclusão é de que, com tantas variáveis capazes de afetar o ritmo de recuperação, o cenário básico de 2022 é ainda de incerteza.

 

O desempenho positivo do setor, cuja arrecadação cresceu 13,3%, para R$ 275,3 bilhões até novembro (sem Saúde e DPVAT), foi outro tópico abordado no encontro, além do avanço da sinistralidade em algumas carteiras, como a de Automóvel. Nesse caso, o sinistro apresentou uma evolução de 40%, a maior da série histórica, ao passo que a arrecadação subiu 17,2% na comparação de novembro de 2021 versus o mesmo mês de 2020. Pela variação de 12 meses, constata-se uma recuperação em v da sinistralidade.

 

Também o Seguro Rural segue com forte pressão nas despesas com indenizações. O Rural acumulou R$ 9 bilhões em prêmios até novembro, crescimento de 38,8% sobre 2020. Ao passo que os sinistros têm apresentado forte aumento- atingiram R$ 4,1 bilhões – devido à seca no Sul e às fortes chuvas no Sudeste e em parte do Nordeste do País.

 

Na carteira de Vida, a arrecadação mantém a tendência de crescimento, ao passo que o volume de sinistro dá sinais de desaceleração, após pico ocorrido de abril e agosto do ano passado, quando chegou a pagar mais de R$ 1 bi /por mês.

 

Os especialistas destacaram ainda o ano muito positivo dos seguros Residencial e Empresarial que, juntos, representam aproximadamente 60% do grupo Massificados. Foi constatada ainda a trajetória do Habitacional, com receita acumulada de R$ 446,1 milhões e alta de 12,6% no acumulado do ano. Na pauta ainda, o comportamento do Garantia Estendida, seguro de Transportes e Capitalização.

Divulgada a chapa única para as eleições do Conselho Diretor da Fenaseg e da CNseg no mandato 2022/2025

Para cumprir novo mandato de três anos que iniciará em 30 de abril de 2022, as lideranças do setor de seguros decidiram por chapa única para as eleições do Conselho Diretor da Fenaseg e da CNseg, que prevê condução da maioria dos membros do atual mandato. Como Presidente do Conselho foi indicado Roberto de Souza Santos, Diretor-Presidente e de Relações com Investidores da Porto Seguro S.A. Ele contará com três Vice-Presidentes, mais quatro Vice-Presidentes natos que são os Presidentes das Federações associadas e 17 Diretores do colegiado superior. A chapa foi divulgada na sexta-feira, dia 28 de janeiro. Conforme os estatutos, as eleições ocorrerão no próximo dia 9 de março, com o novo mandato iniciando em 30 de abril.

A representação institucional do setor segurador é formada pela Fenaseg, seu braço sindical, e pela Confederação Nacional das Seguradoras – CNseg, o braço associativo.

Clique aqui para ler os Avisos de registro de chapa da Fenaseg e da CNseg.

Bradesco Vida e Previdência lança campanha sobre ‘Novo Top Clube Bradesco’

Com a voz da atriz Cissa Guimarães, filme reforça a importância do Seguro de Vida para garantir o futuro de quem se ama

 

A Bradesco Vida e Previdência, empresa do Grupo Bradesco Seguros, lançou na quinta-feira (6/1) sua nova campanha sobre proteção e segurança. Intitulado ‘Novo Top Clube Bradesco’, o filme apresenta uma animação em 3D, com situações que mostram o Seguro de Vida como o melhor amigo da família. A produção é narrada por uma voz bem conhecida do público brasileiro – a da atriz e apresentadora Cissa Guimarães – e leva a assinatura da agência AlmapBBDO.

“O Novo Top Clube Bradesco foi desenvolvido com o intuito de garantir o futuro de quem você ama, levando proteção e segurança a todo o núcleo familiar, a partir de valores bastante acessíveis. O produto conta, ainda, com assistência veterinária para cães e gatos”, destaca Jorge Nasser, diretor-presidente da Bradesco Vida e Previdência e da Bradesco Capitalização.

 

O conceito criativo da campanha foi pensado para se aproximar de um novo público, formado por jovens e pessoas com os mais variados níveis de renda. No filme, o cãozinho Top representa o símbolo de companheirismo, proteção e lealdade, remetendo aos atributos do Seguro de Vida. Exibida em rede nacional, no intervalo do Jornal Nacional, a campanha conta com peças para as redes sociais e spots de rádio, além de mídia impressa e OOH (mídia out-of-home).

“A campanha tem uma leveza e carisma únicos. A escolha do desenho animado cria conexão e memória afetiva com as pessoas. Tanto o filme quanto o produto reforçam a nossa principal missão, que é proteger, muito bem representada pela nossa assinatura ‘Com Você. Sempre’, destaca Alexandre Nogueira, diretor de Marketing do Grupo Bradesco Seguros.

 

Planos a partir de R$ 8,90 por mês

Dentre os principais diferenciais do ‘Novo Top Clube Bradesco’, destacam-se a oferta de planos a partir de R$ 8,90 ao mês; assistência funeral ampliada para cônjuges, pais, filhos e sogros; assistência veterinária para cães e gatos; e ausência de reenquadramento etário após os 60 anos. Destinado a pessoas físicas a partir de 18 anos, o produto oferece coberturas por morte natural e acidental, com capital segurado de até R$ 1 milhão, além de sorteios semanais no valor de R$ 10 mil. A contratação e gerenciamento do plano podem ser feitos diretamente pelo aplicativo Bradesco e via corretores Bradesco, além dos parceiros de negócios do Grupo.

 

Confira o vídeo: https://youtu.be/3BdaQASpydo

 Link para frames do vídeo: https://we.tl/t-b8iOKx69xS

Buracos na pista podem causar prejuízos significativos para motoristas

Seguradora alerta para a necessidade de serviços que apoiem os clientes em momentos como esse 

 

 

Desníveis em cruzamentos, consertos malfeitos no asfalto que fazem o veículo trepidar e, principalmente, os buracos que aparecem nas vias de transporte podem fazer qualquer motorista ter um prejuízo significativo. Dirigir com cuidado e manter uma boa distância do carro da frente pode ajudar a evitar problemas no veículo, mas contar com um seguro que inclua serviços dedicados a apoiar o motorista contra desgastes e buracos nas pistas, pode garantir tranquilidade.

 

O impacto sofrido pelo carro no momento em que o veículo passa por um buraco pode afetar diversas partes do automóvel, como pneus, suspensão e amortecedores, o que exige reparos que, muitas vezes, pesam bastante no bolso dos motoristas. Dependendo da gravidade, os problemas causados podem ir de pneus furados à necessidade de trocar o braço da suspensão, as buchas e a bandeja ou então as molas e amortecedores. Fazer o balanceamento e o alinhamento dos pneus, que, com certeza, serão desalinhados no impacto com o buraco, também devem estar na lista dos motoristas que passam por essa situação.

 

“Infelizmente, os buracos são uma realidade constante nas estradas brasileiras, por isso é preciso pensar em se prevenir dessa situação. Com a nossa nova cobertura adicional para proteção contra buracos, o cliente do seguro auto recebe um alto nível de qualidade no serviço prestado a custos que cabem no seu bolso, tudo isso com a garantia da rede de oficinas referenciadas da Autoglass, parceira da HDI na prestação desse serviço”, diz Marcelo Moura, Diretor de Automóvel e Massificados da HDI Seguros.

 

Com franquia de apenas R$ 120,00, o serviço pode ser acionado em situações em que o dano é iniciado no pneu ou na roda e, caso a suspensão seja danificada, ela também será reparada. O serviço pode ser acionado nos casos de danos gerados por impactos acidentais em objetos cortantes e/ou contundentes, tais como guias, blocos de sinalização de pista, buracos, desníveis acentuados de pontes, pedras, vidros etc.

 

É importante lembrar que, sempre que se passar por um buraco, é fundamental prestar atenção se ocorre qualquer alteração no comportamento do veículo. O volante tremer ou o carro apresentar barulhos vindos da suspensão ou amortecedor são sinais de alerta.

 

 

Chuvas de verão podem trazer prejuízos para motoristas

Fenômeno pode causar alagamentos e pegar condutores de surpresa

 

A intensidade das chuvas de verão pode assustar e pegar de surpresa muitos motoristas. Os três primeiros meses do ano costumam ser os mais atingidos pelo fenômeno, que pode danificar desde o sistema elétrico do automóvel até o motor ou mesmo causar a perda total do carro.

Com duração curta, porém intensa, acontecendo geralmente no final da tarde, o fenômeno é sentido especialmente no horário em que o trânsito costuma estar mais movimentado, causando alagamentos.

“É comum os motoristas serem pegos de surpresa durante as chuvas de verão. Por conta da força imprevisível desses episódios, muitas vezes nos deparamos com trechos alagados em questão de minutos, por isso é necessário estar preparado para situações como essas. No seguro Auto da HDI, por exemplo, oferecemos a cobertura de danos causados pelas enchentes, que protege o veículo em caso de submersão parcial ou total em água doce proveniente de enchentes ou inundações, inclusive nos casos de veículos guardados em subsolo”, informa Marcelo Moura, Diretor de Automóvel e Massificados da HDI.

A prudência do motorista em situações como essas também é fundamental. O executivo acrescenta que “nesse caso, é recomendado que o condutor tenha cautela e tome decisões sensatas, evitando se arriscar com o veículo no meio do alagamento. Essa é uma medida que visa preservar tanto o bem quanto o segurado”.

Pensando no bem-estar das pessoas e na segurança do carro, é importante ter em mente que a melhor opção é o motorista sempre avaliar a situação em que se encontra antes de avançar com o veículo em áreas alagadas. Para que o condutor possa trafegar com segurança em situações de alagamento, aqui vão algumas dicas:

– O ideal é que o volume de água no local não passe da metade da altura da roda do carro; se esse limite for ultrapassado, o risco de ficar no caminho aumenta bastante.

– A travessia de um local alagado deve ser feita lentamente, em primeira ou segunda marcha, mantendo distância suficiente do carro da frente. Velocidade e aceleração constantes evitam a formação de ondas e a entrada de água no escapamento.

– Se a chuva continuar forte e o condutor perceber que o nível de água está subindo rapidamente, o indicado é abandonar o veículo no local e acionar a seguradora o mais rápido possível. Não se deve esperar a água chegar à janela, o que pode dificultar a abertura da porta.

– Devido ao aumento do esforço do veículo para vencer a resistência da água, é recomendado desligar rádio, ar-condicionado, luz interna e tudo que não for estritamente necessário para a segurança durante a travessia.

– Em dias de chuva, a aderência do pneu ao asfalto é menor, então mantenha sempre a manutenção do carro em dia.

O fenômeno da longevidade exige o olhar atento ao futuro

Por Nilton Molina, presidente do Instituto de Longevidade MAG 

 

 

Estamos vivendo cada vez mais, e isso não é uma novidade. Temos acompanhado há mais de meio século o aumento contínuo da expectativa de vida, de acordo com dados e estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), esse é o caso brasileiro, mas no mundo inteiro se observa o mesmo fenômeno.

 

É bem verdade que, embora estudiosos estejam considerando sobre o eventual impacto da pandemia nos indicadores de sobrevivência, é preciso entender que a pandemia é apenas um retrato, enquanto a demografia deve ser vista como um filme. Isso fica ainda mais claro quando consideramos a rápida resposta da ciência no desenvolvimento de vacinas, visto que em menos de um ano, grande parte do mundo já está vacinado. Não obstante essa discussão, se a pandemia vai alterar ou não os índices de longevidade, precisamos continuar olhando o futuro.

 

Se o bônus da longevidade é viver mais, o ônus é representado pela necessidade constante de planejarmos nosso futuro financeiro. Para isso, o primeiro passo é admitir que pensa em longevidade não é coisa do futuro. Trata-se de um processo que deve permear toda nossa vida. Os valores poupados e os juros sobre essa acumulação confirmam essa tese: quanto antes começamos a poupar, mais rápido alcançaremos os nossos objetivos.

Outro ponto importante para considerar em nossos programas de educação financeira é um olhar sobre tudo o que significa ser previdente e não apenas considerar o propósito de longo prazo, ou seja, as aposentadorias. Nesse cenário de análise não podemos desconsiderar os imprevistos que poderão acontecer durante esse longo caminho, até as aposentadorias. É nesse contexto que o mercado de seguros ganha cada vez mais relevância.

É imprescindível que as pessoas passem a considerar todos os riscos aos quais estamos expostos: morte prematura deixando dependentes financeiros; invalidez que comprometa a capacidade de gerar renda; e bem-estar, a fim de garantir recursos para viver melhor e com saúde.

 

O seguro de vida é a solução para amenizar todos esses riscos. Por meio dele, é possível contar com soluções sob medida, para cada tipo de necessidade, perfil e até mesmo em diferentes condições de saúde e atividades profissionais.

 

A compreensão sobre a importância de planejar e preservar o próprio futuro e de suas famílias deve estar cada vez mais presente na nossa sociedade, muito impulsionada por fatores externos, como a pandemia, reforma da previdência, novos modelos sociais e a longevidade. É fundamental, no entanto, transformar consciência em ação, antes que seja tarde demais…